Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Internautas para Renan: “Siga o exemplo do Papa!”

Na esteira da renúnica repentina do Papa Bento XVI, em pleno carnaval, os brasileiros aproveitaram para pedir que o recém-eleito presidente do Senado, alvo de mais uma investigação de corrupção, seguisse o exemplo dado pela Sua Santidade e  renunciasse também.

Mais de 1,5 milhões de pessoas já assinaram uma petição online exigindo o afastamento de Renan Calheiros, que apesar de estar sendo investigado pelos crimes de peculato, falsidade ideológica e uso de documento falso, foi eleito presidente do Senado em 1º de fevereiro com 56 contra 18 votos secretos.

As acusações de corrupção feitas contra Renan pela Procuradoria-geral da República só vieram a público no próprio dia da vitória. O senador alagoano não mencionou a investigação em seu primeiro discurso como presidente da Casa.

Indignado com o sigilo em torno do caso, o povo rapidamente mobilizou-se contra o pemedebista, e os foliões aproveitaram a saída do pontífice para reacender protestos em meio às festividades.

Genésio Bragança afirma que o Papa dá um grande exemplo para os políticos brasileiros:

Enquanto na renúncia do Sumo Pontífice as reações no mundo são de felicitações diante da grandeza da atitude, nos casos brasileiros, a ausência de renúncia causa rubor, indignação, insatisfação, tristeza e frustração!

Papa manda recado para Renan

O Papa manda recado para Renan em fotomontagem do blog badarts.

Nem o prestigioso cargo nem as denúncias de corrupção, entretanto, são novidades no currículo do senador, reeleito para este terceiro mandato no Senado em 2010. O alagoano esteve no comando da Casa de 2005 a 2007, até que uma série de denúncias de corrupção, caso que ficou conhecido como Renangate, fez com que ele renunciasse ao cargo. Com a saída da presidência, o parlamentar evitou uma possível cassação do mandato de senador, o que impediria a reeleição para o mandato atual.

Se condenado no Supremo Tribunal Federal (STF), o pemedebista pode pegar até 23 anos de cadeia e pagar multa aos cofres públicos.

Marco Eusébio comentou no mesmo dia da notícia bombástica:

A renúncia do papa Bento XVI é, disparado, o assunto líder em comentários hoje no “Trending Topics” do Twitter Brasil. Usuários sugerem que o novo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), fiel seguidor do governo, seja qual for o governante, siga o exemplo do alemão. Doce ilusão, mas, é carnaval, e não custa fantasiar. Quem sabe cola, né?!

A mensagem abaixo, de Tico Santa Cruz, foi compartilhada mais de 250 vezes no Twitter:

@Ticostacruz: Não sou Católico, então a Renuncia do Papa não me diz nada. Mas sou Brasileiro e a Renuncia do Renan Calheiros seria muito importante p mim

Outros tweets demonstram a frustração e esperança do povo:

@josealaide: Feliz Ano Novo a todos. O carnaval acabou. O ano começou. O Papa renunciou. O Renan ficou. E o povo… “dançou”.

@Nailormarques: O Papa renunciou. Chavez, Renan, Sarney vocês têm que se tocar, o prazo de validade já venceu.

E muitos protestaram sem perder toque de humor tipicamente brasileiro:

@fabricio_cunha: Especula-se um rodízio no triângulo política-religião-futebol. Renan é cotado para o Vaticano, Felipão para o Senado e o Papa p/ a seleção.

@athosronaldo: A gente faz um abaixo-assinado com mais de um milhão e trezentas mil assinaturas pela saída de Renan Calheiros e quem renuncia é o Papa.

abaixo-assinado a que a mensagem acima se refere foi iniciado na Avaaz pelo representante comercial Emiliano Magalhães horas depois da eleição para a presidência do Senado e ultrapassou, em pleno domingo de carnaval, a meta de 1% do eleitorado brasileiro. O gol agora é chegar a 1.600.000 – o dobro do número de eleitores de Renan. Na ocasião da atualização deste artigo, às 20h de 14 de fevereiro (horário de Brasília), faltavam apenas 80.000 assinaturas para alcançar a meta.

Embora do ponto de vista jurídico a petição não tenha valor, ela deve ser usada para causar “causar um rebuliço na mídia e exigir a revogação do presidente do Senado”. A campanha é apresentada assim:

Povo Brasileiro! Acabamos de ser chamados de Palhaços!!!
O Senador Renan Calheiros acaba de ser eleito Presidente do Senado com 56 votos secretos!! Isso é um absurdo! E não podemos ficar calados diante de tal ATROCIDADE!!!
Não podemos ficar de mãos atadas!

Bloco Fora Renan e os Mascarados

O Bloco Fora Renan e os Mascarados faz referência aos 56 senadores mascarados que votaram no escuro no presidente do Senado

Além de petições virtuais, a população brasileira vem pedindo o impeachment ou a renúncia do Senador em protestos em vários cantos do Brasil, mesmo durante o feriado prolongado. De improviso, o bloco carnavalesco “Fora Renan Calheiros e os 56 mascarados” saiu no no Rio de Janeiro na Quarta-feira de Cinzas. A ideia, segundo o evento no Facebook, é simples:

mascara de renan

Máscara produzida para o bloco por Gustavo Fernochi. Instruções: “Salve a imagem no computador. Na hora de imprimir, ajuste ao tamanho da folha. O poder sempre será do povo!”

Produza sua máscara, leve sua vassoura, produza uma marchinhas e envie aos organizadores… use sua criatividade e arranje uma forma de protestar e se divertir ao mesmo tempo. A ideia é inovar, conscientizar, divertir, e principalmente: protestar.

E os foliões não perderam o rebolado diante de várias canções satíricas compostas especialmente para o carnaval 2013, como a Marchinha do Renan abaixo. Com letra de Carlos Cabalini, ela bem que poderia ter sido o enredo do bloco dos 840.809 eleitores de Renan Calheiros:

Renan, Renan
Você não é culpado
A culpa é de quem
Te mandou lá pro Senado

Quem foi, quem foi
Quem foi que te elegeu?
Eu sei, eu sei quem foi
Esse otário foi eu…

Muitas outras manifestações públicas estão sendo organizadas por meio do grupo Fora Renan Calheiros no Facebook, culminando com um grande protesto no dia 24 de fevereiro em diversas cidades brasileiras, e até no exterior. Uma vez que o julgamento da denúncia contra Renan Calheiros no STF deve demorar “um pouquinho” – talvez tempo suficiente para que mandato do senador alagoano tenha chegado ao fim – o Senado deve servir também de motivação para o próximo do Dia do Basta, uma série de protestos contra a corrupção que acontecerá em mais de 60 cidades nos dias 19, 20 e 21 de abril.

Artigo atualizado às 20h de 14 de fevereiro (horário de Brasília)