Fechar

Faça uma doação para manter o Global Voices no ar!

Cobrimos 167 países. Traduzimos em 35 idiomas. Somos o Global Voices.

Somos mais de 800 colaboradores trabalhando juntos em todo o mundo para oferecer aos nossos leitores notícias que são difíceis de encontrar em veículos tradicionais. Não podemos, porém, fazer tudo isso sozinhos. Embora a maioria de nós seja voluntária, ainda precisamos de sua ajuda para apoiar os nossos editores, tecnologias, projetos de extensão e defesa de direitos online, além dos eventos de nossa comunidade.

Doe agora »
GlobalVoices em Leia mais »

Índia: Estupro coletivo em Delhi causa furor no país

[Todos os links conduzem para páginas em inglês]

No dia 16 de dezembro, uma mulher de 23 anos foi despida, espancada e estuprada em um ônibus em movimento no sul de Delhi, Índia, causando choque e indignação no país.

A vítima e seu companheiro, que também foi espancado com uma barra de ferro, foram expulsos do ônibus e jogados seminus perto do viaduto Mahipalpur, em Delhi. Atualmente, ela está no hospital com ferimentos graves.

A vítima, uma fisioterapeuta e seu companheiro, um engenheiro de software de 28 anos, estavam voltando do cinema quando entraram no ônibus de luxo privado que estava a caminho de Dwarka. O motorista do ônibus, juntamente com seis outros homens, violentaram em grupo a mulher. A polícia rastreou o ônibus e prendeu quatro pessoas.

Todos os anos, centenas de estupros são registrados em Delhi e centenas mais não são relatados. Na Índia, estupro é considerado um tabu – o que leva a poucos casos serem registrados. Este caso levantou muitas perguntas sobre segurança pública na capital indiana.

O tema tem sido o assunto na cidade e também foi discutido no parlamento. Mas a maioria do burburinho foi encontrado nas mídias sociais.

Talvez o status publicado no Twitter de Moonmoon Ghosh represente melhor a frustração:

@mooninanfield (Moonmoon Ghosh): Scary to be a woman in #Delhi. Actually, in whole of India. Sick. http://www.ndtv.com/article/cities

@mooninanfield (Moonmoon Ghosh): É assustador ser uma mulher em #Delhi. Na verdade, em toda a Índia. Doentio. http://www.ndtv.com/article/cities
Posters from the Delhi Slutwalk.

“Dê-nos Liberdade, nâo Medo”. Cartazes da Marcha das Vadias, em Delhi. Imagem de Rahul Kumar. Copyright Demotix (30/07/2011)

Mais reações no Twitter:

@vanithaj: Delhi rape victim intestine and private parts hurt badly-doctors report. Is death punishment right for accused? No, hurt their private parts

@vanithaj: O intestino e partes íntimas da vítima de estupro em Delhi estão muito machucadas, disseram os médicos. Pena de morte é o correto para os acusados? Não, machuquem as partes íntimas deles.

@ArvindKejriwal7 (Arvind Kejriwal):635 rapes regd in delhi during 2012. Anyone punished so far? No? Doesn't it encourage such crimes? Each rape case shud be decided in 1 month

@ArvindKejriwal7 (Arvind Kejriwal): 635 estupros registrados em Delhi em 2012. Alguém punido até agora? Não? Isso não encoraja tais crimes? Cada caso de estupro deveria ser decidido em 1 mês

@anandmahindra (Anand Mahindra): The right measure of anger has built up in response to the Delhi gangrape. Media&social media need to sustain relentless pressure for action

@anandmahindra (Anand Mahindra): A medida certa de raiva se acumulou em resposta aos estupros coletivos de Delhi. A mídia e as mídias sociais precisam manter uma pressão implacável para ação

@JusticeForWomen: #RAPE is not a #DELHI problem. Women and very young girls are raped EVERYDAY and EVERYWHERE in #India – The issue needs NATIONAL focus.

@JusticeForWomen: #Estupro não é um problema de #Delhi. Mulheres e meninas são estupradas TODOS OS DIAS e EM QUALQUER LUGAR na #Índia – O problema precisa de um foco NACIONAL.

Uma Mulher na Índia de Hoje está furiosa:

This is not the first time it has happened. It will not be the last!
It will happen again, and again, and again, multiple times in a day, across this great, goddess-worshipping nation called India. [..]
Rapes happen in India, because we are a callous nation.

Esta não é a primeira vez que aconteceu. Não será a última!
Vai acontecer de novo, e de novo, e de novo, múltiplas vezes em um dia, nesse grande país devoto a deusas chamado Índia. [..]
Estupros acontecem na Índia porque somos uma nação insensível.

Uma Dona de Casa indiana tem muitas perguntas:

What do you think made these rapists in Delhi so fearless? [..]

Do you think our society really sees rapists as serious criminals? Many of us seem to see rape as something that happens when a rapist is not able to control himself. It seems we have special standards for judging sexual criminals, and rapists know this.

O que você acha que fizeram esses estupradores em Delhi não ter medo?[..]

Você acha que nossa sociedade realmente vê estupradores como criminosos de verdade? Muitos de nós enxergam o estupro como algo que acontece quando um estuprador não é capaz de controlar a si mesmo. Parece que temos padrões especiais para julgar crimes sexuais, e estupradores sabem disso.

Lakshmi Chaudhry escreve:

Each time a sensational rape hits the headlines, each time a politician opens his or her mouth, it is an unwelcome reminder of this other India, of our slower, more dangerous twin that stubbornly refuses to grow or change. It is also irrefutable evidence that it is our world that is not entirely real, existing solely in a carefully guarded bubble built on the delusion of safety. A bubble that can be breached at will by the other India that we try so hard to insulate ourselves from.

Cada vez que um estupro sensacionalista chega às manchetes, cada vez que um político abre sua boca, é uma infeliz lembrança desta outra Índia, de nosso gêmeo mais devagar, mais perigoso que teimosamente se recusa a crescer ou a mudar. É também uma evidência irrefutável que é nosso mundo que não é inteiramente real, existindo somente em uma bolha cuidadosamente guardada, construída na ilusão da segurança. Uma bolha que pode ser rompida pela outra Índia que nós nos esforçamos tanto para se isolar.
Men participating at the Delhi Slutwalk.

Homens participantes na Marcha das Vadias em Delhi. Imagem de Rahul Kumar. Copyright Demotix

Ritu Lalit postou uma carta aberta a ativistas sociais, legisladores e agentes da lei. Um trecho:

I would like to draw your attention to the actual downtrodden of our country, our women. Why has the plight of our women escaped your notice? Why cant you froth in the mouth for them? The most public figures among you are women, and they freak about something that happened in 2002!

Eu gostaria de chamar sua atenção para os injustiçados reais de nosso país, nossas mulheres. Por que a condição de nossas mulheres escaparam de sua percepção? Por que vocês não ficam indignados por elas? As figuras mais públicas entre vocês são mulheres, e elas enlouqueceram com algo que aconteceu em 2002!

The Pregnant Thought opina:

The rape culture in delhi was not born yesterday. It is the illegitimate child of our unruly upbringing. Delhi hasn't failed. We have failed.

We have strict laws, we don't have proper implementation. More than stricter laws, we need a more open culture. What kind of culture is this where sex is a bad word, and rape is a norm.

What would it take for us to understand that “to address an issue, you need to undress it”

Wake up. Open up!

A cultura de estupro em Delhi não nasceu ontem. É o filho ilegítimo de nossa educação desregrada. Delhi não falhou. Nós falhamos.

Temos leis duras, e não as implementamos corretamente. Mais do que leis restritas, precisamos de uma cultura mais aberta. Que tipo de cultura é esta onde sexo é uma má palavra, e estupro é a norma.

O que é preciso fazer para entendermos que, para “lidar com um problema, é preciso despí-lo?”

Acorde. Abra-se!

Regiões do mundo

Países

Línguas