Fechar

Faça uma doação para manter o Global Voices no ar!

Cobrimos 167 países. Traduzimos em 35 idiomas. Somos o Global Voices.

Somos mais de 800 colaboradores trabalhando juntos em todo o mundo para oferecer aos nossos leitores notícias que são difíceis de encontrar em veículos tradicionais. Não podemos, porém, fazer tudo isso sozinhos. Embora a maioria de nós seja voluntária, ainda precisamos de sua ajuda para apoiar os nossos editores, tecnologias, projetos de extensão e defesa de direitos online, além dos eventos de nossa comunidade.

Doe agora »
GlobalVoices em Leia mais »

Egito: Forças de Segurança Destroem Mercado de Livros Histórico de Alexandria

Na manhã de 7 de setembro de 2012, os egípcios acordaram com a notícia da destruição, pelo Ministério do Interior, de livrarias situadas nas calçadas da rua do Profeta Daniel, em Alexandria. A batida policial, que aconteceu ao amanhecer, deixou os internautas revoltados com a Irmandade Muçulmana, que, para eles, está travando uma guerra contra a cultura.

Forças de segurança destruíram quiosques e livros, danificando coleções inestimáveis de livros e patrimônio cultural.

A Dra. Shadia Metwally se opõe à batida [ar]:

غلط الاعتداء علي مكتبات منطقة النبي دانيال وتترك أرصفة اخري عليها شاي وقهوة وكراسي بالية دي مكتبات وفيها ثروة ثقافية ‎‫#النبي_دانيال‬‏
@shadiametwally: É errado atacar livrarias na área da rua do Profeta Daniel, enquanto outras calçadas, onde se vendem chá e café em velhas cadeiras, são poupadas. Essas livrarias abrigavam um patrimônio cultural

Schehrazade demonstra preocupação com os estudantes, que sentirão as consequências:

@_Schehrazade: I can't imagine how poor university students will now be able to afford their books. Seriously a most malicious act

@_Schehrazade: Eu não consigo imaginar como pobres estudantes universitários farão para comprar livros agora. Realmente foi um ato de má-fé
What is left of Hameedo's bookshop on Prophet Danial Street in Alexandria

O que restou da livraria de Hameedo na rua do Profeta Daniel em Alexandria, após uma batida policial. Foto compartilhada por Heba Farooq no Twitter

Heba Farouk Mahfouz explica:

كشك عم رجب حميدو رغم أنه في ممر خاص ومش ع الشارع، ورغم حصوله ع ترخيص من 34 سنه قامت الداخليه بتدميره ‎‫#النبي_دانيال‬‏ ‎http://pic.twitter.com/DRiSLckf
@HebaFarooq: O quiosque de Rajab Hameedo estava em uma via privada, não na rua, e, apesar de possuir uma licença há 34 anos, ele foi destruído pelo Ministério do Interior

Ela compartilha a fotografia acima, que mostra a destruição.

Waleed tuíta:

#النبي_دانيال‬‏ قطعتوا عيش بائعي كتب بسطاء وحرمتم القراء البسطاء من مصدر سعادتهم، فيه أغبى من كدة؟!؟
@WilloEgy: Vocês destruíram o ganha-pão de simples vendedores ambulantes e impediram pessoas pobres de ler, na sua busca por felicidade. Existe algo mais estúpido que isso?

E Wael Barakat ironiza:

يعني بعد كده بيع الكتب هايبقي زي بيع الخدرات و هانروح نشتري الكتب جوه شرايط الفديو
@Wael_Barakat: Será que isso significa que  agora vender livros vai ser como vender drogas e teremos que comprar livros dentro de fitas de vídeo?

Enquanto isso, Ahmed Elsawy indaga:

طب والراجل أبو كشك أزرق اللي علي اول الشارع اللي كنت بشتري من عنده ديما,وديما الاقيه بيصلي هدوله هو كمان كشكه؟طيب ‎‫#النبي_دانيال‬‏
@Ahmed_Elsawy: E o que acontece com o homem do quiosque azul onde eu sempre comprava livros? Eu sempre o encontrava rezando. Por que também destruíram o seu quiosque?

Muitos culparam abertamente a Irmandade Muçulmana, cujo membro Mohamed Morsi é o novo presidente do Egito, pelo ataque aos livros.

Anas Abdelazeem revida:

تصوير ازالة اكشاك الكتب في ‎‫#النبي_دانيال‬‏ باعتباره هجمه اخوانيه ضد الثقافيه سخيف لانه وضع متكرر

@anasabdelazeem: Considerar a destruição dos livros na [rua] do Profeta Daniela um ataque da Irmandade Muçulmana contra a cultura é ridículo, já que este é um incidente recorrente

Para mais reações no Twitter, confira esta hashtag [ar].

Ahmed Rock compartilha fotos dos resultados da batida na sua página no Facebook page aqui.

Regiões do mundo

Países

Línguas