Fechar

Faça uma doação para manter o Global Voices no ar!

Cobrimos 167 países. Traduzimos em 35 idiomas. Somos o Global Voices.

Somos mais de 800 colaboradores trabalhando juntos em todo o mundo para oferecer aos nossos leitores notícias que são difíceis de encontrar em veículos tradicionais. Não podemos, porém, fazer tudo isso sozinhos. Embora a maioria de nós seja voluntária, ainda precisamos de sua ajuda para apoiar os nossos editores, tecnologias, projetos de extensão e defesa de direitos online, além dos eventos de nossa comunidade.

Doe agora »
GlobalVoices em Leia mais »

Protestos indígenas e pregação online: panorama dos países de língua portuguesa em 2012

Todos os anos, na medida em que os últimos dias do calendário se aproximam, fazemos um panorama da mídia cidadã com os destaques do que aconteceu no mundo online na língua portuguesa.

A mídia tradicional falha com frequência em fornecer uma cobertura mais ampla e profunda das questões ambientais, sociais, culturais e políticas que ocorrem em qualquer um dos oito países lusófonos. Mas a mídia cidadã desta vasta região linguística, que se espalha por todo o globo terrestre, esteve presente para preencher algumas dessas lacunas e alimentar a opinião pública.

Esse tem sido o caso da cobertura sobre as políticas de desenvolvimento adotadas pelo governo brasileiro e as consequências que afetaram diretamente os ribeirinhos, quilombolas e comunidades indígenas situadas por todo o país, e particularmente na Amazônia. A construção da usina hidrelétrica de Belo Monte no Rio Xingu talvez tenha se tornado uma das causas mais fortes em âmbito nacional e fora do país. Em outubro, Sany Kalapalo, uma jovem indígena e ativista do Xingu, contou-nos como ela usa a Internet como ferramenta para divulgar a cultura indígena e mobilizar pessoas em prol de sua campanha para proteger a região de Volta Grande do Xingu, no estado do Pará.

Em novembro, o Grito da Resistência Guarani Kaiowá rapidamente se espalhou da vila de Pyelito Key/Mbarakay, na cidade de Iguatemi (Mato Grosso do Sul), para uma onda de protestos em solidariedade aos direitos indígenas por suas terras.

In November, the Cry of Resistance of the Guarani Kaiowá triggered a worldwide wave of protests in solidarity with the Indigenous Guarani-Kaiowá and their cause.

Foto dos 5.000 crucifixos plantados em Brasília. Imagem tirada da página Itiban Comic Shop no Facebook

Ao longo do ano, uma série de artigos sobre imigração brasileira nos levou a jornadas que não embarcamos por meio da mídia de massa.

De uma blogueira “decasségui” no Japão que escrevia para a comunidade brasileira logo após o terremoto, a uma imigrante síria de 93 anos que vive no estado de São Paulo, passando pela história dos Brasilibaneses, ou brasileiros do Líbano, e outras histórias. A própria política imigratória do Brasil enfrenta novos desafios. Em dezembro, associações de imigrantes em São Paulo organizaram uma manifestação exigindo mais direitos com respeito à legislação do país. A imigração de brasileiros para fora do país também esteve sob debate, particularmente por meio de como as mulheres brasileiras são vistas no exterior, após pronunciamentos altamente criticados feitos pelo presidente da Ordem dos Advogados de Portugal no final do ano, alegando que o produto mais exportados pelo Brasil para Portugal são as prostitutas.

Para acalmar os ânimos que floresceram com o debate, e trazendo um pouco de música para o contexto, algo que os brasileiros exportaram este ano foi o sucesso do cantor Michel Teló, a canção “Ai, se eu te pego!“, cujo vídeo oficial no YouTube já foi visto incríveis 470 milhões de vezes. Apesar do sucesso mundial do Michel Teló não alcançar os números atingidos por Gangnam Style, sua música com certeza deu iníco a um fenômeno global de “Telobalização” no início do ano, com a apropriação da música em novas versões em dezenas de idiomas diferentes. “Ai, se eu te pego!” também recebeu críticas devido a qualidade discutível do trabalho de Teló, e se deveria, ou não, representar a cultura brasileira no exterior.

Sobre cultura e alfabetização, damos destaque à Bicicloteca, uma bicicleta com uma pequena biblioteca e acesso à Internet por meio de energia solar para os moradores de rua da cidade de São Paulo, e uma competição de escrita criativa com duração de 7 semanas promovida pelo jovem jornalista cabo-verdiano Odair Varela em seu blog.

Plataformas para participação cidadã

Iniciativas interessantes para participação cidadã que fazem uma ponte entre o mundo offline e online emergiram em Moçambique em 2012.

Up North, in Cabo Delgado, an "open terrace" hosts monthly public debates - which are transcribed live to Facebook - allowing for the discussion and dissemination of important issues such as the missing transparency in the extractive mega projects in the country.

Na região norte de Moçambique, em Cabo Delgado, um “terraço aberto” abriga debates públicos mensais – que são transcritos ao vivo para o Facebook – permitindo que a discussão e desseminação de questões importantes como o desaparecimento da transparência nos megaprojetos extrativistas do país. Foto por Terraço Aberto (Debate Público em Cabo Delgado) no Facebook

O Mural do Povo de Maputo, um autêntico “mural offline do Facebook” é, na verdade, o longo paredão externo do prédio do jornal @Verdade, e permite que qualquer cidadão expresse suas reclamações de maneira pública e aberta. As mensagens são posteriormente transcritas para os meios de comunicação utilizados pelo jornal @Verdade, como o jornal impresso, mas também em sua página no Facebook e no website.

Uma escola local de mergulho em Tofo, a Bitonga Divers, tem conscientizado as pessoas sobre a necessidade de defender a vida marinha contra a sobrepesca em uma das praias turísticas mais importantes de Moçambique.

Enquanto isso, na Guiné-Bissau, onde há um grande abismo de acesso à Internet, um projeto de inclusão digital chamado CENATIC (um artigo sobre o centro de computadores foi lançado no Rising Voices em abril) infelizmente teve de fechar as portas por conta do alto custo para mantê-lo aberto. O CENATIC foi lançado por uma ONG local e tinha o objetivo de fornecer acesso à internet mais acessível e apoio para indivíduos e organizações interessadas em descobrir como uma conexão melhor pode melhorar o seu trabalho.

From Sao Tome and Principe, STP Radio (Somos Todos Primos / We Are All Cousins)

Em dezembro, o Global Voices entrevistou a Rádio STP (Somos Todos Primos), de São Tomé e Príncipe, uma comunidade de rádio online que tem um papel importante em unir a diáspora.

O futuro espera

Na arena política, 2012 foi um ano de eleições presidenciais e parlamentares no Timor-Leste, eleições municipais no Brasil, e eleições locais em Cabo Verde. Em Angola, Eduardo dos Santos foi re-eleito após 33 anos no poder. O caminho de desenvolvimento complexo deste país por meio das lentes da mídia cidadã está resumido em um post separado [en].

Próximo do final do mês de novembro, São Tomé e Príncipe mergulhou em uma crise política e, em Guiné-Bissau, outro golpe militar derrubou o governo em abril de 2012. Um artigo do mês de outubro descreve:

Enquanto as instituições internacionais expressam sua “preocupação” e organizam reuniões, o povo de Guiné-Bissau tem poucos meios para expressar seus medos e frustrações.

Em Portugal, houve bastantes protestos e duas greves gerais contra as medidas de austeridade em meio ao cenário da crise econômica na Europa que gera condições de vida ainda mais severas para a população. A maioria participou da manifestação que aconteceu em setembro sob o mote “Que se Lixe a Troika, Queremos as Nossas Vidas“.

Em meio à multiplicidade de usos convencionais das plataformas digitais para ativismo, um dos personagens mais curiosos e que despertou a nossa atenção no início do ano foi, de fato, um padre e escritor de 75 anos chamado Mário Pais de Oliveira. Ele usa as redes sociais religiosamente para compartilhar seus pensamentos particulares – e disruptivos – sobre os eventos da atualidade, possui centenas de vídeos no YouTube e milhares de amigos no Facebook. Terminamos esse panorama do ano com uma citação simples de uma de suas homilias subversivas. A respeito do que quer que seja trazido por 2013:

Temos de inventar novas formas de transformar a sociedade

Regiões do mundo

Países

Línguas