Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

‘Vi-te No Comboio': apaixonar-se nos transportes públicos em Portugal

Reunir e partilhar as histórias de pessoas anónimas que se cruzam no comboio e se interessam pelo passageiro do lado é o objetivo da página de Facebook Vi-te No Comboio.

Imagem retirada da página de Facebook "Vi-te-no Comboio"

Imagem retirada da página de Facebook ‘Vi-te-no Comboio'. Criada no final do mês de Janeiro de 2014, a página conta já com mais de 67.000 gostos e dezenas de posts

As histórias são enviadas para os administradores dessa rede social que depois as publicam na página do Facebook e no website vite.pt. As publicações são organizadas com ‘hashtags’ que especificam a linha em que se cruzaram os personagens, facilitando assim a seleção, como por exemplo a história do encontro e desencontro de um alentejano e a passageira Amélia na #‎linhaEvora‬, num dos textos mais emotivos da plataforma.

Em entrevista ao P3, os criadores e administradores da página, Daniel, Tiago e Pedro (por questões de privacidade, preferiram não divulgar os seus sobrenomes), admitem ter-se inspirado no site I Saw You, uma plataforma que surgiu em 1997 por iniciativa de três amigos norte-americanos também eles inspirados pela secção do jornal Seattle Weekly dedicada ao assunto das ‘missed connections’ (ligações perdidas).

O ‘Vi-te No Comboio’ expandiu-se recentemente para o metro, publicando histórias de quem se cruza nas linhas do Porto e Lisboa. Como o ‘Vi-te No Comboio’ existem já inúmeras outras páginas com propósito semelhante, por exemplo  ‘Vi-te No Autocarro’ e até ‘Vi-te Num Concerto de Metal’.

Esta curta foi escrita por António Pedro, Bárbara Rodrigues, Catarina Rocha e Hugo Ramos, estudantes da disciplina de Ciberjornalismo do curso de Ciências da Comunicação e da Cultura da Universidade Lusófona do Porto.