Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Notícias de e

Vídeo: moradores da periferia de São Paulo sofrem diariamente com a falta d'água

A crise hídrica que atinge todo o Sudeste brasileiro não dá sinais de melhora. O volume do principal reservatório que abastece a cidade de São Paulo, o Sistema Cantareira, está em 13,6% – um número otimista se considerado que inclui a segunda cota do volume morto (reserva de água que fica empoçada no fundo do lago, abaixo do nível de captação das comportas, cuja segurança para consumo humano é pouco conhecida). O volume útil do reservatório se esgotou em Julho deste ano.

Em uma metrópole marcada por profundas diferenças sociais, nem todos têm a rotina afetada da mesma maneira. Enquanto alguns dão água mineral para aos seus bichos de estimação, outros tomam banho de caneca.

O Observatório Popular de Direitos produziu um mini documentário em que moradores do bairro do Campo Limpo, na Zona Sul de São Paulo, relatam os problemas que enfrentam com o corte diário do abastecimento de água em suas residências.

 

Agência Pública e Greenpeace lançam concurso de microbolsas de reportagens sobre Energia

unnamed (1)

O modelo energético do país é tema crucial para o debate democrático, e nem sempre recebe a cobertura que merece. A sociedade precisa ser informada de maneira aprofundada sobre benefícios, riscos, impactos sociais e ambientais das principais fontes presentes no nosso “cardápio” de energia. O que está em jogo, ao final, é o modelo de desenvolvimento que vai talhar o futuro do Brasil.

Para contribuir com essa produção e disseminação de informação de qualidade, o Greenpeace Brasil se juntou à Agência Pública de Jornalismo Investigativo para lançar um concurso de microbolsas para a produção de reportagens investigativas independentes sobre dois temas dentro do assunto Energia: pré-sal e hidrelétricas.

Segundo Natalia Viana, diretora de estratégia da Agência Pública:

“Como em todas as microbolsas, a Pública vai dar total apoio para os repórteres realizarem suas pautas da melhor maneira possível, acompanhando de perto e coordenando o trabalho de campo, além de editar a reportagem no espírito independente e colaborativo que sempre mantivemos com nossos bolsistas”

Quatro pautas sugeridas pelos jornalistas inscritos serão escolhidas pelo concurso para serem transformadas em reportagens investigativas, duas sobre a questão das hidrelétricas, duas sobre o tema do pré-sal. O objetivo é aprofundar a discussão sobre a matriz energética brasileira e trazer informações consistentes ao debate público.

Para o Greenpeace, a iniciativa é também uma maneira de fortalecer o jornalismo independente no País. Segundo Bruno Weis, coordenador de Comunicação do Greenpeace:

“As reportagens investigativas sobre pré-sal e hidrelétricas vão contribuir para informar as pessoas sobre dimensões menos conhecidas da política energética do país” 

O concurso

As propostas para as microbolsas devem ser enviadas até o dia 14 de novembro de 2014 através do formulário e devem conter informações sobre a experiência do repórter, a pesquisa inicial e o plano de trabalho a ser executado. Os responsáveis pelas propostas receberão uma confirmação das suas inscrições.

As propostas serão avaliadas por uma Comissão Julgadora composta pelas diretoras da Agência Pública, Marina Amaral e Natalia Viana, pela diretora de Comunicação e Mobilização do Greenpeace, Lisa Gunn, e pelo coordenador de Comunicação do Greenpeace, Bruno Weis.

Os jornalistas selecionados serão anunciados nos sites do Greenpeace e da Agência Pública no dia 19 de novembro. 

O regulamento está disponível aqui.

Newsletter incancelável permite que eleitores brasileiros monitorem candidatos eleitos

news_9538

Apostando no poder da informação antes e depois das eleições, o projeto Newsletter Incancelável tem como objetivo ajudar os brasileiros a escolher melhor os candidatos que elegem, assim como facilitar o acompanhamento das atitudes de cada político eleito no decorrer do mandato. A decisão de participar do projeto é praticamente irreversível

Os eleitores que se cadastrarem receberão, por 4 anos, boletins mensais com as principais notícias sobre os candidatos que ajudarão a eleger em 2014. Todos os mais de 26 mil candidatos registrados no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para concorrer nas eleições de outubro de 2014 podem ser monitorados por meio da Newsletter Incancelável:

Esta iniciativa existe para ajudar você a escolher e acompanhar o seu voto. Uma decisão importante e irreversível, com a qual você terá que conviver por 4 anos.

As notícias são selecionadas com base em métricas de importância e relevância, dentre as quais o número de publicações similares, a quantidade de compartilhamentos de conteúdo nas principais redes sociais, assim como a visibilidade do veículo no qual a notícia foi publicada.

A iniciativa é do Newsmonitor, uma ferramenta para a construção de conhecimentos estratégicos. Segundo o site do projeto, trata-se da contribuição deles para as eleições de 2014 e “para que os cidadãos possam construir e acompanhar seus votos de uma maneira cada vez melhor”.

Com informações do site As Boas Novas.

Cabo da Polícia Militar é o primeiro condenado pelos “Crimes de Maio”

10500553_484544808347891_2020837561891122856_n

Pôster publicado pelas Mães de Maio pedindo apoio e presença ao julgamento. 

O cabo da Polícia Militar de São Paulo Alexandre Andre Pereira da Silva foi condenado a 36 anos de prisão pelas mortes de Murilo de Moraes Ferreira, Felipe Vasti Santos de Oliveira e Marcelo Heyd Meres em 2006, durante os chamados “Crimes de Maio“. A jornalista Laura Capriglione, do coletivo de mídia Ponte divulgou a notícia no Facebook.

A condenação veio após anos de pressão por parte do Movimento Mães de Maio, criado após os brutais assassinatos de cerca de 500 jovens durante ações policiais no estado de São Paulo em maio de 2006.

 

 

“A Ponte”: canal online debate segurança pública, justiça e direitos humanos no Brasil

Com as manifestações de junho de 2013 o Brasil se deparou com uma realidade que vivia velada no cotidiano das periferias: a violência e os abusos da polícia militar. A existência de esquadrões da morte, milícias paramilitares e o medo da população diante de um “Estado crescentemente violento e coercitivo”, somadas as cenas das ruas no último ano, levaram 20 jornalistas a se reunir em torno de um projeto independente. Nasceu assim A Ponte, canal online que debate e reporta sobre “segurança pública, justiça e direitos humanos”.

Lançado em junho, o projeto tem apoio institucional da Agência Pública, parceira do Global Voices, e de outras 60 organizações ligadas à área de direitos humanos. Laura Caprilgione, ex-repórter do jornal Folha de São Paulo e uma das criadoras da iniciativa, conta que debater a segurança pública é debater “o passaporte do futuro do Brasil”:

É ela quem definirá, conforme sua resolução, se evoluiremos para uma sociedade de vingadores e linchadores, ou de garantia dos direitos essenciais para todos. Com a Ponte nós reafirmamos nossa aposta na democracia e no Estado Democrático de Direito. 

Além das proposições do manifesto do grupo, outro integrante, André Caramante, também ex-repórter da Folha, defende que o diferencial do jornalismo feito pelo site:

Partimos do princípio de que a voz de um cidadão comum deve ter a mesma importância do que a de um governo, qualquer governo.

Conheça quem faz a Ponte:

Dos arquivos da Copa: Como o Brasil enganou o mundo com um meme

A imagem mais disseminada do trote. Autor anônimo.

A imagem mais disseminada do trote. Autor anônimo.

Você se lembra do “Cala Boca Galvão”, o meme de Internet que se tornou um trote mundial quando milhões de usuários do Twitter começaram a mandar o famoso narrador esportivo Galvão Bueno calar a boca, durante a cerimônia de abertura da Copa do Mundo de 2010?

Quase instantaneamente, tornou-se um trending topic mundial no Twitter, e pessoas de toda parte queriam entender o que era aquilo e o que estava se passando.

Munidas do melhor senso de humor brasileiro, pessoas lançaram um apelo urgente – e falso – para salvar o que supostamente seria uma espécie de ave ameaçada de extinção – o “galvão”. Poderiam salvar a espécie ao retuitar a hashtag “Cala Boca Galvão” o máximo possível. Este vídeo em inglês, criado em junho de 2010 sobre a ave fictícia que precisa ser salva da Copa do Mundo, teve mais de 2,2 milhões de visualizações.

Grandes veículos midiáticos ajudaram a disseminar o trote, que foi depois solucionado pelo blog The Lede e descrito pelo jornal The New York Times como “um dos cibertrotes mais bem sucedidos da história”.

Veja a história de Raphael Tsavkko Garcia no nosso arquivo: Brasil: O fenômeno “CALA BOCA GALVÃO”.

Brasil: Manual online dá dicas a manifestantes

Com o início da Copa do Mundo no Brasil, protestos contra as intervenções da FIFA e os gastos do governo tomam conta de todo o país, especialmente nas cidades-sede. 

Preocupados com possíveis reações excessivas da polícia durante os protestos, a organização de conselho cidadão Urucum, que trabalha com direitos humanos, comunicação e questões de justiça, e está baseada na cidade de Fortaleza, publicou um manual para manifestantes, chamado de Manual de Pessoas Manifestantes.

Na Rua – Cartilha do manifestante

 

 

Publicado em Calameo ou leia outras publicações

O e-book dá dicas sobre itens que os manifestantes devem levar dentro de suas mochilas e faz uma lista de recomendações de atitude e comportamento durante a própria demonstração. Também compartilha uma lista de direitos civis e se refere a como proceder em caso de ser parado em uma revista policial ou detido.

O livreto é um produto da plataforma online Na Rua, que monitora violações aos direitos humanos perpetradas pelo Estado em Fortaleza durante os protestos relacionados à Copa do Mundo. 

Video: Metroviários em greve são agredidos pela Polícia Militar de São Paulo

O coletivo Mídia Ninja reproduziu vídeo e notícia que denunciam a violência da Polícia Militar de São Paulo contra metroviários em greve pacífica na madrugada do dia 5 de junho de 2014. No vídeo é possível ver a Tropa de Choque partindo para cima dos trabalhadores em greve com tiros de bala de borracha à queima-roupa:

A notícia indica ainda que, a menos de uma semana para o início da Copa do Mundo, a greve “deflagrada pelo Sindicato dos Metroviários (…) afetou cerca de 4,6 milhões de usuários do Metrô nessa quinta-feira” (5 de junho): 

A categoria tentou de todas as formas negociar pelos seus direitos sem prejudicar usuários mas nenhuma proposta foi aceita até então pela Secretaria de Transporte do Estado. 

Os Metroviários chegaram inclusive a propor a catraca livre enquanto forma de manter o protesto sem afetar a população: “Seria uma alternativa à paralização”, propôs o presidente do Sindicato Altino de Melo Prazeres Júnior. Geraldo Alckmin, Governador do Estado e responsável pela gestão do Metrô, afirma que o movimento é “político e sem sentido”, e atua com a força militar da polícia para impedir a reivindicação trabalhalista prevista em Lei. 

Ao menos um trabalhador foi preso. A greve do Metrô continua por tempo indeterminado.

Fotos: A infância nas margens do Velho Chico, onde a tecnologia quase não chegou

Uma menina e sua boneca em Xique-Xique, Bahia. Foto de Markileide Oliveira, publicada com permissão.

Uma menina e sua boneca imaginária em Xique-Xique, Bahia. Foto de Markileide Oliveira, publicada com autorização.

As fotos de Markileide Oliveira retratam o cotidiano da população de Xique-Xique, pequena cidade localizada nas margens do Rio São Francisco, no sertão da Bahia — uma das regiões mais áridas do Brasil. O “Velho Chico”, como é conhecido, é um dos mais importantes rios do país, passando por cinco estados e provendo grande parte do sustento dos habitantes de uma região pouco propícia para a agricultura.

Markileide se diz especialmente encantada com as crianças ribeirinhas, cujo universo segue intocado pelo avanço tecnológico:

Em meio a modernidade do século XXI e o mundo virtual que abraçam as novas gerações, existe uma infância que sobrevive aos impactos das novas tecnologias. A inocência das crianças que nascem na beira do rio causa em mim um encantamento inexplicável, percebe-se que a felicidade vive no imaginário das crianças ribeirinhas, onde é possível sentir a boneca imaginária que vive nos sonhos dessa menina que posa para fotografia.  

Simplesmente linda.
 
Longe das tecnologias elas aprendem a sentir, a viver e ser criança. E brincar… 
De boneca, de casinha, de se esconder, de salva latinha, de pegar piaba com o lençol da mãe e depois soltar para vê-las nadar e ganhar o rio, brincar de lavar as louças só para dá comidinhas aos peixes…
 
… As nossas memórias parecem ganhar vida. 
 
 É possível reviver as lembranças de quem viveu uma infância na beira do rio.
Infância em Xique Xique

Retratos da infância, série “Ribeirinhos do Velho Chico”. Foto de Markileide Oliveira, publicada com autorização.

Outras fotos de Markileide tiradas em Xique-Xique podem ser vistas em sua página do Facebook.

Pobreza e exploração de crianças em Angola retratadas em livro

O jovem escritor e jornalista angolano Fernando Guelengue lança o seu primeiro livro na Bienal Internacional do Livro de São Paulo, no Brasil. Intitulada “Pobreza – o epicentro da exploração das crianças em Angola”, a obra aborda a problemática da situação da criança em Angola, analisando vários casos de exploração de menores.

Em entrevista à Deutsche Welle (DW), também disponível em audio, o autor afirma:

“O epicentro da exploração de menores em Angola é a pobreza (…) E a par da própria pobreza temos a falta de oportunidades de trabalho, o baixo rendimento financeiro dos pais e o analfabetismo”.

Segundo o autor, não foi possível encontrar apoios para a edição do livro em Angola, onde continua sem editora. A obra encontra-se à venda online, no site da Editora Biblioteca24horas.

#DesafioAnita: Uma favela desafiou o campeão da Copa para um jogo

Anita Garibaldi vs Campeão da Copa do Mundo

Anita Garibaldi vs Campeão da Copa do Mundo. Imagem da página Techo.org, usada com autorização.

A favela Anita Garibaldi, a 10 km do Aeroporto Internacional de Guarulhos, que atende à cidade de São Paulo, é morada de 4 mil famílias e um time próprio de futebol, o Anita Futebol Clube. A organização não governamental TECHO (@untecho), da América Latina, está fazendo campanha pelo #DesafioAnita, um jogo de futebol entre o Anita Futebol Clube e a seleção que se tornar campeã da Copa do Mundo 2014. Segundo a ONG, essa partida procura dar visibilidade às histórias de superação de moradores de comunidades da América Latina que vivem em condição de pobreza.

A organização está levando adiante uma intensa campanha nas redes sociais e nos meios de comunicação usando com a hashtag #DesafioAnita. Até o momento, já conseguiram o envolvimento de pessoas pelo mundo inteiro com petições para a FIFA, federações nacionais de futebol e personalidades para a realização do Desafio, cuja data definitiva ainda precisa ser confirmada.

Os interessados podem se somar como apoiadores do Anita Garibaldi por sua página oficial na web (disponível em português, espanhol e inglês) ou com a hashtag #DesafioAnita.

Documentário [áudio em pt, legenda em espanhol]: Por que a Anita Garibaldi quer o #DesafioAnita?

Vídeo [áudio em pt, legenda em inglês]: Turtão, goleiro do Anita Garibaldi FC, desafia Lionel Messi

Ativista preso diz: “Estou sendo alvo de uma grande e suja perseguição política”

Carta Fábio Hideki, de dentro da Penitenciária

Carta redigida por Fábio Hideki de dentro da Penitenciária, publicada por Mídia Ninja (CC BY-SA 4.0).

Esta carta, publicada pelo coletivo Mídia Ninja, foi escrita pelo estudante Fábio Hideki Harano, um dos dois ativistas presos em São Paulo após participar da manifestação “Se não tiver direitos, não vai ter Copa” no dia 23 de junho. A campanha Liberdade para Hideki garante a pressão popular para que Fábio seja libertado. 

03/07/2014  Fábio Hideki Haramo

Escrevendo de maneira leve e solta, sem pensar elaboradamente digo que não fiz nada de errado pois participar de manifestações de rua, usar equipamentos de proteção e resistir na defensiva, para fazer valer o direito de expressão pública, não é nem um pouco crime.

Estou sendo alvo de uma grande e suja perseguição política. Não neguei revista pois não tinha nada a esconder. Implantaram uma suposta bomba, que só fui ver no DEIC, horas depois de minha detenção.

Sou trabalhador, funcionário público e estudante da USP, gosto de ler, de mangá, de Tokusatsu (seriados japoneses de super-herois), de heavy metal, artes marciais, luta política por um mundo melhor, justo e sem desumanindade.

Sei da importância de lutar. Pratico kentô e sei que só viver de maneira individualista não leva a um mundo melhor. Assim, participo sim de sindicato, apoio determinados movimentos sociais como MTST e o MPL. Sei que lutar, sem briga, nas ruas é importante. Participo de manifestações sem partir para agressões.

Tanto é que meus pais e meus avós sabem com tranquilidade que não faço lutas erradas.

Brasil: site traz infográficos e dados sobre protestos de 2013

Screen shot do novo site da Artigo 19, dedicado aos protestos de 2013 no Brasil. Foto: Reprodução

Novo site da Artigo 19, dedicado aos protestos de 2013 no Brasil. Foto: Reprodução

No dia 02 de junho, às vésperas da contraditória Copa do Mundo no Brasil, a organização de direitos humanos Artigo 19 colocou no ar um novo site sobre os Protestos de 2013 que levaram o país às ruas. Nele, além de encontrar “pistas para entender o fenômeno brasileiro”, o usuário encontra ainda informações sobre leis de protesto internacionais e nacionais, as principais violações e uma linha do tempo.

A organização explica ainda:

O site traz números, infográficos, análises de leis e depoimentos de vítimas de violência e especialistas, além de críticas a abusos na atuação do Estado. Baseado em notícias da imprensa, o relatório, que serve de base para o site, contabilizou 696 protestos no país durante 2013, registrando 2.608 detidos e 8 mortes em circunstâncias relacionadas aos protestos. A análise também computou 117 jornalistas feridos e/ou agredidos, e outros 10 que foram detidos.
(…)
Todas as violações registradas contradizem uma série de convenções e leis internacionais que tratam do direito a manifestação.

O pesadelo de comprar ingressos para os jogos da Copa 2014

O mexicano Emmasito compartilhou [es] em seu blog os infortúnios que teve ao tentar comprar ingressos para os jogos da Copa do Mundo FIFA 2014 no Brasil, que começou ontem, quinta-feira 12 de junho. Ele afirma que o problema não são os preços, que variam de 90 a 175 dólares (US$) – o que ele considera razoável em vista da magnitude do evento esportivo -, mas, sim, a longa demora, a alta procura pelos ingressos e dificuldades com o servidor da internet, entre outras barreiras:

Justo a las 5 AM estábamos al pendiente [...] y debido a la alta demanda a nivel mundial, FIFA te pone en una “cola” virtual y hasta que sea tu turno puedes entrar a comprar. Para no hacer la historia larga, nos dieron las 7:30 y seguíamos esperando con una desmañanada brutal. Eventualmente pudimos entrar, pero para ese tiempo ya no había boletos disponibles.

Às 5 em ponto da manhã ficamos a postos [...] e devido à alta demanda mundial, a FIFA lhe põe numa “fila” virtual, para que você só possa comprar quando for sua vez. Enfim, às 7h30 ainda estávamos aguardando, brutalmente desorientados. Eventualmente entramos, mas nesse momento já não havia ingressos disponíveis.

O autor é um grande fã do esporte mais popular do mundo e vai escrever sobre suas experiências da visita ao Brasil. Acompanhe seu blog [es] e sua conta no Twitter caso você também seja fã de futebol.

Este post faz parte da 6ª #LunesDeBlogsGV [Segundas de blogs no GV], em 9 de junho de 2014.

‘Estádio de exceção': Polícia brasileira prende ativistas anti-Copa

O coletivo Midia Ninja denuncia que ativistas contrários à Copa do Mundo estão sendo presos na cidade do Rio de Janeiro antes do início dos jogos. Estas prisões tem por objetivo prevenir “futuros crimes em uma tentativa de intimidar” aqueles que querem sair às ruas e protestar:

A Polícia Cívil do Rio de Janeiro acaba de executar uma série de detenções. Na manhã de hoje as ativistas Elisa Quadros (conhecida como Sininho), a advogada Eloisa Samy e o cinegrafista Thiago Ramos, foram presos em casa , e estão sendo levados para investigação na DRCI – Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática. Na última semana em Goiânia, mandatos de busca e apreensão ja haviam sido utilizados como forma de cerceamento ao direito de manifestação e tática de coerção contra a parcela da população que pretende manifestar suas indignações durante o evento da FIFA.