Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Bahrein: Onde está Abdulhadi Alkhawaja?

Há alguns dias não se tem notícia do ativista pelos direitos humanos e líder da oposição baremense, Abdulhadi Alkhawaja, que se encontra preso e estava em greve de fome [en] desde o dia 8 de fevereiro de 2012. Teme-se que Alkhawaja [en], sentenciado à prisão perpétua desde o ano passado [en] e submetido, declaradamente, à tortura física e sexual enquanto em detenção, esteja agora ou sendo alimentado à força ou em condição crítica de saúde.

Greve de Fome

No dia 8 de fevereiro, Alkhawaja iniciou uma greve de fome e deixou claro que não a interromperia enquanto não fosse libertado. De acordo com sua família, ele os vinha preparando para aceitar sua morte. Desde o dia 23 de abril, a família de Alkhawaja não recebe notícias dele [en], e solicitações para visitá-lo foram negadas pelas autoridades. A preocupação cresce, e milhares têm tuitado usando a hashtag #WhereIsAlKhawaja [en] [OndeEstáAlkhawaja, em inglês], exigindo uma resposta imediata por parte do governo. Organizações dos Direitos Humanos ao redor do mundo, incluindo a Front Line Defenders [en] [Defensores de Linha de Frente, em inglês], uniram suas chamadas por informações sobre Alkhawaja.

Os tweets amorosos de Khadija

Abdulhadi Alkhawaja e sua esposa Khadija Almousawi. Avatar no Twitter de Khadija Almousawi (@tublani2010).

Khadija Almousawi, esposa de Alkhawaja, faz uso de sua conta no Twitter (@tublani2010) para enviar mensagens endereçadas a seu marido. Em um tweet, ela faz menção a sua filha Zainab, que tuíta como @angryarabiya e se encontra, no momento, detida depois de seu protesto solitário a favor do pai:

@tublani2010: Dear Hadi, Today we did not need to expand our dinning table. the family has shrunk. Zainab is in jail. Ur absent and missing too.

Querido Hadi, Hoje não tivemos necessidade de abrir nossa mesa de jantar. a família encolheu. Zainab está na cadeia. Você está ausente e fazendo falta também.

Em outros tweets ela diz:

@tublani2010: Dear Hadi, I hear officials telling me that u r ok. But i need to hear it from u. U never lie. They always do. Why cant u call me?

Querido Hadi, ouço autoridades do governo dizerem que você está bem. Mas preciso ouvir isto de você. Você nunca mente. Eles sempre mentem. Por que você não me telefona?

@tublani2010: Dear Husband: U continue ur fight for freedom from ur bed in where ever u r. If ur still here.

Querido Marido: Continue sua luta por liberdade de sua cama onde quer que esteja. Se você ainda se encontra aqui.

@tublani2010: Dear Hadi, I stand by u 100% and I will keep supporting u 100%, I just miss u. Miss ur smile, Miss ur kindness

Querido Hadi, Eu defendo você 100% e continuarei a dar apoio a você 100%, eu apenas sinto sua falta. Sinto saudades de seu sorriso, sinto falta de sua bondade.

Solidariedade Baremense

Muitos baremenses temem pelo estado de saúde de Alkhawaja, mesmo aqueles, como o blogueiro Suhail Algosaibi, que previamente haviam discutido com Zainab Alkhawaja [en]:

@SuhailAlgosaibi: If Abdulhadi passes away it will be a disaster in #bahrain. #WhereIsAlKhawaja

Se Abdulhadi morrer será um desastre para #bahrain. #OndeEstáAlKhawaja

O cartunista baramense Ali Al Bazzaz criou uns tantos trabalhos sobre Alkhawaja e este abaixo, que mostra Alkhawaja com Gandhi e Mandela, foi amplamente retuitado.

Alkhawaja com Gandhi e Mandela. Imagem de @bazzaz32

Alimentado à força?

Maryam Alkhawaja, outra das filhas de Abdulhadi que mora no exílio, demonstra seu temor [en] quanto a seu pai estar ou em condições deploráveis de saúde ou estar sendo alimentado à força. Ela disse, “Sei que meu pai não iria, de vontade própria, beber ou comer qualquer coisa; sendo assim, se ele está ingerindo alguma coisa, só pode ser à força.” O debate sobre a situação de Alkhawaja foi ainda mais impulsionado por uma recente entrevista [en] com o primeiro ministro do Bahrein. Ele chamou os manifestantes no Bahrein de terroristas, afirmou que não iria tolerar interferência do Ocidente nos assuntos do Bahrein e disse que Alkhawaja está bem e está ingerindo líquidos.