Fechar

Faça uma doação para manter o Global Voices no ar!

Cobrimos 167 países. Traduzimos em 35 idiomas. Somos o Global Voices.

Somos mais de 800 colaboradores trabalhando juntos em todo o mundo para oferecer aos nossos leitores notícias que são difíceis de encontrar em veículos tradicionais. Não podemos, porém, fazer tudo isso sozinhos. Embora a maioria de nós seja voluntária, ainda precisamos de sua ajuda para apoiar os nossos editores, tecnologias, projetos de extensão e defesa de direitos online, além dos eventos de nossa comunidade.

Doe agora »
GlobalVoices em Leia mais »

Venezuela: A Era Chávez Se Estende por Mais Seis Anos

Este post foi escrito em colaboração com Jessica Carrillo. [Todos os links levam a sites em espanhol, a não ser quando especificados]

Depois das eleições mais intensas das últimas décadas, a Venezuela vai somar seis anos mais à gestão que começou em 1999 com Hugo Chávez Frías. O movimento nas redes sociais — e particularmente no Twitter — foi bastante intenso, especialmente momentos antes do anúncio oficial dos resultados.

Do lado que apoia o presidente, os tweets expressam alegria e satisfação; já entre os que seguiam a proposta de Henrique Capriles, há uma mistura de sentimentos de decepção com profundas convicções de que as mudanças serão possíveis no futuro.

Em uma leitura detalhada, a imagem de um país dividido em dois pode ser mais nítida que antes. As separações entre as diferentes camadas da sociedade continuam sendo marcadas como parte do discurso.

Simpatizantes de Hugo Chávez durante evento de campanha de 11 de junho, 2012, em Caracas. Foto de Sergio Alvarez, copyright Demotix.

Adriana (@SombreroRojo) diz:

@SombreroRojo: Sigan! sigan el discursito de inclusión tipo: tierruos [apelativo despectivo usado contra la gente que vive en los barrios], brutos, analfabetas. Tendremos Chávez como… 30 años mas? sí, facil!

@SombreroRojo: Olhem! Olhem o discursinho de inclusão, tipo: tierruos [apelido depreciativo usado contra pessoas que vivem nas favelas], brutos, analfabetos. Teremos Chávez por… 30 anos mais? Sim, fácil!

Enquanto isso, MariAzul (@Mariazul84) escreve:

@Mariazul84: Asi con desprecio, con asquito, con arrogancia y todo, se tienen que calar que los tierruos les elija el presidente a la “gente nice”.

@Mariazul84: Assim com desprezo, nojinho, com arrogância e tudo, eles têm que aceitar que os tierruos escolham o presidente da “gente nice”.

Já o usuário @Racksonador pede para parar os discursos alarmistas:

@Racksonador: Y dejen de estar diciendo que van a matar a la gente o que los mataran y que se van a ir del país. LISTO SE ACABO #ElcomandanteSeQueda

@Racksonador: E deixem de dizer que vão matar as pessoas, ou que as matarão e que vão sair do país. PRONTO ACABOU. #Ocomandantefica

Pelo lado da oposição, há agradecimento a Henrique Capriles pelo seu trabalho de campanha, críticas ao oportunismo do presidente e denúncias de graves irregularidades nos dias da campanha eleitoral.

Do mesmo modo, muitos também pedem reflexão para seguir a luta e levar em conta que, apesar de a vitória não ter sido alcançada nestas eleições, os líderes da oposição contam agora com uma unidade organizada que permitirá um trabalho mais coeso e eficiente nos próximos anos.

Fedosy Santaella (@Fedosy) escreve:

@Fedosy: Capriles seguirá sirviendo, yo seguiré escribiendo. Mi país es mi país. No soy menos venezolano, ni soy menos escritor.

@Fedosy: Capriles vai continuar servindo, eu continuarei escrevendo. Meu país é meu país. Não sou menos venezuelano, nem sou menos escritor.

Moraima Guanipa (@haticos) diz:

@haticos: Reconoceré el triunfo de Hugo Rafael Chávez Frías pero jamás aplaudiré la forma ventajista, abusiva y manipuladora con la que se impuso.

@haticos: Reconhecerei o triunfo de Hugo Ragael Chávez Frías, mas jamais vou aplaudir a forma oportunista, abusiva e manipuladora como ele se impôs.

@upallove, por outro lado, expressa decepcionada os resultados desta e de outras eleições presidenciais:

@upallove: En Argentina gano Cristina. En México gano Peña Nieto. En Venezuela gano Chavez. En Latino América gano la ignorancia.

@upallove: Na Argentina, ganhou Cristina. No México, ganhou Peña Nieto. Na Venezuela, ganhou Chavez. Na América Latina, ganhou a ignorância.

Andrea (@DynamiteAndre) aponta, como muitos outros, sua preocupação com o uso de armas durante a celebração:

@DynamiteAndre: “¡VIVA CHÁVEZ!” seguido del sonido de muchos tiros seguidos. No, amigo chavista. No vas a poder convencerme de que esto está bien.

@DynamiteAndre: “Viva Chávez!” seguido do som de muitos tiros em sequência. Não, amigo chavista. Não poderás me convencer de que isto está bem.

Depois de examinar as numerosas mudanças que aconteceram na noite das eleições, uma ideia surge no debate: a necessidade do reconhecimento para a superação da grande diferença de classes e a autocrítica necessária para cada um de seus atores. Luis Carlos Díaz (@LuisCarlos) apontou essa necessidade que se destaca como resultado destas eleições:

@LuisCarlos: Empieza la competencia por el reconocimiento del otro

@LuisCarlos: A competição começa pelo reconhecimento do outro.

Luis Carlos enfatizou também um feito da reflexão necessária para todas as tendências:

@LuisCarlos: El presidente Chávez gana por cuarta vez una elección presidencial y tendrá un periodo 1999-2019

@LuisCarlos: O presidente Chávez ganha pela quarta vez uma eleição presidencial e terá um período 1999-2019.

Do lado da base do governo, Gabriel López (@GaboVzla) diz:

@GaboVzla: El triunfo que ya todos conocemos merece tambien profundas reflexiones,que sin duda vendran.Hoy,a celebrar y a fortalecer nuestra democracia

@GaboVzla: O triunfo que todos já conhecemos merece também profundas reflexões, que sem dúvida virão. Hoje, temos que celebrar e fortalecer nossa democracia.

Muitas perguntas ficam abertas e muitas opiniões mais ocuparão as conversas esta semana na blogosfera venezuelana.

  • padre Geraldo Silva

    como é triste vê em pleno século XXI pessoas que ainda apoia um ditador, um tirano. quem nasceu pra ser dominado nunca aceitará liberdade. onde existe dominador os dominados se acovarda.

Regiões do mundo

Países

Línguas