Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Notícias de Curtas

Fotos: A infância nas margens do Velho Chico, onde a tecnologia ainda não chegou

Uma menina e sua boneca em Xique-Xique, Bahia. Foto de Markileide Oliveira, publicada com permissão.

Uma menina e sua boneca imaginária em Xique-Xique, Bahia. Foto de Markileide Oliveira, publicada com autorização.

As fotos de Markileide Oliveira retratam o cotidiano da população de Xique-Xique, pequena cidade localizada nas margens do Rio São Francisco, no sertão da Bahia — a região mais árida do Brasil. O “Velho Chico”, como é conhecido, é um dos mais importantes rios do país, passando por cinco estados e provendo grande parte do sustento dos habitantes de uma região pouco propícia para a agricultura.

Markileide se diz especialmente encantada com as crianças ribeirinhas, cujo universo segue intocado pelo avanço tecnológico:

Em meio a modernidade do século XXI e o mundo virtual que abraçam as novas gerações, existe uma infância que sobrevive aos impactos das novas tecnologias. A inocência das crianças que nascem na beira do rio causa em mim um encantamento inexplicável, percebe-se que a felicidade vive no imaginário das crianças ribeirinhas, onde é possível sentir a boneca imaginária que vive nos sonhos dessa menina que posa para fotografia.  

Simplesmente linda.
 
Longe das tecnologias elas aprendem a sentir, a viver e ser criança. E brincar… 
De boneca, de casinha, de se esconder, de salva latinha, de pegar piaba com o lençol da mãe e depois soltar para vê-las nadar e ganhar o rio, brincar de lavar as louças só para dá comidinhas aos peixes…
 
… As nossas memórias parecem ganhar vida. 
 
 É possível reviver as lembranças de quem viveu uma infância na beira do rio.
Infância em Xique Xique

Retratos da infância, série “Ribeirinhos do Velho Chico”. Foto de Markileide Oliveira, publicada com autorização.

Outras fotos de Markileide tiradas em Xique-Xique podem ser vistas em sua página do Facebook.

Educação e arte no Suriname

[Este artigo contém links que levam a outras páginas, inclusive noutros idiomas, caso queira aprofundar o assunto].

Referindo-se ao livro Education Through Art, do crítico de arte inglês Sir Herbert Read, Carmen Dragman, do Srananart's Blog, avaliou o valor da arte na educação, sugerindo que o atual modelo caribenho prejudica os estudantes por não reconhecer seu poder como um escape criativo e uma ferramenta de aprendizado:

Teachers and policy makers often actually know that art education is important for each individual, but don’t actually realize as yet how important the subject is. These lessons are mostly seen as ‘means of relaxation’ but not as means of support. Surely not before tests and examinations…

Os professores e os políticos sabem que a educação artística é importante para cada indivíduo, mas não perceberam o quão importante. Essas aulas são geralmente vistas como “formas de relaxamento”, ao invés de  ”uma forma de ajuda”. Obviamente não antes de testes e provas… 

Dragman acredita em aprender fazendo – movimento, jogos, modelagem – e cita vários exemplos de sua própria experiência no ensino, que confirmam o sucesso desta abordagem. Ela explica: 

If expressive education is given correctly, the cognitive, socio-emotional, sensitive, motoric, affective and creative development of the child will be stimulated. It is therefore very important that this subject be not only presented as an isolated subject, but be also integrated in the other school subjects.

Se a educação expressiva é aplicada corretamente, o desenvolvimento cognitivo, sócio-emocional, sensitivo, motor, afetivo e criativo da criança será estimulado. Por isso, é muito importante que este tema não seja tratado de maneira isolada, mas integrado as demais disciplinas escolares. 

Friagem atinge a amazônia peruana: consequência da mudança climática

Imagen en flickr del usuario @Christianhold (CC BY 2.0).

Imagem no flickr do utilizador @Christianhold (CC BY 2.0).

O escritor e jornalista peruano Paco Bardales comenta juntamente com outros colegas as ondas de clima frio, ou friagens, que recentemente têm afetado Iquitos, região mais acostumada ao calor. Esse fenômeno climático deixou de ser esporádico, como o grupo se recorda dos tempos de infância, para tornar-se mais frequente e mais prolongado, a tal ponto que o Serviço Nacional de Hidrologia e Meteorologia (Senahmi) decidiu divulgar alertas de friagem para as cidades localizadas nas regiões da amazônia peruana.

Nas conversações do grupo surge o pensamento de que essas temperaturas baixas são consequência da mudança climática. É esse o caso? Sem dúvidas que sim. O homem influenciou nessa mudança, e mesmo que as populações andinas e da amazônia não sejam responsáveis pelas mudanças, elas sofrem inundações, doenças e todas as outras consequências que afetam a saúde delas e o meio ambiente de onde habitam.

El impacto de la contaminación y los daños al ambiente sin duda han ido afectando las temperaturas. El Perú es considerado como uno de los países más vulnerables ante los impactos del cambio climático. Según estimaciones del MEF, los posibles daños económicos causados por este aspecto podrían llegar hasta los diez mil millones de dólares de aquí al año 2025.

O impacto da contaminação e os danos ao ambiente indubitavelmente têm afetado as temperaturas. O Peru é considerado um dos países mais vulneráveis ao impacto da mudança climática. Segundo as estimativas do MEF (Ministério da Economia e Finanças peruano), o potencial dos prejuízos econômicos causados por essas mudanças podem chegar a 10 bilhões de dólares, contando de agora até o ano de 2025.

Organismos nacionais e internacionais buscam conscientizar e informar. Uma das ações principais são as oficinas sobre a Conferência das Partes sobre a Mudança Climática (COP-20). Como declarou Paco:

La preocupación resulta importante, pues, al fin y al cabo, la Amazonía será fundamental en la mitigación del cambio climático. Ojalá no sea tarde para nosotros mismos.

A preocupação é importante visto que, no final de contas, a Amazônia será fundamental para atenuar a mudança climática. Espero que não seja tarde demais para nós mesmos.

Ameaças à liberdade de imprensa na luta contra o ébola na Libéria

The body of a victim of Ebola virus is seen covered with a sheet at the back of a truck in Monrovia, Liberia -Public Domain

Corpo de uma vítima do vírus ébola coberto por um lençol na parte de trás de um camião em Monróvia, Libéria. Domínio Público

O Sindicato de Jornalistas da Libéria está preocupado com a ameaça à liberdade de expressão, por causa das medidas do governo para limitar a expansão do vírus ébola. O Sindicato escreveu uma carta ao Ministro da Justiça para chamar a atenção para os desafios que os profissionais dos media estão a enfrentar no momento. Eis um excerto da carta:

A atenção do Sindicato de Jornalistas da Libéria está voltada especificamente para as difíceis circunstâncias que não só restringem os jornalistas e a sua obrigação de procurar e partilhar notícias e informação úteis com o público, como também ameaçam significativamente a participação dos media na luta global contra o ébola. Na opinião geral, os meios de comunicação social na Libéria têm sido um parceiro importante na luta para aumentar a consciencialização da sociedade quanto ao impacto e desafios da epidemia. Apesar das perdas económicas resultantes da emergência da epidemia e do seu efeito na vida em geral, os media continuaram comprometidos com esta luta. Infelizmente, várias acções tomadas pelo governo contra órgãos de comunicação social, sobretudo nos tempos que correm, criaram espaço para um cepticismo crescente em relação à doença e aumentaram ainda mais a negação do ébola dentro da comunidade. Achamos que isto é injusto e inadequado.

Filme mostra como uma tribo malaia está impedindo madeireiros de destruir suas terras

selungoSunset Over Selungo (Entardecer no Selungo, em tradução livre) é um documentário de 30 minutos sobre como o povo da tribo indígena Penan está defendendo o que sobrou da floresta tropical de Bornéu, na Malásia. O Bornéu é a maior ilha da Ásia. O filme foi feito pelo cineasta britânico independente Ross Harrison.

República Centro-Africana: construir a paz sustentável

Quando a ONU lançou a sua missão de manutenção da paz com a chegada de 1.500 soldados à República Centro-Africana (RCA), alguns observadores perguntaram-se porque demorou tanto tempo, tendo em conta a dimensão das baixas. Les Cercles Nationaux de Réflexion sur la Jeunesse (CNRJ) é uma ONG em Bangui, na RCA, que em parceria com a Universidade de Bangui, se esforça por construir as bases para uma paz sustentável no país. Aqui está um vídeo que ilustra o trabalho em curso:

Madagáscar: e se 75% das cidades fossem privadas de electricidade de propósito?

A Night in Madagascar when electricity is out  by Augustin- CC-BY-2.0

Uma noite em Madagáscar sem electricidade, por Augustin- CC-BY-2.0

Há cerca de 105 cidades em toda a Madagáscar. Destas, o ministro da Energia Fienena Richard anunciou recentemente que 80 estão actualmente sem energia eléctrica porque a JIRAMA, empresa pública responsável pelo fornecimento de electricidade a todo o país, está a ficar sem combustível. Como resultado, a JIRAMA tem de escolher as cidades que vão receber electricidade. O que representa cerca de 75% de todas as cidades do país, uma proporção que seria impensável na maioria dos países do mundo. A empresa também tem de lidar com a ameaça de uma greve geral dos trabalhadores que exigem mais medidas de segurança para lidar com a fúria dos clientes. Um dos clientes insatisfeitos foi o próprio Presidente malgaxe, que ameaçou processar a empresa depois de uma avaria eléctrica em sua casa. O blogger Andriamihaja, de Tulear, no sul de Madagáscar, escreveu uma humorística carta aberta à empresa, descrevendo como seria a vida sem electricidade na sua cidade.

A verdade sobre o Ebola

The Ebola Truth [A verdade sobre o Ebola] é uma página no Facebook cujo objetivo é documentar a situação do vírus Ebola no continente africano.

França, Iêmen: Mulheres em desaparecimento

Disparition by Bouchra Almutawakel

“Desaparecimento” pela fotógrafa iemenita Bushra Almutawakel

Eloïse Lagrenée [fr] postou em sua página no Facebook uma imagem da fotógrafa iemenita Bushra Almutawakel, mostrando como mulheres podem desaparecer dentro da escuridão e invisibilidade, passo a passo, sob a pressão fundamentalista vestindo um nigab completo. A imagem já foi compartilhada mais de 1.500 vezes.

Pobreza e exploração de crianças em Angola retratadas em livro

O jovem escritor e jornalista angolano Fernando Guelengue lança o seu primeiro livro na Bienal Internacional do Livro de São Paulo, no Brasil. Intitulada “Pobreza – o epicentro da exploração das crianças em Angola”, a obra aborda a problemática da situação da criança em Angola, analisando vários casos de exploração de menores.

Em entrevista à Deutsche Welle (DW), também disponível em audio, o autor afirma:

“O epicentro da exploração de menores em Angola é a pobreza (…) E a par da própria pobreza temos a falta de oportunidades de trabalho, o baixo rendimento financeiro dos pais e o analfabetismo”.

Segundo o autor, não foi possível encontrar apoios para a edição do livro em Angola, onde continua sem editora. A obra encontra-se à venda online, no site da Editora Biblioteca24horas.

Newsletter incancelável permite que eleitores brasileiros monitorem candidatos eleitos

news_9538

Apostando no poder da informação antes e depois das eleições, o projeto Newsletter Incancelável tem como objetivo ajudar os brasileiros a escolher melhor os candidatos que elegem, assim como facilitar o acompanhamento das atitudes de cada político eleito no decorrer do mandato. A decisão de participar do projeto é praticamente irreversível

Os eleitores que se cadastrarem receberão, por 4 anos, boletins mensais com as principais notícias sobre os candidatos que ajudarão a eleger em 2014. Todos os mais de 26 mil candidatos registrados no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para concorrer nas eleições de outubro de 2014 podem ser monitorados por meio da Newsletter Incancelável:

Esta iniciativa existe para ajudar você a escolher e acompanhar o seu voto. Uma decisão importante e irreversível, com a qual você terá que conviver por 4 anos.

As notícias são selecionadas com base em métricas de importância e relevância, dentre as quais o número de publicações similares, a quantidade de compartilhamentos de conteúdo nas principais redes sociais, assim como a visibilidade do veículo no qual a notícia foi publicada.

A iniciativa é do Newsmonitor, uma ferramenta para a construção de conhecimentos estratégicos. Segundo o site do projeto, trata-se da contribuição deles para as eleições de 2014 e “para que os cidadãos possam construir e acompanhar seus votos de uma maneira cada vez melhor”.

Com informações do site As Boas Novas.

A Guerra da Beatriz: primeira longa-metragem de Timor-Leste

From Facebook page of East Timor and Indonesia Action Network (ETAN)

Imagem da página do Facebook da Rede de Acção de Timor-Leste e da Indonésia (ETAN)

A Guerra da Beatriz (Beatriz’s War) é o primeiro filme de Timor-Leste. É sobre a ocupação indonésia de Timor-Leste, desde 1975 até 1999, e o seu impacto na sociedade timorense.

De acordo com os produtores do filme, o mesmo foi “feito em estilo de guerrilha pelos homens e mulheres que lutaram na resistência armada e no movimento clandestino” contra a ocupação Indonésia.

Yasmine: Primeira longa-metragem do Brunei

O filme Yasmine destaca-se porque é a primeira longa-metragem do Brunei. Trata-se de uma jovem que queria ser campeã de silat, uma arte marcial indígena do Brunei. O filme foi bem recebido em vários festivais internacionais de cinema.

VÍDEO: Exército israelense tem orgulho de seus bombardeios em Gaza

A blogger israelense Elizabeth Tsurkov desafia o IDF (Exército Israelense) a fazer uma versão em inglês de um vídeo que divulgado em hebraico, que ela descreve como “glorificando bombardeios aéreos em Gaza.”

Ela tuíta:

Por que não fazer uma versão em Inglês deste vídeo glorificando de bombardeios aéreos em Gaza?

Pelo menos 1.900 palestinos foram mortos, mais de 10 mil feridos e 450 mil deslocados desde que Israel lançou uma ofensiva maciça chamado de “Margem de Proteção” contra a faixa de 40 quilômetros em 8 de julho.

Siga nossa cobertura em inglês: #Gaza: número de mortos civis na ofensiva israelense

Melhoria do acesso à Internet no Camboja

Danièle Adler, uma consultora em estratégia de comunicação, apresenta uma visão geral [en] do avanço significativo no sector das TI no Camboja:

Há seis anos, menos de 10.000 cambojanos tinham ligação à Internet, sendo a mesma extremamente lenta. Actualmente, 2,5 milhões de pessoas têm acesso à Internet em casa e adicionalmente 2 milhões de cambojanos utilizam os seus smartphones diariamente para ficarem online.

Agência Pública e Greenpeace lançam concurso de microbolsas de reportagens sobre Energia

unnamed (1)

O modelo energético do país é tema crucial para o debate democrático, e nem sempre recebe a cobertura que merece. A sociedade precisa ser informada de maneira aprofundada sobre benefícios, riscos, impactos sociais e ambientais das principais fontes presentes no nosso “cardápio” de energia. O que está em jogo, ao final, é o modelo de desenvolvimento que vai talhar o futuro do Brasil.

Para contribuir com essa produção e disseminação de informação de qualidade, o Greenpeace Brasil se juntou à Agência Pública de Jornalismo Investigativo para lançar um concurso de microbolsas para a produção de reportagens investigativas independentes sobre dois temas dentro do assunto Energia: pré-sal e hidrelétricas.

Segundo Natalia Viana, diretora de estratégia da Agência Pública:

“Como em todas as microbolsas, a Pública vai dar total apoio para os repórteres realizarem suas pautas da melhor maneira possível, acompanhando de perto e coordenando o trabalho de campo, além de editar a reportagem no espírito independente e colaborativo que sempre mantivemos com nossos bolsistas”

Quatro pautas sugeridas pelos jornalistas inscritos serão escolhidas pelo concurso para serem transformadas em reportagens investigativas, duas sobre a questão das hidrelétricas, duas sobre o tema do pré-sal. O objetivo é aprofundar a discussão sobre a matriz energética brasileira e trazer informações consistentes ao debate público.

Para o Greenpeace, a iniciativa é também uma maneira de fortalecer o jornalismo independente no País. Segundo Bruno Weis, coordenador de Comunicação do Greenpeace:

“As reportagens investigativas sobre pré-sal e hidrelétricas vão contribuir para informar as pessoas sobre dimensões menos conhecidas da política energética do país” 

O concurso

As propostas para as microbolsas devem ser enviadas até o dia 14 de novembro de 2014 através do formulário e devem conter informações sobre a experiência do repórter, a pesquisa inicial e o plano de trabalho a ser executado. Os responsáveis pelas propostas receberão uma confirmação das suas inscrições.

As propostas serão avaliadas por uma Comissão Julgadora composta pelas diretoras da Agência Pública, Marina Amaral e Natalia Viana, pela diretora de Comunicação e Mobilização do Greenpeace, Lisa Gunn, e pelo coordenador de Comunicação do Greenpeace, Bruno Weis.

Os jornalistas selecionados serão anunciados nos sites do Greenpeace e da Agência Pública no dia 19 de novembro. 

O regulamento está disponível aqui.

Investimento directo da China na Europa

Este vídeo de cinco minutos criado pela escola de negócios ESADE mostra onde o capital chinês é investido na Europa e analisa o que motiva as empresas chinesas a investir no estrangeiro. (via the China Observer)

Vídeo de animação dissipa mitos do Ebola

A colaboração entre a United Methodist Communications, Chocolate Moose Media e iheed resultou na produção de uma animação, a ser usada na África Ocidental, para ajudar a dissipar os mitos sobre como o vírus Ebola se espalha, além de promover a prevenção da doença. A United Methodist Communications providenciou parte do financiamento para a Chocolate Moose Media criar o vídeo, que será traduzido em vários idiomas – incluindo inglês e francês, com vozes do oeste da África e outras línguas da África ocidental. Esta é uma co-produção internacional, que envolveu dez países: Canadá, Guiné-Bissau, Índia, Costa do Marfim, Libéria, Nigéria, África do Sul, Serra Leoa, Suíça e Estados Unidos. 

América Central: crianças migrantes não são meras estatísticas

Niños migrantes en clase. Imagen en Flickr del usuario pies cansados (CC BY-ND 2.0) .

Crianças migrantes numa sala de aula. Imagem em Flickr por utilizador pies cansados (CC BY-ND 2.0).

Num artigo de opinião para o jornal americano Milwaukee Journal Sentinel, o colaborador do Global Voices Jamie Stark pergunta-se: “Que tipo de pai pagaria US$ 10.000 (cerca de 7.800 euros) a um estranho para levar uma criança ao longo de 1.400 milhas (cerca de 2.200 km) deparando-se com grupos mafiosos e postos fronteiriços hostis? Um bom pai, talvez.”.

Como cidadão preocupado com o problema das crianças migrantes, Stark reflecte:

O que fazer com estas crianças? É certamente uma decisão importante, mas que ignora o lado humano, a história de cada criança que atravessa a nossa fronteira.
[...]
Quando os pais na América Central ouvem o rumor de que as crianças estão a ser autorizadas a ficar nos Estados Unidos, não é difícil imaginar que estes gastem as poupanças de uma vida, entre US$10.000 a US$15.000, para um estranho levar um filho ou uma filha para o norte.
[...]
Estas crianças não são meras estatísticas. Em primeiro lugar, muitas delas nem sequer queriam cá estar.

O Global Voices já escreveu sobre este tema (artigos em inglês):
- The Humanitarian Tragedy of Children Emigrating Alone
- An Open Letter to Salvadoran Migrant Children
- Trafficked Ecuadorian Children Pass Through Hell on the Way to the US

Biblioteca digital de práticas tradicionais de cura é lançada nas Filipinas

philippine_health_researchPor meio de uma iniciativa de diversos órgãos governamentais, a Biblioteca Digital de Conhecimentos Tradicionais de Saúde das Filipinas (TKDL-Health na sigla em inglês) busca documentar e digitalizar práticas de saúde indígenas no país.

The communities, characteristically living in the mountains or their fringes, have depended mostly on plants and other natural products from the forest to prevent or treat sickness. But environmental degradation and the onslaught of lowland mainstream cultures now threaten their healing traditions.

As comunidades, tipicamente residentes das montanhas ou redondezas, dependem principalmente de plantas e outros produtos naturais da floresta para prevenir ou tratar doenças. Entretanto, a degradação do meio ambiente e o ataque da parte das culturas dominantes da planície atualmente ameaçam as tradições de cura [das montanhas].

Comentários e imagens da conferência Highway Africa 2014

Highway Africa 2014 teve lugar de 7 a 8 de Setembro de 2014, na Universidade de Rhodes, em Grahamstown, África do Sul. “Redes Sociais – das periféricas às mais difundidas” foi o tema da conferência. Você pode encontrar imagens e comentários sobre a conferência aqui.

Com apoio de fãs, Azagaia consegue fundos para operar tumor na Índia

Imagem de agradecimento do Azagaia: foto retirada da página Ajuda o Mano Azagaia.

Imagem de agradecimento do Azagaia: foto retirada da página Ajuda o Mano Azagaia.

campanha para angariação de fundos para operação de um tumor no cérebro do rapper moçambicano Edson da Luz, mais conhecido por Azagaia, alcançou o valor necessário em menos de dez dias. O anúncio foi feito recentemente por meio da página Ajuda o Mano Azagaia:

É com enorme emoção que anunciamos que a campanha de angariação de fundos Ajuda o Mano Azagaia passou da meta definida!
A partir deste momento a campanha está encerrada.
Total recebido: 791,546.63 Meticais!
É impossível expressarmos plenamente em palavras a emoção e gratidão que sentimos!
Este resultado é fruto da contribuição de centenas de pessoas em Moçambique e outras partes do mundo em menos de 2 semanas!
MUITO, MUITO OBRIGADO a todos! Por cada Metical, por cada palavra encorajadora, por cada pequeno gesto de apoio! Somos grandes porque estamos todos juntos!
Esta página vai continuar aberta e será actualizada até ao final do tratamento a que o Edson será submetido.
CUBALIWA!!!*

*Cubaliwa significa renascimento na língua Masena, falada nas províncias Manica e Sofala, na região central de Moçambique, e é também o nome de um dos discos de Azagaia.

Alex Magno Massingue comentou na mesma publicação:

Deus sempre ampara os seus filhos e nunca deixa na mão a todos que se sacrificam em prol do bem comum. Força e que continues o incomparável e implacável crítico social

Sheila Tarmamade disse por sua vez:

Mereces Azagaia….quando temos o coração repleto de coisas boas Deus sempre nos protege…REZAREMOS POR TI AZAGAIA

Mensagens de apoio sucederam também no twitter:

Como bloggers foram parar à prisão por escreverem sobre direitos humanos na Etiópia

Melody Sundberg analisa a liberdade de expressão na Etiópia após os bloggers etíopes detidos passarem 100 dias na prisão:

A Etiópia, com uma população de quase 94 milhões de habitantes, é o segundo país mais populoso de África. No entanto, de acordo com declarações de Endalkhachew Chala em entrevista ao Global Voices, não tem um jornal diário independente nem media independente. Havia necessidade de uma voz alternativa e, por conseguinte, os bloggers da Zone 9 começaram a blogar e a usar as redes sociais para escrever sobre temas relacionados com os direitos humanos. O nome do grupo, Zone 9, refere-se às zonas da conhecida prisão etíope Kality, onde presos políticos e jornalistas estão a ser detidos. A prisão tem oito zonas, mas a nona “zona” refere-se ao resto da Etiópia. Mesmo estando fora dos muros da prisão – nunca se é verdadeiramente livre; qualquer pessoa de livre pensamento pode ser presa. Os bloggers quiseram ser a voz desta nona zona.

Na entrevista, Endalkachew diz que o grupo tinha campanhas de respeito da constituição, para acabar com a censura e de direito à manifestação. O grupo também visitou prisioneiros políticos, como os jornalistas Eskinder Nega e Reeyot Alemu. Quiseram chamar a atenção pública, usando as redes sociais.

Como encontrar a felicidade na democracia

Do Butão, terra da Felicidade Interna Bruta, o blogueiro Passang Tshering explica como os cidadãos podem buscar a felicidade em uma democracia. Ele compara a democracia ao casamento por amor e afirma que há três grupos de pessoas: os amantes, os inimigos e os cidadãos interessados.

The Lovers are the ones who swear by one party, and regardless of how good or bad the decision the party makes they will not move an inch into disagreement. They are like a obsessive husband who could go and hug his wife after she has thrown a hot pan on his face.

Contrary to that The Haters are the ones who turn blind eyes to all the good things a party does and suddenly becomes so loud when they see a flaw. They are like an angry husband who would slap his wife even when she gifts him a bouquet of flowers.

If we have more of these two groups of people then democracy is at risk. They could fail a country. Therefore we must strive to be and saw the seed of The Concerned Citizens in our youth. Educating and inspiring them to grow the heart that is courteous enough to acknowledge the good even if it's done by an enemy, and courageous enough to condemn even when the wrongdoer is a friend. That like a very human and loving husband.

Os amantes são aqueles que fazem juramento a um partido e, independentemente das decisões tomadas pelo partido serem boas ou ruins, eles não se movem uma polegada em desacordo. São como um marido obsessivo, que vai lá e abraça a esposa depois dela ter jogado uma panela quente em seu rosto.

Ao contrário destes, os inimigos são aqueles que fecham os olhos para todas as coisas boas que um partido faz e repentinamente aumentam o tom de voz quando percebem uma falha. São como um marido irritado, que bate na esposa mesmo quando ela lhe traz um buquê de flores.

Se estes dois grupos formarem a maioria, a democracia então corre risco. Eles podem naufragar um país. Portanto, devemos nos esforçar para ser e plantar a semente do cidadão interessado em nossa juventude. Educar e inspirar os jovens para cultivar um coração que seja cortês o suficiente para reconhecer o bem mesmo quando feito por um inimigo e corajoso o suficiente para condenar o mal mesmo quando o transgressor é um amigo. Isso é agir como um marido muito humano e amoroso.

O trabalho heróico diário de cientistas na luta contra o Ébola na Libéria

Durante a actual crise da febre hemorrágica ébola (FHE), muitas são as reportagens acerca de pacientes, pessoal médico, vacinas e consequências da doença nos países afectados. Porém, raros são os relatos acerca do trabalho diário dos técnicos de laboratório e daqueles que tratam das suas necessidades diárias. Num artigo publicado no site buzzfeed.com intitulado Os heróis desconhecidos da crise do Ébola na Libéria, Jina Moore conta a história destas pessoas fulcrais na luta contra o vírus do Ébola na Libéria:

Catherine Jeejuah começa tão cedo os seus dias que nem sabe que horas são. Mas isso é irrelevante. Ela levanta-se quando ainda está escuro, acende o fogo e coze arroz e verduras para os seus dois filhos. Por volta das 6h30 da manhã, quando a claridade começa a entrar pelas janelas, ela sai de casa e dirige-se a uma escola nas proximidades.

Ali, ela faz tudo novamente, mas numa escala maior. Jeejuah, de 30 anos, e outras duas mulheres, todas voluntárias, cozinham para 12 das mais importantes, mas invisíveis, pessoas na Libéria no momento.

As doze refeições destinam-se à equipa de técnicos que testa o sangue de doentes com suspeita de Ébola. Eles visitam os doentes nas suas casas e nos sobrecarregados centros de tratamento e inserem agulhas em veias de pessoas fisicamente imprevisíveis e altamente contagiosas. De seguida, levam de volta as amostras de sangue para o único laboratório médico da Libéria, que fica a mais de uma hora da capital, Monróvia.

Cubanos são agora utilizadores autorizados do Google Chrome

O Google Chrome finalmente torna-se “legal” em Cuba. A blogger Yoani Sanchez afirma que sente uma grande satisfação por “saber que a opinião dos cidadãos interessados na livre circulação de informação e de tecnologia influenciou a abolição desta proibição.”

Descarrilamento de comboio expõe ineficiência do sistema de transportes colectivos filipino

A train overshot it's stop at a terminal in Manila. Photo by Juan Carlo de Vela. Copyright @Demotix. (8/13/2014)

Comboio não conseguiu parar na devida paragem num terminal em Manila. Foto de Juan Carlo de Vela. Copyright @Demotix. (8/13/2014)

Descarrilamento de comboio provoca um elevado número de feridos, ao não conseguir parar num cruzamento movimentado a sul de Manila. O acidente provocou uma intensa discussão [en] em torno do débil e ineficiente sistema de transportes colectivos das Filipinas. As autoridades competentes prometeram melhorar os serviços ferroviários num contexto de crescente indignação pública em relação ao incidente.

Níger: 12 mortos e 27.000 desalojados por causa das cheias

Flooding in Niamey in Niger - Public Domain

Inundações em Niamey, Níger – Domínio Público

As chuvas fortes e inundações no Níger mataram 12 pessoas e deixaram milhares [fr] sem casa. Em Niamey e nas regiões circundantes, os rios subiram e destruíram milhares de habitações. A degradação dos solos e o cultivo de terras marginais na região aumentam o risco de fenómenos extremos se converterem em desastres naturais. Algumas soluções de preparação para as inundações foram implementadas [en] pelas autoridades nacionais:

ANADIA Níger tem como objectivo desenvolver metodologias e ferramentas para avaliação do risco de inundação, apoiar o planeamento nos diferentes níveis de tomada de decisão, aumentar a resiliência das comunidades locais e desenvolver uma maior capacidade de previsão e resposta. Neste contexto, o desenvolvimento de uma base de dados das inundações irá contribuir para um processo de decisão mais eficaz.

 

Tráfico de rins humanos na China

Um caso judicial recente na província de Jianxi revelou informação privilegiada acerca do negócio de tráfico de rins humanos na China. Charles Liu do site the Nanfang.com publicou uma reportagem de investigação [en] sobre o funcionamento deste negócio clandestino.

… um homem de 21 anos quis provar à família que era financeiramente independente. Depois de saber através de um contacto QQ, que podia ganhar 25.000 CNY (3.000 euros) por vender um rim, decidiu ir para Nanchang.

Acordo de investimento com a China deixa jamaicanos com mais perguntas que respostas

ESTOU TÃO ESTUPEFACTA: QUEM dá a um Governo ESTRANGEIRO o DIREITO de ESCOLHER QUE TERRAS QUER?

Como parte de uma troca de investimentos, o Governo jamaicano concordou em ceder 1.200 acres (485 hectares) de terra ao Governo chinês – onde quer que seja. Cucumber Juice [en] tem questões fundamentais que sente que o Governo deve responder: Qual é o valor da terra? Como será usada? E se o terreno já estiver ocupado? Ela conclui que: “A Jamaica está à venda, está a ser vendida e não é de todo tão independente como os seus cidadãos e residentes gostam de pensar.”