Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Brasil: Wikileaks e Dúvidas sobre Transferência de tecnologia de caça Francês

O website Wikileaks revela um documento que põe em dúvida o maior argumento para o Brasil comprar aviões de caça da França: a possibilidade de transferência de toda a tecnologia de construção. Segundo despacho que a Ministra Conselheira Lisa Kubiske enviou de Brasília para Washington em novembro de 2009, muitos componentes do caça francês são fabricados nos EUA, como indica um dos últimos textos do Wikileaks em português:

Para Lisa, a campanha francesa é mentirosa: ‘Nos últimos meses, o esforço francês de vendas vem se baseando em alegações enganosas, se não fraudulentas, de que seu caça envolve apenas conteúdo francês (o que o isentaria dos incômodos controles de exportação dos Estados Unidos). Mas isso não procede. Uma análise da Administração de Segurança da Tecnologia de Defesa encontrou alta presença de conteúdo norte-americano, o que inclui sistemas de mira, componentes de radar e sistemas de segurança que requererão licenças norte-americanas”.

Ricardo Stuckert/Ag. Brasil /Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil

A pergunta sobre a independência francesa na produção do Rafale continua no ar. Mas a relação entre Dilma, Lula e Sarkozy continua firme e forte como pode ser visto na última reunião do G-20 mês passado.

O francês Rafale da empresa Dassault, até agora, têm preferência na disputa contra o norte-americano F/A-18 Super Hornet, da Boeing, e contra o sueco Gripen NG, da Saab. O presidente Nicolas Sarkozy se comprometeu em compartilhar toda a tecnologia de fábrico com o Brasil, o que seria difícil com os EUA que precisariam da aprovação do Congresso norte-americano ou suecos que também usam tecnologia dos EUA. Considera-se vital saber se os franceses dependem dos americanos, como questiona o blog dedicado à aviação Poder Aéreo:

Se for verdade essa informação do WikiLeaks, a suposta independência dos EUA, ao adquirir o Rafale, não passa de uma ilusão. Ficaremos, no mínimo, duplamente dependentes: dos EUA e da França e sabe-se lá de quem mais.

Qual seria a porcentagem de tecnologia americana, supostamente utilizada pelo Rafale, que depende de autorização dos EUA, para a comercialização desse avião francês?

Basta, apenas, um único item crítico, tangível ou não, que necessite dos EUA, para ficar na dependência indesejada. O WikiLeaks faz referência ao uso de componentes no plural, portanto o Rafale não utiliza um único item de domínio americano. Se pudessem, salvo melhor juízo, os franceses não utilizariam nenhum item, ou tecnologia, que os colocassem perante a sujeição americana.”

Se a França pode ou não passar os códigos informáticos do Rafale continua uma incógnita. Os franceses têm sido parceiros dos brasileiros no Plano de Defesa Nacional, programa que inclui o reaparelhamento das Forças Armadas. Lula já assinou acordo com o presidente francês Nicolas Sarkozy em 2009 no valor estimado em R$24 bilhões (USD 13 bilhões) para a construção de 50 helicópteros e 5 submarinos no Brasil com o uso da tecnologia francesa. Para muitos blogs, os EUA têm ciúmes da relação franco-brasileira como destaca O Informante no post, Lula e Sarkozy, ‘um caso de amor’ que incomoda:

(…) o governo americano vê com preocupação a proximidade cada vez maior do presidente da França, Nicolas Sarkozy, com o Brasil. Em duas mensagens para Washington, o embaixador dos Estados Unidos em Paris, Charles Rivkin, analisa a aliança franco-brasileira como uma estratégia de Sarkozy para ampliar a influência da França no mundo e, sobretudo, na América Latina.

(…) o embaixador americano faz um comentário polêmico, alegando que Sarkozy usa sua mulher, a ex-modelo Carla Bruni, para atrair os brasileiros. Em seu relato, ele destaca que “o público brasileiro ficou decepcionado” com o fato de Sarkozy não ter levado a primeira-dama em sua última viagem ao país.(…)

Sempre em tom alarmista, o embaixador avisa a Washington que o próprio Lula tem repetido a intenção do Brasil em tornar-se uma potência mundial e vê na autonomia militar e tecnológica o caminho para isso.

Sugerindo alguma familiaridade com a negociação, ele destaca, entre as promessas da França, “dar aos Rafale brasileiros os códigos dos softwares que representam o coração digital do avião, passo que outros concorrentes relutavam em fornecer.”"

A negociação bilionária de 36 aviões caças está em jogo e a Ministra Kubiske pediu que Washington fizesse um esforço maior na venda, como revela o Wikileaks

Mas desde maio de 2009, a embaixada americana em Brasília tenta fazer com que o governo dos EUA se engaje mais na disputa. Em um telegrama do dia 19, (CLIQUE AQUI), a Ministra Conselheira Lisa Kubiske pediu que Washington faça um lobby mais intenso, pois alguns contatos brasileiros “dizem não acreditar que o governo dos Estados Unidos esteja apoiando a venda fortemente”, enquanto o presidente francês Nicholas Sarcozy estaria envolvido diretamente e os suecos estariam atuando “em nível ministerial”.

Para o Blog da Cidadania, a imprensa brasileira faz lobby para os americanos:

O Brasil firmou há anos um acordo de cooperação estratégico-militar-financeira-cultural com a França, o que desagrada aos americanos porque querem ter o controle não só do seu “quintal” (as três Américas), mas do mundo inteiro – ou queriam ter, mas vão descobrindo que não podem. Esse acordo nos permitirá dominar o ciclo de produção cem por cento autônoma de aviões de guerra, sobretudo em situações de conflito.(…)

Enfim, o fato é que toda a comunidade internacional sabe que a imprensa brasileira está fazendo o jogo dos americanos. E, para que isso não fique muito evidente, essa imprensa – Folha, Estadão, Globo e Veja, sobretudo – diz que o avião americano é o “melhor”, mas que o avião sueco seria a solução de consenso por o negócio oferecer maior transferência de tecnologia, apesar de o Gripen ser inferior ao avião americano, mas superior ao francês.

Ag.Brasil/Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil

Jobim tem a Defesa Nacional nas mãos. Para o ex-embaixador dos EUA no Brasil, Clifford Sobel, o Ministério das Relações Exteriores do Brasil seria ‘antiamericano’ enquanto que Jobim um importante aliado

A posição do Ministro da Defesa, Nelson Jobim (leia o post Blogosfera brasilera reage aos Wikileaks por Raphael Tsavkko) e a do comandante da Força Aérea Brasileira, Juniti Saito Saito frente ao governo norte-americano tem sido desaprovada pelos brasileiros. Os dois foram alvo do lobby dos EUA e o Comandante Saito chegou a sinalizar aos próprios funcionários de Washington que ele tinha preferência pelo modelo norte-americano. Laerte Braga faz coro à voz dos críticos e recorda no blog Jornal do Autodromo que a decisão sobre de quem o Brasil irá comprar aviões caças está agora com Dilma Roussef, presidenta a tomar posse janeiro próximo:

Dilma Roussef vive um dilema antes de sua posse. Mantém o ministro da Defesa, Nelson Jobim, notório agente norte-americano e o comandante da Força Aérea Brasileira-FAB (bate continência para Washington) brigadeiro Juniti Saito, ou espanta essas duas figuras que em tempos passados seriam chamados de traidores? (…)

A batata quente está nas mãos da presidente eleita Dilma Roussef. Lula poderia até facilitar o caminho pedindo a Jobim e Saito que saiam antes do término de seu mandato. (…)

  • Pingback: Tweets that mention Brasil: Wikileaks e Dúvidas sobre Transferência de tecnologia de caça Francês · Global Voices -- Topsy.com

  • http://www.leamartinep.souza.nom.br Leamartine Pinheiro de Souza

    Já se mostrou evidente que o Rafale possui o menor número de componentes norte-americanos, sendo, por conseguinte, o de maior interesse estratégico em sua aquisição.

    Os poucos componentes norte-americanos existentes no Rafale, podem ser objeto de Pesquisa e Desenvolvimento para substituí-los por nacionais ou de outras origens que não sejam adversas ao domínio absoluto pelo Brasil.

    Já os demais concorrentes, um norte-americano e outro com elevado índice de componentes norte-americanos, constituem uma barreira muito maior à abosorção tecnológica que queremos implementar e, por conseguinte, devem ser definitivamente evitados.

  • http://hotmail.com José Castilhos

    Acho que o melhor avião seria o F-18 Hornet, ele tem melhor performance e tecnologia superior aos demais concorrentes, mas esbarra no ranço ideológico dos barbudinhos do PT e seu anti-americanismo e também na resistência americana em repassar todo o conhecimento em técnologia de softwares e demais componentes do avião……