Fechar

Faça uma doação para manter o Global Voices no ar!

Cobrimos 167 países. Traduzimos em 35 idiomas. Somos o Global Voices.

Somos mais de 800 colaboradores trabalhando juntos em todo o mundo para oferecer aos nossos leitores notícias que são difíceis de encontrar em veículos tradicionais. Não podemos, porém, fazer tudo isso sozinhos. Embora a maioria de nós seja voluntária, ainda precisamos de sua ajuda para apoiar os nossos editores, tecnologias, projetos de extensão e defesa de direitos online, além dos eventos de nossa comunidade.

Doe agora »
GlobalVoices em Leia mais »

Irã: Um crime no YouTube, uma execução em público

[Todos os links levam a sites em inglês, exceto quando indicado]

Dois jovens, Alireza Mafiha e Mohammad Ali Sarvari, foram executados em Teerã, capital do Irã, nas primeiras horas do dia 20 de janeiro de 2013, sob a vista de espectadores públicos [atenção: imagens fortes] que se aglomeraram para assistir o enforcamento, de acordo com a agência de notícias Islamic Republic (IRNA).

Crime e YouTube

A caça aos acusados de assalto tornou-se prioridade máxima após a filmagem de uma câmera de segurança ser inserida no YouTube no final de 2012, mostrando quatro jovens em duas motos emboscando um pedestre, ameaçando-o com uma faca e tomando seus pertences.

Quatro homens foram logo presos e julgados. Mafiha e Sarvari foram sentenciados à morte, e os outros dois cumprirão uma sentença de 10 anos de prisão, cinco anos em exílio e 74 chibatadas.

Por um punhado de dólares

Uma das imagens mais fortes (acima) da execução de domingo é da ISNA e mostra um dos jovens, antes de sua execução, aparentemente repousando sua cabeça sobre o ombro de seu executor, enquanto o homem encapuzado aparenta estar consolando-o com uma mão em seu ombro.

Amirhadi, de Teerã, escreveu sobre essa foto em seu blog [fa]:

Look at this photo, it is as if the accused has laid his head on the shoulder of the very agent who is to carry out the [death] sentence. Do you see fear in his eyes? I find this image rare. Because of an agent who allows the head of an accused to rest on his shoulder. Because of an accused who is to die in a few moments finds no shelter, other than the shoulder of his executioner.

[...]

These kids, yes “kids” since the oldest was 24 and the youngest only 20. They were not professional thieves and muggers. Had they been, they wouldn't have mugged for a petty 70 or 30 thousand Tomans. [approximately 20 and 10 dollars].

They worked too. Their bios show that they did courier jobs and…. but when the value of the national money depreciates on a daily basis. When a clerk's salary does not even suffice to feed three people with only yoghurt and bread. In a society where there is no hope for tomorrow. What should they do?

Veja essa foto, é como se o acusado tivesse deitado sua cabeça sobre o ombro do agente encarregado de encaminhar sua sentença [de morte]. Você vê medo em seus olhos? Eu acho essa imagem incrível. Por causa de um agente que permite que a cabeça de um acusado descanse sobre seu ombro. Por causa de um acusado que irá morrer em instantes e não encontra outro abrigo, senão o ombro de seu executor.

[...]

Essas crianças, sim, eles eram “crianças”, pois o mais velho tinha 24 anos e o mais jovem apenas 20. Não eram ladrões ou assaltantes profissionais. Se fossem, não teriam assaltado por uma quantia de 70 ou 30 mil tomans. [aproximadamente 20 e 10 dólares].

Eles também trabalhavam. Suas fichas mostram que prestavam serviços de mensageiros…. mas quando o valor da moeda nacional cai diariamente. Quando o salário de um atendente não é suficiente nem mesmo para alimentar 3 pessoas com apenas iogurte e pão. Em uma sociedade onde não existe esperança para o amanhã. O que eles deveriam fazer?

A montagem compara os dois acusados executados no domingo com o fugitivo ex-diretor administrativo do Banco Nacional Iraniano: “Um roubou 20 dólares e acabou na forca, com seus 20 e poucos anos. O outro roubou 2,6 BILHÕES de dólares e está aproveitando a vida no Caribe e no Canadá.”

Recolocando a mesma fotografia próxima à um retrato do fugitivo ex-diretor administrativo do Banco Central da República Islâmica, Mahmoud Reza Khavari, que é suspeito de apropriação indébita, a página de um dissidente iraniano entitulada, “Buscando compensação daqueles que organizaram a revolução de 1979″, diz [fa]:

Kill us. Kill the youth who have no money to buy their daily bread. This reminded me of the Le Miserables novel where a person is executed for having stolen a loaf of bread while they have robbed us of billions of dollars and laugh in our faces. Rest assured this is fire under the ashes and these poor and unemployed youths who have been persecuted and discriminated against all their lives will one day bring you down.

Nos matem. Matem os jovens que não têm dinheiro para comprar o pão do dia-a-dia. Isso me lembrou da história de “Os miseráveis”, onde uma pessoa é executada por ter roubado um pedaço de pão enquanto eles nos roubam bilhões de dólares e riem de nossas caras. Tenha certeza de que haverá volta e esses jovens pobres e desempregados que têm sido perseguidos e discriminados por toda vida irão lhes derrubar um dia.

Espectadores

Em reação às notícias, Dara escreve em seu blog chamado ‘Palavras do fundo do meu coração‘ [fa]:

We must be terrified of a day when people go to watch executions for fun instead of going to cinemas, parks and mountains… the government executes people in public to make everybody scared, but the important thing is the people's reaction. They welcome such an execution. A dying person becomes an entertainment.

Nós temos de ficar aterrorizados com um dia em que as pessoas saem para assistir execuções por diversão ao invés de ir à cinemas, parques e montanhas… o governo executa pessoas em público para deixar todos assustados, mas o importante é a reação das pessoas. Elas aceitam tais execuções. Uma pessoa morrendo se torna entretenimento.

Regiões do mundo

Países

Línguas