Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Notícias de Curtas

#DesafioAnita: Uma favela desafiou o campeão da Copa para um jogo

Anita Garibaldi vs Campeão da Copa do Mundo

Anita Garibaldi vs Campeão da Copa do Mundo. Imagem da página Techo.org, usada com autorização.

A favela Anita Garibaldi, a 10 km do Aeroporto Internacional de Guarulhos, que atende à cidade de São Paulo, é morada de 4 mil famílias e um time próprio de futebol, o Anita Futebol Clube. A organização não governamental TECHO (@untecho), da América Latina, está fazendo campanha pelo #DesafioAnita, um jogo de futebol entre o Anita Futebol Clube e a seleção que se tornar campeã da Copa do Mundo 2014. Segundo a ONG, essa partida procura dar visibilidade às histórias de superação de moradores de comunidades da América Latina que vivem em condição de pobreza.

A organização está levando adiante uma intensa campanha nas redes sociais e nos meios de comunicação usando com a hashtag #DesafioAnita. Até o momento, já conseguiram o envolvimento de pessoas pelo mundo inteiro com petições para a FIFA, federações nacionais de futebol e personalidades para a realização do Desafio, cuja data definitiva ainda precisa ser confirmada.

Os interessados podem se somar como apoiadores do Anita Garibaldi por sua página oficial na web (disponível em português, espanhol e inglês) ou com a hashtag #DesafioAnita.

Documentário [áudio em pt, legenda em espanhol]: Por que a Anita Garibaldi quer o #DesafioAnita?

Vídeo [áudio em pt, legenda em inglês]: Turtão, goleiro do Anita Garibaldi FC, desafia Lionel Messi

Mulheres são minoria na blogosfera latina

Marita Seara Fernández, membro do coletivo Mulheres Construindo (Mujeres Construyendo),  lembrou que apenas 25% da blogosfera que escreve na língua espanhola é representado por internautas do sexo feminino.Ativista do grupo que tem a intenção de diminuir as diferença entre os gêneros nas tecnologias digitais, Marita recordou também que as latinas trabalham numa média de duas ou três horas diárias a mais que os homens, e, portanto, teriam menos tempo para dedicarem-se a estudos e atualização de novas ferramentas e plataformas. O dado é da CEPAL (Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe), que disponibilizou uma série de informações através de um vídeo informativo após a XII Conferência Regional Sobre a Mulher da América Latina, realizada em 2013.

Da Venezuela, a ativista escreve em seu blog:

Hay muchísimas voces femeninas en el mundo, sobre todo en países donde la represión, discriminación y desigualdad es parte de su día a día. ¿Pero qué hay de blogs escritos por mujeres latinoamericanas?, ¿de voces que presenten una realidad en sus comunidades o reflejen el empoderamiento y el liderazgo que muchas representan?. Hay pocas.

[..]

Si comenzamos con que el acceso igualitario a internet es un derecho, para disminuir esta brecha es esencial el cambio o implantación de nuevas políticas públicas que van desde la alfabetización y la educación desde edades tempranas hasta la ayuda en el manejo y redistribución del tiempo de las mujeres, de manera así que puedan acceder al aprendizaje de estos recursos.

“Existem muitas vozes femininas no mundo, especialmente em países que repressão, discriminação e desigualdade fazem parte do cotidiano. Há blogs escritos por mulheres latinoamericanas? De vozes que sentem a realidade de suas comunidades e refletem o empodeiramento e liderança que muitas realizam? São poucos.
[..]
Se começarmos com o acesso igualitário a internet, como um direito, para diminuir as distancias  da implantação de novas políticas públicas que vão desde a alfabetização e educação, desde crianças, até a ajuda do manejo e distribuição do tempo das mulheres com uma maneira de alavancar o aprendizado desses recursos

O motivo para menor participação, mostra o vídeo, é o fato de mulheres de comunidades mais afastadas se empenharem em atividades domésticas que precisam de dedicação, como cuidado com crianças e idosos.

[Matéria traduzida por Camilla Feltrin]

Ativista preso diz: “Estou sendo alvo de uma grande e suja perseguição política”

Carta Fábio Hideki, de dentro da Penitenciária

Carta redigida por Fábio Hideki de dentro da Penitenciária, publicada por Mídia Ninja (CC BY-SA 4.0).

Esta carta, publicada pelo coletivo Mídia Ninja, foi escrita pelo estudante Fábio Hideki Harano, um dos dois ativistas presos em São Paulo após participar da manifestação “Se não tiver direitos, não vai ter Copa” no dia 23 de junho. A campanha Liberdade para Hideki garante a pressão popular para que Fábio seja libertado. 

03/07/2014  Fábio Hideki Haramo

Escrevendo de maneira leve e solta, sem pensar elaboradamente digo que não fiz nada de errado pois participar de manifestações de rua, usar equipamentos de proteção e resistir na defensiva, para fazer valer o direito de expressão pública, não é nem um pouco crime.

Estou sendo alvo de uma grande e suja perseguição política. Não neguei revista pois não tinha nada a esconder. Implantaram uma suposta bomba, que só fui ver no DEIC, horas depois de minha detenção.

Sou trabalhador, funcionário público e estudante da USP, gosto de ler, de mangá, de Tokusatsu (seriados japoneses de super-herois), de heavy metal, artes marciais, luta política por um mundo melhor, justo e sem desumanindade.

Sei da importância de lutar. Pratico kentô e sei que só viver de maneira individualista não leva a um mundo melhor. Assim, participo sim de sindicato, apoio determinados movimentos sociais como MTST e o MPL. Sei que lutar, sem briga, nas ruas é importante. Participo de manifestações sem partir para agressões.

Tanto é que meus pais e meus avós sabem com tranquilidade que não faço lutas erradas.

Aprende a proteger os teus e-mails em menos de 30 minutos

#EmailSelfDefense infographic by Journalism++ for the Free Software Foundation (CC BY 4.0)

#EmailSelfDefense (Autodefesa no e-mail) infografia criada por Journalism++ para a Free Software Foundation (CC BY 4.0)

Autodefesa no e-mail, um guia para iniciantes sobre criptografia por e-mail, foi lançado pela Free Software Foundation (FSF) em seis novas línguas [frdejprupttr] no dia 30 de Junho de 2014. Mais traduções estão a caminho. 

Even if you have nothing to hide, using encryption helps protect the privacy of people you communicate with, and makes life difficult for bulk surveillance systems. If you do have something important to hide, you're in good company; these are the same tools that Edward Snowden used to share his famous secrets about the NSA.

Mesmo que não tenhas nada a esconder, o uso da encriptação ajuda a proteger a privacidade das pessoas com quem comunicas, e torna a vida mais difícil aos sistemas de vigilância em massa. Caso tenhas algo importante a esconder, estás em boa companhia: estas são as mesmas ferramentas que Edward Snowden usou para partilhar os seus famosos segredos sobre a NSA.

"Edward, a friendly email bot helps Email Self-Defense users test their new encryption systems."

“A vigilância em massa viola os nossos direitos fundamentais e torna a liberdade de expressão arriscada. Mas estamos longe de não poder fazer nada a respeito.” Edward, um bot amigável, ajuda os utilizadores de Autodefesa no e-mail a testarem os seus sistemas de encriptação.

O guia da FSF foi lançado [en] originalmente, em inglês, como parte da campanha Reset The Net [en] que tomou lugar a 5 de Junho de 2014 — um dia de acção global contra a vigilância em massa que marcou o primeiro aniversário das revelações de Edward Snowden sobre a máquina global de espionagem massiva e indiscriminada da Agência Nacional de Segurança americana (NSA).

Autodefesa no e-mail é apenas uma parte importante da solução para a vigilância em massa”, afirma a FSF: 

While we learn email encryption tools, we also need to push politically to reign in surveillance, build a safer Internet, and force governments and companies to reduce the amount of data they collect about us in the first place. We hope translated versions of Email Self-Defense can be the entry into this multifaceted movement for people all around the world.

Ao mesmo tempo que aprendemos a usar ferramentas de encriptação, também precisamos de fazer pressão política de forma a dominar a vigilância, construir uma Internet mais segura, e forçar os governos e empresas a reduzirem a quantidade de dados que colectam sobre nós. Esperamos que as versões traduzidas de Autodefesa no e-mail sirvam de porta de entrada para este movimento multifacetado de pessoas em todo o mundo.

A tradução para português do Brasil foi feita por CMI-Rio e Thiago Marinello.

Brasil: site traz infográficos e dados sobre protestos de 2013

Screen shot do novo site da Artigo 19, dedicado aos protestos de 2013 no Brasil. Foto: Reprodução

Novo site da Artigo 19, dedicado aos protestos de 2013 no Brasil. Foto: Reprodução

No dia 02 de junho, às vésperas da contraditória Copa do Mundo no Brasil, a organização de direitos humanos Artigo 19 colocou no ar um novo site sobre os Protestos de 2013 que levaram o país às ruas. Nele, além de encontrar “pistas para entender o fenômeno brasileiro”, o usuário encontra ainda informações sobre leis de protesto internacionais e nacionais, as principais violações e uma linha do tempo.

A organização explica ainda:

O site traz números, infográficos, análises de leis e depoimentos de vítimas de violência e especialistas, além de críticas a abusos na atuação do Estado. Baseado em notícias da imprensa, o relatório, que serve de base para o site, contabilizou 696 protestos no país durante 2013, registrando 2.608 detidos e 8 mortes em circunstâncias relacionadas aos protestos. A análise também computou 117 jornalistas feridos e/ou agredidos, e outros 10 que foram detidos.
(…)
Todas as violações registradas contradizem uma série de convenções e leis internacionais que tratam do direito a manifestação.

Dos arquivos da Copa: Como o Brasil enganou o mundo com um meme

A imagem mais disseminada do trote. Autor anônimo.

A imagem mais disseminada do trote. Autor anônimo.

Você se lembra do “Cala Boca Galvão”, o meme de Internet que se tornou um trote mundial quando milhões de usuários do Twitter começaram a mandar o famoso narrador esportivo Galvão Bueno calar a boca, durante a cerimônia de abertura da Copa do Mundo de 2010?

Quase instantaneamente, tornou-se um trending topic mundial no Twitter, e pessoas de toda parte queriam entender o que era aquilo e o que estava se passando.

Munidas do melhor senso de humor brasileiro, pessoas lançaram um apelo urgente – e falso – para salvar o que supostamente seria uma espécie de ave ameaçada de extinção – o “galvão”. Poderiam salvar a espécie ao retuitar a hashtag “Cala Boca Galvão” o máximo possível. Este vídeo em inglês, criado em junho de 2010 sobre a ave fictícia que precisa ser salva da Copa do Mundo, teve mais de 2,2 milhões de visualizações.

Grandes veículos midiáticos ajudaram a disseminar o trote, que foi depois solucionado pelo blog The Lede e descrito pelo jornal The New York Times como “um dos cibertrotes mais bem sucedidos da história”.

Veja a história de Raphael Tsavkko Garcia no nosso arquivo: Brasil: O fenômeno “CALA BOCA GALVÃO”.

Foto: Em Macau, 3.000 pessoas rodeiam a Assembleia Legislativa para impedir a “lei da ganância”

Para mais informações consulte o artigo prévio [en] do GV.

‘Estádio de exceção': Polícia brasileira prende ativistas anti-Copa

O coletivo Midia Ninja denuncia que ativistas contrários à Copa do Mundo estão sendo presos na cidade do Rio de Janeiro antes do início dos jogos. Estas prisões tem por objetivo prevenir “futuros crimes em uma tentativa de intimidar” aqueles que querem sair às ruas e protestar:

A Polícia Cívil do Rio de Janeiro acaba de executar uma série de detenções. Na manhã de hoje as ativistas Elisa Quadros (conhecida como Sininho), a advogada Eloisa Samy e o cinegrafista Thiago Ramos, foram presos em casa , e estão sendo levados para investigação na DRCI – Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática. Na última semana em Goiânia, mandatos de busca e apreensão ja haviam sido utilizados como forma de cerceamento ao direito de manifestação e tática de coerção contra a parcela da população que pretende manifestar suas indignações durante o evento da FIFA.

Quando Maya Angelou viveu no Egipto e em Gana

Sean Jacobs escreve acerca [en] de Maya Angelou, escritora e poetisa norte-americana, que morreu aos 86 anos, no dia 28 de Maio de 2014:

Em 1961, Maya Angelou, que já trabalhava em prol dos direitos civis, e o seu parceiro na altura Vusumzi Make, um activista exilado oriundo da África do Sul (foi um dos principais membros do Congresso Pan-Africano), mudaram-se para o Cairo, Egipto, onde ela encontrou trabalho num pequeno jornal radical. Um ano depois, Angelou e Make separaram-se e ela mudou-se com o filho para o Gana. Uma vez lá, juntaram-se a uma pequena comunidade de expatriados afro-americanos, da qual também faziam parte o estudioso e activista W. E. B. Du Bois, o escritor William Gardner Smith, o advogado Pauli Murray, o jornalista Julian Mayfield e o sociólogo St. Clair Drake. Angelou continuou o seu trabalho como jornalista, tendo igualmente trabalhado como administradora na Universidade de Gana. Angelou impressionou tanto os seus anfitriões que estes honraram-na com um selo postal. Foi também durante esta época que Malcolm X visitou Gana, um encontro que a motivou a voltar aos EUA em 1965, para ajudar Malcolm X a criar a sua Organização para a Unidade Afro-Americana. Pouco depois do seu regresso, Malcolm X foi assassinado.

Guatemala: ex-Presidente Portillo condenado a cinco anos de prisão

Numa sentença histórica proferida por um tribunal federal de Nova Iorque, a 22 de Maio de 2014, o ex-Presidente da Guatemala Alfonso Portillo foi condenado a cumprir uma pena de prisão de cinco anos e dez meses por branqueamento de dinheiro e por aceitar subornos de Taiwan.

VÍDEO: Alfonso Portillo recebe uma pena de prisão de cinco anos e dez meses

Esta sentença faz com que Portillo se torne o primeiro ex-governante da América Latina condenado e preso nos Estados Unidos.

Desenhos lamentam as mortes rituais de tibetanos

Em visitas à Índia, Tomoyo Ihaya conheceu tibetanos no exílio que sofriam com notícias de compatriotas que haviam se submetido à autoimolação. Ihaya, que mora em Vancouver, no Canadá, passou a dedicar um blog [en] aos seus desenhos, que prestam homenagem e pesar àqueles que fizeram o ritual “extremo de ‘oferecer’ seus corpos ao ‘fogo', pedindo liberdade e paz” para o Tibete.

Desenho de Tomoyo Ihaya para Phakpa Gyalsten, que se suicidou em 8 de maio de 2014 em protesto contra a China, por explorar as minas de Tongbar, no condado de Zogang, região de Chamdo, no Tibete.

Desenho de Tomoyo Ihaya para Phakpa Gyalsten, que se matou em 8 de maio de 2014 em protesto contra a China, por explorar as minas de Tongbar, no condado de Zogang, região de Chamdo, no Tibete

A influência galega na Argentina

A edição digital da revista Rumbos [es] analisa a influência galega na Argentina e explica que o país teve dois fortes fluxos migratórios: entre 1857 e 1930, o número de galegos chegou a um milhão; e, entre 1946 e 1960, mais 110.000. Desse total, 600.000 radicaram-se definitivamente na Argentina. Assim, metade dos espanhóis que chegaram ao país tinham nascido na Galiza. Observa ainda que:

Diz-se que a Galiza tem cinco províncias: Corunha, Lugo, Orense, Pontevedra e … Argentina. [...] Foram tantos os que vieram que, de acordo com o Censo Nacional da População de 1914, Buenos Aires alojava aproximadamente 150 mil galegos, enquanto na cidade da Corunha, a mais povoada na altura, viviam 60 mil.

O artigo também menciona a chamada “cadeia migratória”, uma vez que a emigração era uma decisão familiar estratégica. O primeiro elo dessa cadeia era um homem da família, geralmente o mais capaz que, uma vez estabelecido no novo sítio, convocava a família que tinha deixado em Espanha. Aqueles que chegavam mais tarde tinham ali um conterrâneo disposto a ajudá-los.

O machismo na publicidade

Natalio Pinto no blog “El Blog del Incógnito” analisa (es) a publicidade e sua tendência ao machismo, após ler o artigo 15 anúncios vintages em que as mulheres aparecem como idiotas(es) sobre a publicidade nas décadas de 40 à 70, do século passado.

A publicidade realmente mudou 50 anos depois? Eu não acredito que tenha mudado, talvez tenha “evoluído” e eu utilizo as aspas porque considero que os publicitários continuam mantendo o mesmo conceito machista de antigamente, o conceito clássico e machista, embora não são mais tão explícitos. Seguem retratando as mulheres como objetos (es), posicionando-as na cozinha, associadas com os serviços domésticos, cuidados da casa, uso de eletrodomésticos, entre outros.

Mas Natalio acredita que embora a publicidade seja um reflexo de um padrão cultural em que a masculinidade domina, o homem também é afetado:

É muito curioso, todo mundo pensa que só porque somos homens curtimos esse tipo de publicidade, desconsiderando que também somos vítimas, nos retratando como sujeitos atléticos, esportistas, bem sucedidos, uma imagem fiel aos modelos estéticos ocidentais.

O post em destaque participou da segunda rodada do#LunesDeBlogsGV (Blogagem do GV nas segundas) em 12 de maio de 2014.

Birmânia: apesar do fim da ditadura, a liberdade de imprensa continua ameaçada

‘The Irrawaddy' destaca [en] as contínuas dificuldades vividas pelos jornalistas da Birmânia, apesar das reformas implementadas pelo governo:

…apesar das mudanças aparentes na forma como o governo lida com os media, a mentalidade subjacente continua a ser a mesma do passado: foi dado aos jornalistas um maior “espaço” para trabalhar, mas os limites desse mesmo espaço continuam a ser decididos pelo Estado.

Caso Fabiane: mulher vítima de linchamento no Brasil, pode virar nome de lei

O caso da morte de Fabiane Maria de Jesus, dona de casa linchada no litoral de São Paulo, pode acabar ajudando na criação de uma nova lei no Brasil. 

Assim como a lei Maria da Penha, que protege mulheres vítimas de violência doméstica foi nomeada pela mulher que sofreu agressões do marido e terminou em uma cadeira de rodas, o nome de Fabiane pode batizar uma lei para “punir os casos de má utilização das redes sociais e da internet que resultem em crimes contra a integridade física”. 

O advogado da família de Fabiane, Airton Sinto, é quem trabalha no projeto de lei, junto a um deputado federal de São Paulo. Em entrevista, o advogado disse:

Fabiane morreu em virtude, principalmente, da leviandade do administrador da página [Guarujá Alerta] que disseminou falsos boatos e alarmou toda a comunidade de Morrinhos [bairro onde Fabiane morava com o marido e as duas filhas] (…) É necessário aprovar uma legislação específica para casos de utilização da rede social de forma irresponsável que causem dano efetivo à integridade física ou à vida de alguém.

Cabo da Polícia Militar é o primeiro condenado pelos “Crimes de Maio”

10500553_484544808347891_2020837561891122856_n

Pôster publicado pelas Mães de Maio pedindo apoio e presença ao julgamento. 

O cabo da Polícia Militar de São Paulo Alexandre Andre Pereira da Silva foi condenado a 36 anos de prisão pelas mortes de Murilo de Moraes Ferreira, Felipe Vasti Santos de Oliveira e Marcelo Heyd Meres em 2006, durante os chamados “Crimes de Maio“. A jornalista Laura Capriglione, do coletivo de mídia Ponte divulgou a notícia no Facebook.

A condenação veio após anos de pressão por parte do Movimento Mães de Maio, criado após os brutais assassinatos de cerca de 500 jovens durante ações policiais no estado de São Paulo em maio de 2006.

 

 

Admiráveis palavras do futebolista italiano Giorgio Chiellini após ser mordido

Chiellini

Giorgio Chiellini, imagem no Flickr pelo utilizador calciostreaming. CC BY 2.0.

[Os links levam à páginas em inglês exceto quando outro idioma for mencionado]

Giorgio Chiellini [en], o defesa central italiano que foi mordido pelo avançado Uruguaio Luis Suárez durante a partida entre as seleções de Itália e Uruguai da fase de grupos do Campeonato do Mundo no Brasil, enviou uma mensagem conciliatória a Suárez [it] através do seu site oficial:

Dentro di me ora non ci sono sentimenti di gioia, di vendetta o di rabbia contro Suarez per un incidente che è accaduto in campo ed è finito lì. Rimangono solo la rabbia e delusione per la partita persa.

Al momento il mio unico pensiero è per Luis e la sua famiglia, perché si troveranno ad affrontare un periodo molto difficile.

Dentro de mim, neste momento, não há sentimentos de alegria, vingança ou raiva contra Suárez por um incidente que aconteceu no campo e está encerrado. Permanece apenas a raiva e o desilusão pela partida. 

Neste momento, os meus pensamentos estão com o Luís e a sua família porque vão enfrentar um período muito difícil. 

Ataques a muçulmanos continuam no Sri Lanka

[Todos os links levam a páginas em inglês.]

Já são duas semanas desde que começaram os ataques violentos a muçulmanos nas cidades costeiras de Aluthgama e Beruwala, no Sri Lanka. Embora a situação tenha arrefecido após ampla condenação pública, continua uma violência esporádica contra muçulmanos em diferentes partes do país.

O blogueiro Abdul Khaleq tuitou sobre um incidente recente na divisão de Ratmalana, no distrito da capital Colombo:

Incêndio na mesquita da rodovia Borupona, em Ratmalana, 1h da manhã. As chamas foram vistas no início e apagadas. Ministro Fowzie está aqui #ForçaSriLanka

O blogueiro D. B. S. Jeyaraj dá detalhes do incêndio criminoso sem sucesso na mesquita de Thalayan Bawa Jumma, na rodovia Borupane, em Ratmalana, na primeiras horas do dia 29 de junho de 2014.

“A Ponte”: canal online debate segurança pública, justiça e direitos humanos no Brasil

Com as manifestações de junho de 2013 o Brasil se deparou com uma realidade que vivia velada no cotidiano das periferias: a violência e os abusos da polícia militar. A existência de esquadrões da morte, milícias paramilitares e o medo da população diante de um “Estado crescentemente violento e coercitivo”, somadas as cenas das ruas no último ano, levaram 20 jornalistas a se reunir em torno de um projeto independente. Nasceu assim A Ponte, canal online que debate e reporta sobre “segurança pública, justiça e direitos humanos”.

Lançado em junho, o projeto tem apoio institucional da Agência Pública, parceira do Global Voices, e de outras 60 organizações ligadas à área de direitos humanos. Laura Caprilgione, ex-repórter do jornal Folha de São Paulo e uma das criadoras da iniciativa, conta que debater a segurança pública é debater “o passaporte do futuro do Brasil”:

É ela quem definirá, conforme sua resolução, se evoluiremos para uma sociedade de vingadores e linchadores, ou de garantia dos direitos essenciais para todos. Com a Ponte nós reafirmamos nossa aposta na democracia e no Estado Democrático de Direito. 

Além das proposições do manifesto do grupo, outro integrante, André Caramante, também ex-repórter da Folha, defende que o diferencial do jornalismo feito pelo site:

Partimos do princípio de que a voz de um cidadão comum deve ter a mesma importância do que a de um governo, qualquer governo.

Conheça quem faz a Ponte:

A forma adequada de falar com pessoas portadoras de deficiência

2024381750_43e73d40a7_o

Imagem de panshipanshi no Flickr. CC BY-NC-SA 2.0.

[Todos os links levam à páginas em espanhol]

O salvadorenho Jaime Vázquez Villalta explica neste artigo as formas adequadas de falar com pessoas portadoras de deficiência:

Quando falamos com um familiar, amigo ou conhecido que apresenta algum tipo de incapacidade, em primeiro lugar devemos tratá-lo como um indivíduo, com virtudes, talentos, forças e fraquezas, mas acima de tudo como pessoa que é, um ser humano que faz parte da sociedade.

Utilizador de cadeira de rodas, o autor tem o objetivo de educar outras pessoas através do seu blog Desde mi silla (Desde a minha cadeira de rodas) para criar uma sociedade mais justa.

Este post fez parte da quinta edição de #LunesDeBlogsGV (Segunda-feira de blogs em GV) no dia 2 de Junho de 2014.

O pesadelo de comprar ingressos para os jogos da Copa 2014

O mexicano Emmasito compartilhou [es] em seu blog os infortúnios que teve ao tentar comprar ingressos para os jogos da Copa do Mundo FIFA 2014 no Brasil, que começou ontem, quinta-feira 12 de junho. Ele afirma que o problema não são os preços, que variam de 90 a 175 dólares (US$) – o que ele considera razoável em vista da magnitude do evento esportivo -, mas, sim, a longa demora, a alta procura pelos ingressos e dificuldades com o servidor da internet, entre outras barreiras:

Justo a las 5 AM estábamos al pendiente [...] y debido a la alta demanda a nivel mundial, FIFA te pone en una “cola” virtual y hasta que sea tu turno puedes entrar a comprar. Para no hacer la historia larga, nos dieron las 7:30 y seguíamos esperando con una desmañanada brutal. Eventualmente pudimos entrar, pero para ese tiempo ya no había boletos disponibles.

Às 5 em ponto da manhã ficamos a postos [...] e devido à alta demanda mundial, a FIFA lhe põe numa “fila” virtual, para que você só possa comprar quando for sua vez. Enfim, às 7h30 ainda estávamos aguardando, brutalmente desorientados. Eventualmente entramos, mas nesse momento já não havia ingressos disponíveis.

O autor é um grande fã do esporte mais popular do mundo e vai escrever sobre suas experiências da visita ao Brasil. Acompanhe seu blog [es] e sua conta no Twitter caso você também seja fã de futebol.

Este post faz parte da 6ª #LunesDeBlogsGV [Segundas de blogs no GV], em 9 de junho de 2014.

Brasil: Manual online dá dicas a manifestantes

Com o início da Copa do Mundo no Brasil, protestos contra as intervenções da FIFA e os gastos do governo tomam conta de todo o país, especialmente nas cidades-sede. 

Preocupados com possíveis reações excessivas da polícia durante os protestos, a organização de conselho cidadão Urucum, que trabalha com direitos humanos, comunicação e questões de justiça, e está baseada na cidade de Fortaleza, publicou um manual para manifestantes, chamado de Manual de Pessoas Manifestantes.

Na Rua – Cartilha do manifestante

 

 

Publicado em Calameo ou leia outras publicações

O e-book dá dicas sobre itens que os manifestantes devem levar dentro de suas mochilas e faz uma lista de recomendações de atitude e comportamento durante a própria demonstração. Também compartilha uma lista de direitos civis e se refere a como proceder em caso de ser parado em uma revista policial ou detido.

O livreto é um produto da plataforma online Na Rua, que monitora violações aos direitos humanos perpetradas pelo Estado em Fortaleza durante os protestos relacionados à Copa do Mundo. 

Video: Metroviários em greve são agredidos pela Polícia Militar de São Paulo

O coletivo Mídia Ninja reproduziu vídeo e notícia que denunciam a violência da Polícia Militar de São Paulo contra metroviários em greve pacífica na madrugada do dia 5 de junho de 2014. No vídeo é possível ver a Tropa de Choque partindo para cima dos trabalhadores em greve com tiros de bala de borracha à queima-roupa:

A notícia indica ainda que, a menos de uma semana para o início da Copa do Mundo, a greve “deflagrada pelo Sindicato dos Metroviários (…) afetou cerca de 4,6 milhões de usuários do Metrô nessa quinta-feira” (5 de junho): 

A categoria tentou de todas as formas negociar pelos seus direitos sem prejudicar usuários mas nenhuma proposta foi aceita até então pela Secretaria de Transporte do Estado. 

Os Metroviários chegaram inclusive a propor a catraca livre enquanto forma de manter o protesto sem afetar a população: “Seria uma alternativa à paralização”, propôs o presidente do Sindicato Altino de Melo Prazeres Júnior. Geraldo Alckmin, Governador do Estado e responsável pela gestão do Metrô, afirma que o movimento é “político e sem sentido”, e atua com a força militar da polícia para impedir a reivindicação trabalhalista prevista em Lei. 

Ao menos um trabalhador foi preso. A greve do Metrô continua por tempo indeterminado.

Global Voices recebe menção honrosa do Prix Ars Electronica

Prix Ars Electronica

[Links conduzem a páginas em inglês]

Prix Ars Electronica, a maior premiação de criatividade e inovação na mídia digital, concedeu Menção Honrosa ao Global Voices neste ano, na categoria Comunidades Digitais. Esta é a segunda vez que o Global Voices ganha uma menção, depois de ter sido premiado com Distinção na mesma categoria, em 2008.

O grande vencedor foi o Projeto Fumbaro, uma plataforma de base popular no leste do Japão, originalmente criada após o grande terremoto de 2011 para gerenciar casos de emergência.

Parceiros e amigos do Global Voices também figuram entre as distinções e as menções honrosas, tais como Freemuse, Arseh Sevom, Desarrollando América Latina [es] e Syria Untold.

Video “Iguais mas diferentes”: Crianças com deficiência contam as suas histórias

Oito crianças britânicas, portadoras de deficiência e com problemas de saúde, contam as suas histórias em Same But Different [es], um documentário premiado de David Barnes [es]. Trata-se de uma serie de retratos curtos de crianças que descrevem as suas vidas, além das suas forças e fraquezas.

Praça da Paz Celestial torna-se um cemitério em charge política

O chargista chinês @badiucao divulgou sua mais recente produção para marcar os 25 anos do massacre de 4 de junho de 1989, na Praça da Paz Celestial (Praça Tian'anmen), em Pequim. Pelo Twitter, ele comentou seu desenho: “Se fizéssemos túmulos para as vítimas de 4 junho, toda a praça ficaria coberta de lápides”.

A comunidade internacional e a crise na Ucrânia

Angie Ramos escreve como convidada no blogue [es] Tintero Político acerca da crise na Ucrânia e, após analisar os distintos factores em jogo, conclui com a reacção da comunidade internacional:

A verdade é que, nestes casos, a comunidade internacional actua de forma subjectiva, pois está dependente da magnitude dos interesses em jogo para expressar apoio ou repúdio em relação a certos actos de intervenção de diversos países. Será que alguns países gozam de certos privilégios perante a comunidade internacional? Por exemplo, no caso do conflito entre a Grã-Bretanha e a Argentina pelas Ilhas Malvinas, apoiou-se o referendo realizado à população, no qual 98% das pessoas votaram a favor de se manter sob a administração de Grã-Bretanha; enquanto no caso da Crimeia, não se quer reconhecer a legalidade do dito processo.

O post em destaque integrou o segundo #LunesDeBlogsGV [es] no dia 12 de Maio de 2014.

Decisão judicial muda termo, mas continua favorecendo a intolerância às religiões afro-brasileiras

O juiz federal Eugênio Rosa de Araújo mudou o fundamento da sua decisão de indeferir o pedido feito à justiça pelo Ministério Público Federal para que o Google Brasil retire do YouTube os vídeos postados por membros da Igreja Universal que discriminam as religiões afro-brasileiras. Mas, ele manteve a decisão.

A princípio, o motivo para o indeferimento era que “os cultos afro-brasileiros não constituem religião”. Agora, em nota emitida dia 20 de março no site da Justiça Federal do Rio de Janeiro, onde o processo está tramitando, o juiz afirmou que “o forte apoio dado pela mídia e pela sociedade civil, demonstra, por si só, e de forma inquestionável, a crença no culto de tais religiões”. No entanto, a seu ver, esses vídeos refletem o exercício da liberdade de expressão da Igreja Universal:

Cumpre esclarecer que a liminar indeferida para a retirada dos vídeos no Google teve como fundamento a liberdade de expressão de uma parte (Igreja Universal) e de reunião e expressão de outra (religiões representadas pelo MPF), tendo sido afirmado que tais vídeos são de mau gosto, como ficou expressamente assentado na decisão recorrida, porém refletem exercício regular da referida liberdade. Fica visto que tais liberdades fundamentais (expressão e reunião) estão sendo plenamente exercidas como manifestação coletiva dos fiéis dos cultos afro-brasileiros.

Movimentos dos Trabalhadores Sem-Terra estabelece parceria com Julian Assange e Wikileaks

De acordo com matéria publicada nesta quinta-feira, 15, no site oficial do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), depois de um encontro essa semana entre João Paulo Rodrigues – da direção nacional do movimento – e Julian Assange – criador do WikiLeaks – nasceu uma nova parceria de apoio político e divulgação de trabalhos de ambas as partes.

A reunião aconteceu na embaixada do Equador, em Londres, onde Assange vive há quase dois anos. Acusado por assédio sexual, se ele sair do prédio pode ser preso. Durante duas horas de conversa, Rodrigues garantiu ao ativista que o MST vai apoiar e fazer pressão pela concessão de seu asilo no Equador, participando inclusive do protesto marcado para o dia 19 de junho. A matéria conta ainda:

Ao final, os representantes do MST entregaram ao fundador do Wikileaks um cartaz assinado pelos “movimentos sociais da Alba” (Aliança Bolivariana para os Povos da América) com as fotos de Assange, Chelsea Manning (…) e Edward Snowden, antigo funcionário da CIA e atualmente exilado na Rússia. “Toda solidariedade aos combatentes do Império”, dizia o pôster.

Rodrigues também teria brincado com Assange, dizendo que se ele necessitar de asilo no Brasil, pode viver nos assentamentos do MST espalhados pelo país.

Biblioteca digital da questão agrária no Brasil

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) lançou uma biblioteca online inteiramente voltada para a reforma agrária no Brasil.

Composta por livros, artigos, ensaios, pesquisas acadêmicas, cartazes, vídeos, além do jornal e da revista do movimento, o acesso à biblioteca é livre, sendo que é possível ajudar a aumentar o seu acervo enviando material sobre o tema para o email questaoagrariabrasileira@gmail.com

O MST teve origem na década de 1980, no estado do Paraná, na região sul do país, reunindo trabalhadores que lutavam pela reforma agrária, principalmente pela redistribuição de terras na área rural cujos proprietários não as tornavam produtivas. Atualmente, estima-se que 1,5 milhões de pessoas integrem o movimento.