Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Alemanha: Protestos #Blockupy Contra Austeridade Pan-Europeia

Este post faz parte da nossa cobertura especial Europa em Crise.

Os protestos Blockupy, contra “o empobrecimento generalizado e a restrição de direitos democráticos que ocorre na Eurozona, como resultado da crise do sistema global”, abalaram o epicentro financeiro da Europa, Frankfurt, na semana passada.

Na continuação dos dias de acção global a 12 e 15 de Maio de 2012 (12M e 15M), activistas de vários pontos da Europa tinham sido convocados para convergirem em Frankfurt numa manifestação de solidariedade internacional. O objectivo primordial seria eventualmente fazer um bloqueio ao Banco Central Europeu (BCE) e outras instituições cruciais do capitalismo global. No dia 4 de Maio, no entanto, o Departamento de Ordem Pública do Município de Frankfurt anunciou que todas as acções planeadas seriam consideradas ilegais, excepto a marcha marcada para Sábado, 19 de Maio.

Occupy Frankfurt à frente do BCE. Foto partilhada pela Roarmag.org (copyleft).

Occupy Frankfurt à frente do BCE. Foto partilhada pela Roarmag.org (copyleft).

Mesmo assim, milhares de activistas decidiram tomar uma posição contra a proibição e reclamar pelo direito previsto na constituição “de [reunir em] assembleias sem armas, sem [necessidade de] registo prévio ou permissão”.

Enquanto que a grande mídia não deu muita atenção aos eventos, as redes sociais online eram inundadas de reportagens feitas pelos cidadãos sobre as mobilizações que decorreram sob presença e repressão policial desproporcionada.

No Twitter muitos vídeos e fotos foram partilhados através da hashtag #Blockupy. Pessoas e colectivos de diferentes países, tal como o Occupy Bruxelas e Bélgica, transmitiram em directo os protestos, marchas e assembleias, assim como o programa cultural e diversos debates sobre trabalho, ecologia, economia, entre outros.

“Protestar pelo direito de protestar”

O Blockupy começou no mesmo dia em que o Presidente francês recém eleito, Hollande, se encontrava com a Chanceler Merkel [fr] em Berlim, 16 de Maio. Ao mesmo tempo, em Frankfurt, a polícia cumpria a ordem de despejo da acampada “Occupy Frankfurt” com já mais de sete meses em redor do símbolo do Euro perto das instalações do BCE. O blog Critical Legal Thinking (Pensamento Legal Crítico), que fez uma cobertura aprofundada dos quatro dias de protesto, descreveu a cidade em “Estado de Excepção efectivo“.

Polícia intercepta três autocarros de Berlim a caminho de #Frankfurt. Foto de @Blockupy no Twitter.

Polícia intercepta três autocarros de Berlim a caminho de #Frankfurt. Foto de @Blockupy no Twitter.

No feriado do 17 de Maio, enquanto a mídia mainstream apontava os holofotes ao Ministro das Finanças alemão Wolfgang Schäuble – que foi galardoado com o  prémio europeu Charlemagne pelo seu papel central na definição das políticas de austeridade principalmente impostas aos países periféricos – autocarros que transportavam activistas de diferentes cidades em direcção à manifestação anti-austeridade no centro de Frankfurt foram impedidos de entrar na cidade e escoltados de regresso à origem pela polícia.

Apesar das tentativas de intimidação, cerca de 2.000 activistas conseguiram ocupar, pelo menos por algumas horas, a praça histórica de Roemerberg onde se encontra a câmara municipal, e símbolo do início da democracia no país.

Manifestantes do Blockupy em acção contra o sistema bancário e financeiro. Foto de Patrick Gerhard Stoesser, copyright Demotix (17 de Maio, 2012).

Manifestantes do Blockupy em acção contra o sistema bancário e financeiro. Foto de Patrick Gerhard Stoesser, copyright Demotix (17 de Maio, 2012).

A praça foi depois bloqueada pela polícia de choque:

Manifestantes sentados e de braços fechados em oposição à presença policial. Foto de Patrick Gerhard Soesser, copyright Demotix (17 de Maio, 2012).

Manifestantes sentados e de braços fechados em oposição à presença policial. Foto de Patrick Gerhard Soesser, copyright Demotix (17 de Maio, 2012).

Ao fim do dia, a polícia de choque esvaziou a praça de forma violenta, como ilustram diversos foto repórteres [de]:

Um manifestante a ser detido pela polícia. Foto de Patrick Gerhard Stoesser, copyright Demotix (17 de Maio, 2012).

Um manifestante a ser detido pela polícia. Foto de Patrick Gerhard Stoesser, copyright Demotix (17 de Maio, 2012).

A detenção de pelo menos 400 protestantes de diferentes nacionalidades despoletou manifestações de solidariedade também fora do país:

Embaixada da Alemanha em Roma. Protesto contra a repressão e detenções em Frankfurt durantes os protestos contra a crise. Cartazes contra o eixo Roma-Berlim, BCE e Merkel. Foto de Simona Granati, copyright Demotix (18 de Maio, 2012).

Embaixada da Alemanha em Roma. Protesto contra a repressão e detenções em Frankfurt durantes os protestos contra a crise. Cartazes contra o eixo Roma-Berlim, BCE e Merkel. Foto de Simona Granati, copyright Demotix (18 de Maio, 2012).

Uma reportagem vídeo pelo utilizador de Youtube sydansalama1, da Finlândia, com entrevistas legendadas em inglês, resume alguns dos acontecimentos do dia:

Tinha sido recomendado aos funcionários de bancos sediados no distrito financeiro de Frankfurt que tirassem folga na sexta feira, 18 de Maio, ou que trabalhassem a partir de casa de forma a evitarem entrar na cidade, já que era o dia em que estava programado o bloqueio. No entanto, como Jerome Ross da Roar Magazine escreveu na noite anterior, a cidade de “Frankfurt [tinha já sido] bloqueada com mais de 5.000 polícias mobilizados numa operação sem igual, para manterem os manifestantes fora da cidade e longe dos bancos”:

as the activists here prepare to physically block the headquarters of the European Central Bank, the police already seems to have done the job for them.

enquanto os activistas se preparam para bloquearem fisicamente o Banco Central Europeu, a polícia parece já ter tratado do assunto por eles.
"Eu bloqueio! Tu também?" Foto de ateneinrivolta no Flickr (CC BY-ND 2.0).

“Eu bloqueio! Tu também?” Foto de ateneinrivolta no Flickr (CC BY-ND 2.0).

Nesse dia, os noticiários reportavam sobre a contratação da Goldman Sachs pelo governo espanhol para a availação do Bankia, absorvido pelo Estado no início de Maio. Também corriam boatos sobre um referendo na Grécia dedicado à sua continuação na Eurozona. Em Frankfurt, liam-se em faixas mensagens de apoio aos países europeus do sul (como “We are all Greeks“, Somos Todos Gregos), e a cidade continuava “afectada pela presença policial massiva, pelas identificações, e pelas ruas bloqueadas“.

Quando finalmente chegou o dia da marcha autorizada, 19 de Maio, cerca de 20.000 manifestantes (números da polícia, a organização indica mais de 25.000) percorreram o centro da cidade.

Manifestação Blockupy em Frankfurt. Uma grande faixa transportada pelos manifestantes diz: "Resistência Internacional Contra a Austeridade Imposta pela Troika e Governos". Foto de Michele Lapini copyright Demotix (19 de Maio, 2012).

Manifestação Blockupy em Frankfurt. Uma grande faixa transportada pelos manifestantes diz: “Resistência Internacional Contra a Austeridade Imposta pela Troika e Governos”. Foto de Michele Lapini copyright Demotix (19 de Maio, 2012).

Blockupy em Frankfurt: Mais de 20.000 contra a política da crise financeira. Participantes internacionais na manifestação. Foto de Patrick Gerhard Stoesser copyright Demotix (19 de Maio, 2012).

Blockupy em Frankfurt: Mais de 20.000 contra a política da crise financeira. Participantes internacionais na manifestação. Foto de Patrick Gerhard Stoesser copyright Demotix (19 de Maio, 2012).

Manif Blockupy (19 de Maio, 2012). Foto de strassenstriche.net no Flickr (CC BY-NC 2.0).

Blockupy (19 de Maio, 2012). Foto de strassenstriche.net no Flickr (CC BY-NC 2.0).

John Halloway, a escrever para o Guardian, considerou que o Blockupy trouxe “um vislumbre de esperança em tempos de austeridade” e que abriu uma nova fase de “explosões de raiva criativa que se seguirão”. O analista de política internacional Vinay Gupta, finaliza:

Those people in the streets rioting, the protesting classes, are fighting not for internal political change within their own countries, but (whether they know it or not) for a re-arrangement of the political balance of an entire continent.

Essas pessoas que estão nas ruas em tumulto, as classes protestantes, estão a lutar não por uma mudança política dentro dos seus próprios países, mas (quer saibam quer não) por um rearranjo do equilíbrio político de um continente inteiro.

Este post faz parte da nossa cobertura especial Europa em Crise.