Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Notícias de e

Fotos: A infância nas margens do Velho Chico, onde a tecnologia ainda não chegou

Uma menina e sua boneca em Xique-Xique, Bahia. Foto de Markileide Oliveira, publicada com permissão.

Uma menina e sua boneca imaginária em Xique-Xique, Bahia. Foto de Markileide Oliveira, publicada com autorização.

As fotos de Markileide Oliveira retratam o cotidiano da população de Xique-Xique, pequena cidade localizada nas margens do Rio São Francisco, no sertão da Bahia — a região mais árida do Brasil. O “Velho Chico”, como é conhecido, é um dos mais importantes rios do país, passando por cinco estados e provendo grande parte do sustento dos habitantes de uma região pouco propícia para a agricultura.

Markileide se diz especialmente encantada com as crianças ribeirinhas, cujo universo segue intocado pelo avanço tecnológico:

Em meio a modernidade do século XXI e o mundo virtual que abraçam as novas gerações, existe uma infância que sobrevive aos impactos das novas tecnologias. A inocência das crianças que nascem na beira do rio causa em mim um encantamento inexplicável, percebe-se que a felicidade vive no imaginário das crianças ribeirinhas, onde é possível sentir a boneca imaginária que vive nos sonhos dessa menina que posa para fotografia.  

Simplesmente linda.
 
Longe das tecnologias elas aprendem a sentir, a viver e ser criança. E brincar… 
De boneca, de casinha, de se esconder, de salva latinha, de pegar piaba com o lençol da mãe e depois soltar para vê-las nadar e ganhar o rio, brincar de lavar as louças só para dá comidinhas aos peixes…
 
… As nossas memórias parecem ganhar vida. 
 
 É possível reviver as lembranças de quem viveu uma infância na beira do rio.
Infância em Xique Xique

Retratos da infância, série “Ribeirinhos do Velho Chico”. Foto de Markileide Oliveira, publicada com autorização.

Outras fotos de Markileide tiradas em Xique-Xique podem ser vistas em sua página do Facebook.

Friagem atinge a amazônia peruana: consequência da mudança climática

Imagen en flickr del usuario @Christianhold (CC BY 2.0).

Imagem no flickr do utilizador @Christianhold (CC BY 2.0).

O escritor e jornalista peruano Paco Bardales comenta juntamente com outros colegas as ondas de clima frio, ou friagens, que recentemente têm afetado Iquitos, região mais acostumada ao calor. Esse fenômeno climático deixou de ser esporádico, como o grupo se recorda dos tempos de infância, para tornar-se mais frequente e mais prolongado, a tal ponto que o Serviço Nacional de Hidrologia e Meteorologia (Senahmi) decidiu divulgar alertas de friagem para as cidades localizadas nas regiões da amazônia peruana.

Nas conversações do grupo surge o pensamento de que essas temperaturas baixas são consequência da mudança climática. É esse o caso? Sem dúvidas que sim. O homem influenciou nessa mudança, e mesmo que as populações andinas e da amazônia não sejam responsáveis pelas mudanças, elas sofrem inundações, doenças e todas as outras consequências que afetam a saúde delas e o meio ambiente de onde habitam.

El impacto de la contaminación y los daños al ambiente sin duda han ido afectando las temperaturas. El Perú es considerado como uno de los países más vulnerables ante los impactos del cambio climático. Según estimaciones del MEF, los posibles daños económicos causados por este aspecto podrían llegar hasta los diez mil millones de dólares de aquí al año 2025.

O impacto da contaminação e os danos ao ambiente indubitavelmente têm afetado as temperaturas. O Peru é considerado um dos países mais vulneráveis ao impacto da mudança climática. Segundo as estimativas do MEF (Ministério da Economia e Finanças peruano), o potencial dos prejuízos econômicos causados por essas mudanças podem chegar a 10 bilhões de dólares, contando de agora até o ano de 2025.

Organismos nacionais e internacionais buscam conscientizar e informar. Uma das ações principais são as oficinas sobre a Conferência das Partes sobre a Mudança Climática (COP-20). Como declarou Paco:

La preocupación resulta importante, pues, al fin y al cabo, la Amazonía será fundamental en la mitigación del cambio climático. Ojalá no sea tarde para nosotros mismos.

A preocupação é importante visto que, no final de contas, a Amazônia será fundamental para atenuar a mudança climática. Espero que não seja tarde demais para nós mesmos.

Pobreza e exploração de crianças em Angola retratadas em livro

O jovem escritor e jornalista angolano Fernando Guelengue lança o seu primeiro livro na Bienal Internacional do Livro de São Paulo, no Brasil. Intitulada “Pobreza – o epicentro da exploração das crianças em Angola”, a obra aborda a problemática da situação da criança em Angola, analisando vários casos de exploração de menores.

Em entrevista à Deutsche Welle (DW), também disponível em audio, o autor afirma:

“O epicentro da exploração de menores em Angola é a pobreza (…) E a par da própria pobreza temos a falta de oportunidades de trabalho, o baixo rendimento financeiro dos pais e o analfabetismo”.

Segundo o autor, não foi possível encontrar apoios para a edição do livro em Angola, onde continua sem editora. A obra encontra-se à venda online, no site da Editora Biblioteca24horas.

Cubanos são agora utilizadores autorizados do Google Chrome

O Google Chrome finalmente torna-se “legal” em Cuba. A blogger Yoani Sanchez afirma que sente uma grande satisfação por “saber que a opinião dos cidadãos interessados na livre circulação de informação e de tecnologia influenciou a abolição desta proibição.”

Cabo da Polícia Militar é o primeiro condenado pelos “Crimes de Maio”

10500553_484544808347891_2020837561891122856_n

Pôster publicado pelas Mães de Maio pedindo apoio e presença ao julgamento. 

O cabo da Polícia Militar de São Paulo Alexandre Andre Pereira da Silva foi condenado a 36 anos de prisão pelas mortes de Murilo de Moraes Ferreira, Felipe Vasti Santos de Oliveira e Marcelo Heyd Meres em 2006, durante os chamados “Crimes de Maio“. A jornalista Laura Capriglione, do coletivo de mídia Ponte divulgou a notícia no Facebook.

A condenação veio após anos de pressão por parte do Movimento Mães de Maio, criado após os brutais assassinatos de cerca de 500 jovens durante ações policiais no estado de São Paulo em maio de 2006.

 

 

Admiráveis palavras do futebolista italiano Giorgio Chiellini após ser mordido

Chiellini

Giorgio Chiellini, imagem no Flickr pelo utilizador calciostreaming. CC BY 2.0.

[Os links levam à páginas em inglês exceto quando outro idioma for mencionado]

Giorgio Chiellini [en], o defesa central italiano que foi mordido pelo avançado Uruguaio Luis Suárez durante a partida entre as seleções de Itália e Uruguai da fase de grupos do Campeonato do Mundo no Brasil, enviou uma mensagem conciliatória a Suárez [it] através do seu site oficial:

Dentro di me ora non ci sono sentimenti di gioia, di vendetta o di rabbia contro Suarez per un incidente che è accaduto in campo ed è finito lì. Rimangono solo la rabbia e delusione per la partita persa.

Al momento il mio unico pensiero è per Luis e la sua famiglia, perché si troveranno ad affrontare un periodo molto difficile.

Dentro de mim, neste momento, não há sentimentos de alegria, vingança ou raiva contra Suárez por um incidente que aconteceu no campo e está encerrado. Permanece apenas a raiva e o desilusão pela partida. 

Neste momento, os meus pensamentos estão com o Luís e a sua família porque vão enfrentar um período muito difícil. 

“A Ponte”: canal online debate segurança pública, justiça e direitos humanos no Brasil

Com as manifestações de junho de 2013 o Brasil se deparou com uma realidade que vivia velada no cotidiano das periferias: a violência e os abusos da polícia militar. A existência de esquadrões da morte, milícias paramilitares e o medo da população diante de um “Estado crescentemente violento e coercitivo”, somadas as cenas das ruas no último ano, levaram 20 jornalistas a se reunir em torno de um projeto independente. Nasceu assim A Ponte, canal online que debate e reporta sobre “segurança pública, justiça e direitos humanos”.

Lançado em junho, o projeto tem apoio institucional da Agência Pública, parceira do Global Voices, e de outras 60 organizações ligadas à área de direitos humanos. Laura Caprilgione, ex-repórter do jornal Folha de São Paulo e uma das criadoras da iniciativa, conta que debater a segurança pública é debater “o passaporte do futuro do Brasil”:

É ela quem definirá, conforme sua resolução, se evoluiremos para uma sociedade de vingadores e linchadores, ou de garantia dos direitos essenciais para todos. Com a Ponte nós reafirmamos nossa aposta na democracia e no Estado Democrático de Direito. 

Além das proposições do manifesto do grupo, outro integrante, André Caramante, também ex-repórter da Folha, defende que o diferencial do jornalismo feito pelo site:

Partimos do princípio de que a voz de um cidadão comum deve ter a mesma importância do que a de um governo, qualquer governo.

Conheça quem faz a Ponte:

A forma adequada de falar com pessoas portadoras de deficiência

2024381750_43e73d40a7_o

Imagem de panshipanshi no Flickr. CC BY-NC-SA 2.0.

[Todos os links levam à páginas em espanhol]

O salvadorenho Jaime Vázquez Villalta explica neste artigo as formas adequadas de falar com pessoas portadoras de deficiência:

Quando falamos com um familiar, amigo ou conhecido que apresenta algum tipo de incapacidade, em primeiro lugar devemos tratá-lo como um indivíduo, com virtudes, talentos, forças e fraquezas, mas acima de tudo como pessoa que é, um ser humano que faz parte da sociedade.

Utilizador de cadeira de rodas, o autor tem o objetivo de educar outras pessoas através do seu blog Desde mi silla (Desde a minha cadeira de rodas) para criar uma sociedade mais justa.

Este post fez parte da quinta edição de #LunesDeBlogsGV (Segunda-feira de blogs em GV) no dia 2 de Junho de 2014.

Agência Pública e Greenpeace lançam concurso de microbolsas de reportagens sobre Energia

unnamed (1)

O modelo energético do país é tema crucial para o debate democrático, e nem sempre recebe a cobertura que merece. A sociedade precisa ser informada de maneira aprofundada sobre benefícios, riscos, impactos sociais e ambientais das principais fontes presentes no nosso “cardápio” de energia. O que está em jogo, ao final, é o modelo de desenvolvimento que vai talhar o futuro do Brasil.

Para contribuir com essa produção e disseminação de informação de qualidade, o Greenpeace Brasil se juntou à Agência Pública de Jornalismo Investigativo para lançar um concurso de microbolsas para a produção de reportagens investigativas independentes sobre dois temas dentro do assunto Energia: pré-sal e hidrelétricas.

Segundo Natalia Viana, diretora de estratégia da Agência Pública:

“Como em todas as microbolsas, a Pública vai dar total apoio para os repórteres realizarem suas pautas da melhor maneira possível, acompanhando de perto e coordenando o trabalho de campo, além de editar a reportagem no espírito independente e colaborativo que sempre mantivemos com nossos bolsistas”

Quatro pautas sugeridas pelos jornalistas inscritos serão escolhidas pelo concurso para serem transformadas em reportagens investigativas, duas sobre a questão das hidrelétricas, duas sobre o tema do pré-sal. O objetivo é aprofundar a discussão sobre a matriz energética brasileira e trazer informações consistentes ao debate público.

Para o Greenpeace, a iniciativa é também uma maneira de fortalecer o jornalismo independente no País. Segundo Bruno Weis, coordenador de Comunicação do Greenpeace:

“As reportagens investigativas sobre pré-sal e hidrelétricas vão contribuir para informar as pessoas sobre dimensões menos conhecidas da política energética do país” 

O concurso

As propostas para as microbolsas devem ser enviadas até o dia 14 de novembro de 2014 através do formulário e devem conter informações sobre a experiência do repórter, a pesquisa inicial e o plano de trabalho a ser executado. Os responsáveis pelas propostas receberão uma confirmação das suas inscrições.

As propostas serão avaliadas por uma Comissão Julgadora composta pelas diretoras da Agência Pública, Marina Amaral e Natalia Viana, pela diretora de Comunicação e Mobilização do Greenpeace, Lisa Gunn, e pelo coordenador de Comunicação do Greenpeace, Bruno Weis.

Os jornalistas selecionados serão anunciados nos sites do Greenpeace e da Agência Pública no dia 19 de novembro. 

O regulamento está disponível aqui.

América Central: crianças migrantes não são meras estatísticas

Niños migrantes en clase. Imagen en Flickr del usuario pies cansados (CC BY-ND 2.0) .

Crianças migrantes numa sala de aula. Imagem em Flickr por utilizador pies cansados (CC BY-ND 2.0).

Num artigo de opinião para o jornal americano Milwaukee Journal Sentinel, o colaborador do Global Voices Jamie Stark pergunta-se: “Que tipo de pai pagaria US$ 10.000 (cerca de 7.800 euros) a um estranho para levar uma criança ao longo de 1.400 milhas (cerca de 2.200 km) deparando-se com grupos mafiosos e postos fronteiriços hostis? Um bom pai, talvez.”.

Como cidadão preocupado com o problema das crianças migrantes, Stark reflecte:

O que fazer com estas crianças? É certamente uma decisão importante, mas que ignora o lado humano, a história de cada criança que atravessa a nossa fronteira.
[...]
Quando os pais na América Central ouvem o rumor de que as crianças estão a ser autorizadas a ficar nos Estados Unidos, não é difícil imaginar que estes gastem as poupanças de uma vida, entre US$10.000 a US$15.000, para um estranho levar um filho ou uma filha para o norte.
[...]
Estas crianças não são meras estatísticas. Em primeiro lugar, muitas delas nem sequer queriam cá estar.

O Global Voices já escreveu sobre este tema (artigos em inglês):
- The Humanitarian Tragedy of Children Emigrating Alone
- An Open Letter to Salvadoran Migrant Children
- Trafficked Ecuadorian Children Pass Through Hell on the Way to the US

Newsletter incancelável permite que eleitores brasileiros monitorem candidatos eleitos

news_9538

Apostando no poder da informação antes e depois das eleições, o projeto Newsletter Incancelável tem como objetivo ajudar os brasileiros a escolher melhor os candidatos que elegem, assim como facilitar o acompanhamento das atitudes de cada político eleito no decorrer do mandato. A decisão de participar do projeto é praticamente irreversível

Os eleitores que se cadastrarem receberão, por 4 anos, boletins mensais com as principais notícias sobre os candidatos que ajudarão a eleger em 2014. Todos os mais de 26 mil candidatos registrados no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para concorrer nas eleições de outubro de 2014 podem ser monitorados por meio da Newsletter Incancelável:

Esta iniciativa existe para ajudar você a escolher e acompanhar o seu voto. Uma decisão importante e irreversível, com a qual você terá que conviver por 4 anos.

As notícias são selecionadas com base em métricas de importância e relevância, dentre as quais o número de publicações similares, a quantidade de compartilhamentos de conteúdo nas principais redes sociais, assim como a visibilidade do veículo no qual a notícia foi publicada.

A iniciativa é do Newsmonitor, uma ferramenta para a construção de conhecimentos estratégicos. Segundo o site do projeto, trata-se da contribuição deles para as eleições de 2014 e “para que os cidadãos possam construir e acompanhar seus votos de uma maneira cada vez melhor”.

Com informações do site As Boas Novas.

#DesafioAnita: Uma favela desafiou o campeão da Copa para um jogo

Anita Garibaldi vs Campeão da Copa do Mundo

Anita Garibaldi vs Campeão da Copa do Mundo. Imagem da página Techo.org, usada com autorização.

A favela Anita Garibaldi, a 10 km do Aeroporto Internacional de Guarulhos, que atende à cidade de São Paulo, é morada de 4 mil famílias e um time próprio de futebol, o Anita Futebol Clube. A organização não governamental TECHO (@untecho), da América Latina, está fazendo campanha pelo #DesafioAnita, um jogo de futebol entre o Anita Futebol Clube e a seleção que se tornar campeã da Copa do Mundo 2014. Segundo a ONG, essa partida procura dar visibilidade às histórias de superação de moradores de comunidades da América Latina que vivem em condição de pobreza.

A organização está levando adiante uma intensa campanha nas redes sociais e nos meios de comunicação usando com a hashtag #DesafioAnita. Até o momento, já conseguiram o envolvimento de pessoas pelo mundo inteiro com petições para a FIFA, federações nacionais de futebol e personalidades para a realização do Desafio, cuja data definitiva ainda precisa ser confirmada.

Os interessados podem se somar como apoiadores do Anita Garibaldi por sua página oficial na web (disponível em português, espanhol e inglês) ou com a hashtag #DesafioAnita.

Documentário [áudio em pt, legenda em espanhol]: Por que a Anita Garibaldi quer o #DesafioAnita?

Vídeo [áudio em pt, legenda em inglês]: Turtão, goleiro do Anita Garibaldi FC, desafia Lionel Messi

Mulheres são minoria na blogosfera latina

Marita Seara Fernández, membro do coletivo Mulheres Construindo (Mujeres Construyendo),  lembrou que apenas 25% da blogosfera que escreve na língua espanhola é representado por internautas do sexo feminino.Ativista do grupo que tem a intenção de diminuir as diferença entre os gêneros nas tecnologias digitais, Marita recordou também que as latinas trabalham numa média de duas ou três horas diárias a mais que os homens, e, portanto, teriam menos tempo para dedicarem-se a estudos e atualização de novas ferramentas e plataformas. O dado é da CEPAL (Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe), que disponibilizou uma série de informações através de um vídeo informativo após a XII Conferência Regional Sobre a Mulher da América Latina, realizada em 2013.

Da Venezuela, a ativista escreve em seu blog:

Hay muchísimas voces femeninas en el mundo, sobre todo en países donde la represión, discriminación y desigualdad es parte de su día a día. ¿Pero qué hay de blogs escritos por mujeres latinoamericanas?, ¿de voces que presenten una realidad en sus comunidades o reflejen el empoderamiento y el liderazgo que muchas representan?. Hay pocas.

[..]

Si comenzamos con que el acceso igualitario a internet es un derecho, para disminuir esta brecha es esencial el cambio o implantación de nuevas políticas públicas que van desde la alfabetización y la educación desde edades tempranas hasta la ayuda en el manejo y redistribución del tiempo de las mujeres, de manera así que puedan acceder al aprendizaje de estos recursos.

“Existem muitas vozes femininas no mundo, especialmente em países que repressão, discriminação e desigualdade fazem parte do cotidiano. Há blogs escritos por mulheres latinoamericanas? De vozes que sentem a realidade de suas comunidades e refletem o empodeiramento e liderança que muitas realizam? São poucos.
[..]
Se começarmos com o acesso igualitário a internet, como um direito, para diminuir as distancias  da implantação de novas políticas públicas que vão desde a alfabetização e educação, desde crianças, até a ajuda do manejo e distribuição do tempo das mulheres com uma maneira de alavancar o aprendizado desses recursos

O motivo para menor participação, mostra o vídeo, é o fato de mulheres de comunidades mais afastadas se empenharem em atividades domésticas que precisam de dedicação, como cuidado com crianças e idosos.

[Matéria traduzida por Camilla Feltrin]

Ativista preso diz: “Estou sendo alvo de uma grande e suja perseguição política”

Carta Fábio Hideki, de dentro da Penitenciária

Carta redigida por Fábio Hideki de dentro da Penitenciária, publicada por Mídia Ninja (CC BY-SA 4.0).

Esta carta, publicada pelo coletivo Mídia Ninja, foi escrita pelo estudante Fábio Hideki Harano, um dos dois ativistas presos em São Paulo após participar da manifestação “Se não tiver direitos, não vai ter Copa” no dia 23 de junho. A campanha Liberdade para Hideki garante a pressão popular para que Fábio seja libertado. 

03/07/2014  Fábio Hideki Haramo

Escrevendo de maneira leve e solta, sem pensar elaboradamente digo que não fiz nada de errado pois participar de manifestações de rua, usar equipamentos de proteção e resistir na defensiva, para fazer valer o direito de expressão pública, não é nem um pouco crime.

Estou sendo alvo de uma grande e suja perseguição política. Não neguei revista pois não tinha nada a esconder. Implantaram uma suposta bomba, que só fui ver no DEIC, horas depois de minha detenção.

Sou trabalhador, funcionário público e estudante da USP, gosto de ler, de mangá, de Tokusatsu (seriados japoneses de super-herois), de heavy metal, artes marciais, luta política por um mundo melhor, justo e sem desumanindade.

Sei da importância de lutar. Pratico kentô e sei que só viver de maneira individualista não leva a um mundo melhor. Assim, participo sim de sindicato, apoio determinados movimentos sociais como MTST e o MPL. Sei que lutar, sem briga, nas ruas é importante. Participo de manifestações sem partir para agressões.

Tanto é que meus pais e meus avós sabem com tranquilidade que não faço lutas erradas.

Brasil: site traz infográficos e dados sobre protestos de 2013

Screen shot do novo site da Artigo 19, dedicado aos protestos de 2013 no Brasil. Foto: Reprodução

Novo site da Artigo 19, dedicado aos protestos de 2013 no Brasil. Foto: Reprodução

No dia 02 de junho, às vésperas da contraditória Copa do Mundo no Brasil, a organização de direitos humanos Artigo 19 colocou no ar um novo site sobre os Protestos de 2013 que levaram o país às ruas. Nele, além de encontrar “pistas para entender o fenômeno brasileiro”, o usuário encontra ainda informações sobre leis de protesto internacionais e nacionais, as principais violações e uma linha do tempo.

A organização explica ainda:

O site traz números, infográficos, análises de leis e depoimentos de vítimas de violência e especialistas, além de críticas a abusos na atuação do Estado. Baseado em notícias da imprensa, o relatório, que serve de base para o site, contabilizou 696 protestos no país durante 2013, registrando 2.608 detidos e 8 mortes em circunstâncias relacionadas aos protestos. A análise também computou 117 jornalistas feridos e/ou agredidos, e outros 10 que foram detidos.
(…)
Todas as violações registradas contradizem uma série de convenções e leis internacionais que tratam do direito a manifestação.