Fechar

Faça uma doação para manter o Global Voices no ar!

Cobrimos 167 países. Traduzimos em 35 idiomas. Somos o Global Voices.

Somos mais de 800 colaboradores trabalhando juntos em todo o mundo para oferecer aos nossos leitores notícias que são difíceis de encontrar em veículos tradicionais. Não podemos, porém, fazer tudo isso sozinhos. Embora a maioria de nós seja voluntária, ainda precisamos de sua ajuda para apoiar os nossos editores, tecnologias, projetos de extensão e defesa de direitos online, além dos eventos de nossa comunidade.

Doe agora »
GlobalVoices em Leia mais »

Iêmen: O Xeque, as Mulheres e o NYT

Este post faz parte de nossa cobertura especial dos Protestos do Iêmen 2011 [en].

As mulheres iemenitas tiveram um importante papel na revolução de seu país ano passado. Elas estavam na linha de frente de muitas marchas e foram um bom exemplo de bravura e firmeza. Por isso, internautas ficaram enfurecidos com o Xeque Hamid Al-Ahmar, membro da liderança política do Al Islah, que supostamente fez uma declaração ofensiva em relação às mulheres revolucionárias do Iêmen. Seus comentários foram publicados no jornal New York Times em 23 de maio, em um artigo entitulado “Muitas facções do Iêmen esperam impacientemente por uma resolução” [en].

As ofensivas foram:

But when asked about the square, he shifted to a sharper tone: “There was bad behavior, which turned the square into a discotheque! Those women wanted to go hand in hand with their boyfriends as lovers in the demonstrations. This is not right and is against our religion.

Mas, quando questionado sobre a praça, ele mudou para um tom mais afiado: “Houve mau comportamento, que transformou a praça em uma discoteca! Aquelas mulheres queriam ir de mãos dadas com seus namorados como amantes nas demonstrações. Isto não está certo e é contra nossa religião”.

Atiaf Alwazir, uma das muitas ativistas iemenitas, exigiu um pedido desculpas do Xeque. Ela tuitou:

@WomanfromYemen: i demand an apology from Hamid al-Ahmar for insulting women revolutionaries when he spoke to the new york times ‪#yemen‬

@WomanfromYemen: eu exijo um pedido de desculpas de Hamid al-Ahmar por insultar mulheres revolucionárias quando ele falou com o new york times #yemen

Amal Albasha, um proeminente ativista veterano, que também é Presidenta do Fórum Árabe das Irmãs pelos Direitos Humanos (SAF, na sigal em inglês), escreveu um post [ar] exigindo desculpas do Xeque. Ela escreveu:

الجدير بالذكر أن الإساءة والتعريض بالثائرات اليمنيات في ساحات الثورة منذ إندلاعها في بداية العام الماضي ليس بالأمر الجديد علينا, إنما الجديد في الأمر الآن هو ان تأتي هذه المرة من طرف يقدم نفسه كثائر ومدافعاً وداعماً للثورة وساحاتها ومسيراتها برجالها ونسائها وهذا أقسى وأمر
O abuso de mulheres iemenitas revolucionárias em praças pelo Iêmen, desde o começo da revolta no começo do ano passado, não é algo novo para nós. O que é novo agora é que vem de alguém que se apresenta como um revolucionário e defensor e apoiador da revolução, de suas praças, suas marchas, de seus homens e mulheres. Isto é mais duro e mais amargo.

Summer Nasser tuitou em desânimo:

@SummerNasser: #Yemen: Bad mouthing women is against our religion. Making assumptions is against our religion. Therefore, (continued)

@SummerNasser: #Yemen: Therefore, what Hamid is saying is baseless and against our religion.

@SummerNasser: #Yemen: Difamar mulheres é contra nossa religião. Fazer suposições é contra nossa religião. Mesmo assim, (continua)

@SummerNasser: #Yemen: Mesmo assim, o que Hamid está dizendo não tem base e é contra nossa religião.

Ela questionou:

@SummerNasser: Where in the world is @TawakkolKarman on this statement of Al-Ahmar?

@SummerNasser: Onde estará @TawakkolKarman nesta declaração de Al-Ahmar?

Luai Ahmed tuitou com raiva:

‏@JustLuai: Hameed Al-Ahmar needs eggs thrown at him… Brick shaped eggs… Made of bricks.

@JustLuai: Hameed Al-Ahmar precisa de ovos sendo jogados nele… Ovos em formato de tijolos… Feito de tijolos.

E Sam Waddah comentou:

@SamWaddah:I feel outraged by douchebag Al-Ahmar's irresponsible statement about the brave women of ‪#Yemen‬ who amazed the entire world! Disgusting!

@SamWaddah: Eu me sinto indignada pelo declaração irresponsável do idiota de Al-Ahmar sobre as bravas mulheres do #Yemen que maravilharam o mundo inteiro! Nojento!

Na mesma tarde, o perfil do xeque Hamid Alhamr tuitou um esclarecimento no qual negou ter feito tais declarações.

المكتب الإعلامي للشيخ حميد الأحمر ينفي صحة مانشر بصحيفة نيويورك تايمز —————————– أعرب… ‎http://fb.me/1FGZ11oxx [ar]
A assessoria de imprensa de Xeque Hamid Alahmar nega as declarações que foram publicadas pelo New York Times…

Afrah Nasser postou uma carta escrita ao New York Times pela ativista feminista do Iêmen Sarah Jamal em um post de seu blog [en], o qual inclui uma tradução da negação do Xeque de ter feito tais declarações.

Sarah exigiu uma resposta da respeitada publicação:

We kindly ask your help as journalists in the one and only New York Times to help us know the truth of that interview given that we are going to file a suit against Hamid Al-Ahmer and his only way to stop us would be a recording that proves he did not say what was said in the interview. I will be waiting for your answer with all the faith I have in this newspaper that I grew up reading.

Nós gentilmente pedimos sua ajuda como jornalistas do único New York Times para nos ajudar a saber a verdade sobre a entrevista dada; nós vamos abrir um processo contra Hamid Al-Ahmer e o único jeito de nos impedir seria uma gravação que prove que ele não disse o que foi escrito na entrevista. Vou ficar esperando pela resposta com toda a fé que tenho nesse jornal que eu cresci lendo.

Enquanto isso, Marwan Almuraisy tuítou ao NYT:

@almuraisy: Dear @nytimes Will you please share us online the audio record of the interview? http://bit.ly/KI2jAz ‪#Yemen‬

@almuraisy: Querido @nytimes Vocês poderiam compartilhar online o áudio da gravação da entrevista? http://bit.ly/KI2jAz ‪#Yemen

Em 31 de maio, Atiaf Alwazir tuítou:

@WomanfromYemen: @nytimes can you plz respond to Hamid Al-Ahmar's allegations of “fabricating his quote” here http://www.nytimes.com/2012/05/24/wor … ‪#yemen‬

@WomanfromYemen: @nytimes vocês podem por favor responder às alegações de Hamid Al-Ahmar de “fabricar seu depoimento” aqui http://www.nytimes.com/2012/05/24/wor … #yemen

E dia 4 de junho ela tuítou de novo:

@WomanfromYemen: @newyorktimes has not responded to the many inquiries by Yemeni activists regarding a previous article on ‪#Yemen‬ & women.

@WomanfromYemen: #newyorktimes não respondeu às diversas indagações de ativistas iênemitas em relação ao artigo prévio sobre #Yemen e mulheres.

Sarah Jamal também tuítou no mesmo dia:

@Sarah_Sanaa: ‪#Newyorktimes‬ please respond to ‪#Hamidalahmar‬ claims on misquoting him…

@Sarah_Sanaa: #Newyorktimes por favor responda às #Hamidalahmar reclamções de citá-lo erroneamente…

Afrah Nasser tuítou:

@Afrahnasser: @nytimes reputation is on the stake. Hamid al-Ahmer denies what they quote him with. ‪#Yemen‬ ‫#حميد_الأحمر‬

@Afrahnasser: a reputação do @nytimes está em jogo. Hamid al-Ahmer negou o que citaram sobre ele. #Yemen #حميد_الأحمر

Em 4 de junho, houve uma marcha em Sanaa rezando pelo papel das mulheres iemenitas, condenando injustiçãs contra mulheres e exigindo um pedido de desculpas do Xeque Hamid Al-Alhmar e um esclarecimento do New York Times. (Vídeo postado por ahrartagheer1)

http://www.youtube.com/watch?v=WRdP7vH3nQM&feature=youtu.be

O autor do original deste post tuitou o seguinte:

@NoonArabia: We await the audio recording of @nytimes's interview with Sheikh Hamid Al-Ahmar & demand a swift apology from either end. ‪#Women‬ of ‪#Yemen‬

@NoonArabia: Nós esperamos o áudio da gravação da entrevista do @nytimes com Xeque Hamid Al-Ahmar e exigimos brevemente uma desculpa de ambos. #Women do #Yemen

Até a escrita deste post a estimada publicação continua a ignorar ativistas iemenitas exigindo um esclarecimento.

Este post faz parte de nossa cobertura especial dos Protestos do Iêmen 2011.

Regiões do mundo

Países

Línguas