Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Brasil: Nióbio, Riqueza Nacional a Preço de Banana

O nióbio está entre os metais mais utilizados mundialmente, e o Brasil detém grande parte das reservas mundiais deste minério. Porém, a exploração nacional  levanta questionamentos sobre o total valor arrecadado por empresas privadas e órgãos públicos.

De acordo com o blog Nióbio do Brasil, inteiramente dedicado a este metal,

a aplicação mais importante do nióbio é como elemento de liga para conferir melhoria de propriedades em produtos de aço, especialmente nos aços de alta resistência e baixa liga usados na fabricação de automóveis e de tubulações para transmissão de gás sob alta pressão.

Gravura da Tabela Periódica com a figura da mitologia grega Níobe, que inspirou a denominação do elemento Niobium Nb41. Copyright Annette Haines (usada com permissão).

Gravura da Tabela Periódica com a figura da mitologia grega Níobe, que inspirou a denominação do elemento Niobium Nb41. Copyright Annette Haines (usada com permissão).

O metal dúctil, representado pelo símbolo Nb e número atômico 41, apresenta ótima resistência e pode ser encontrado também em turbinas a jato para aviões, assim como na indústria naval e tubulações de grandes diâmetros utilizadas na construção civil. Devido a sua crescente exploração e uso nos últimos anos, seu valor também tem oscilado.

De acordo com dados [en] publicados pelo governo Americano, o Brasil detém cerca de 95% das reservais mundiais de nióbio, sendo estas distribuídas nacionalmente pelos estados de Minas Gerias, Amazonas e Goiás. Roberto Silva, autor do site Economia BR, descreve que,

analisando o total de reservas nacionais de nióbio, (…) com relação a soma de suas reservas medidas, indicadas e inferidas, aponta em primeiro lugar o Amazonas, cujas reservas de nióbio apresentam 82,7% do total do país e estão localizadas no município de São Gabriel da Cachoeira.

O minério vem sendo comercializado a um preço [en] de 44,00 dólares americanos/kg. Por comparação, em 2007, o mesmo metal era comercializado a uma média [en] de 52,00 dólares americanos/kg.

Imagem de Greg Robson (CC BY-SA 2.0)

Imagem de Greg Robson (CC BY-SA 2.0)

Em 2006, a produção mundial do nióbio foi estimada [en] em 59,900 toneladas – sendo que o Brasil produziu 56,000 deste total. Já em um artigo publicado na página [en] de empresa de mineração Canadense Taseko Mines Limited, afirma-se que atualmente,

There is a growing demand for niobium. Global annual consumption of ferro niobium is over 200 million pounds per year and growing at 5-7% per year.

Existe uma crescente demanda pelo nióbio. Consumo anual global de nióbio é  acima de 200 milhões de libras por ano, e crescendo a  5%-7% anualmente.

200 milhões de libras correspondem a aproximadamente 90,718 toneladas. Ou seja, enquanto o valor médio de venda diminuiu nos últimos cinco anos, sua exploração e consumo aumentou mundialmente.

Em um artigo escrito por Victor Tagora para a Revista Meio Ambiente, e que alerta sobre o papel estratégico do nióbio na economia nacional, o autor relata que,

fontes dignas de atenção indicam que o minério de nióbio bruto era comprado no garimpo a 400 reais/quilo, cerca de U$ 255,00/quilo (à taxa de câmbio atual e atualizada a inflação do dólar)

Pedaço do cabo supercondutor feito da liga metálica nióbio-titânio. Foto de Swamibu (CC BY-NC 2.0)

Pedaço do cabo supercondutor feito da liga metálica nióbio-titânio. Foto de Swamibu (CC BY-NC 2.0)

Apesar de o valor estar muito mais acima do que outros indicadores internacionais, o autor concluiu que

se o Brasil exportasse o minério de nióbio a esse preço, o valor anual seria US$ 15.300.000.000 (quinze bilhões, trezentos milhões de dólares). Se confrontarmos essa cifra com a estatística oficial, ficaremos abismados ao ver que nela consta o total de US$ 16,3 milhões (0,1% daquele valor), e o peso de 515 toneladas ( menos de 1% do consumo mundial).

Mesmo se calcularmos a quantia final tomando por base o valor de 44,00 dólares americanos/kg, e levando em conta 95% da produção mundial estimada, chegaríamos a um valor de US$ 3.792.000.000/ano. Essa grande variação de valores tem a ver com o fato de o metal não ser cotado em bolsa de mercadorias, como a London Metal Exchange – e sim por preços fechados em transações entre companhias.

Mina de Nióbio em Araxá, Minas Gerais. Foto da Revista Decifra-me.

Mina de Nióbio em Araxá, Minas Gerais. Foto da Revista Decifra-me.

Edvaldo Tavares, Médico e Diretor Executivo do Sistema Raiz da Vida, esclarece no site Revista Decifra-me, que

Nas jazidas de Catalão e Araxá o nióbio bruto, extraído da mina, custa 228,57 dólares e é vendido no exterior, refinado, por 90 dólares. Como é que pode ocorrer tal tipo de transação comercial com total prejuízo para a população do país, é muito descaso com as questões do país e o desinteresse com o bem-estar do povo brasileiro.

No próprio site do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, dados sobre a  balança comercial brasileira relatam os valores totais de exportação por commodities – entre eles alumínio e minério de ferro. O nióbio não consta na lista.

Obviamente, que toda exploração mineral precisa levar em consideração questões ambientais e impacto social. Porém, com toda esta riqueza em solos brasileiros, parece inevitável o questionamento sobre quem está sendo explorado através do nióbio.

  • Isabel

    Ola Fernando! Otima reportagem, parabens! Nao conhecia este metal. Eh lamentalvel saber mais uma vez da exploracao que ocorre no nosso Brasil!
    Abracos….Isabel

  • Eliane

    Oi Fernando! Parabéns pela reportagem, fiquei surpresa, pois nem conhecia esse metal.

  • Euclides F. Vale junior

    Bom dia Fernando
    Gostei de receber sua reportagem sobre o Niobio, e da forma que estão explorando o mesmo.
    VALE u

  • Murilo

    Olá Fernando! Parabéns pelo trabalho!
    Realmente muito interessante!

  • http://www.ilustramarcel.blogspot.com Marcel

    Simplesmente o Brasil continua a ser colonizado, porem, de uma maneira mais moderna. Esse metal e seus subprodutos tem uma aplicacão fundamental em diversas industrias e por mais uma generosidade do Criador, 95% das jazidas conhecidas estão em solo brasileiro. A classe politica brasileira adora criar impostos pra poder sustentar a incompetencia administrativa e a corrupcão. Por que não criam um imposto sobre todo o minerio exportado? O minerio e as outras riquezas naturais(que restaram) no Brasil deveriam servir como base de investimentos sociais que a populacão tanto necessita. Essas riquezas naturais apenas contribuem para o enriquecimento de pequenos grupos de pessoas… enquanto a educacão a saude e todos os servicos publicos em geral, são absurdamente RUINS!! Pouco(ou nada) se fala sobre a questão do Niobio, pois os interesses dos grupos que lucram com essa mina de ouro, estão ligados ao patrocinio de grandes grupos de comunicacão e partidos politicos.

  • http://www.facebook.com/Andrier.mundim Elvis Andriér

    …sacanagem éh essa, que estão fazendo com o patrimonio dos brasileiros, eu mesmo não conhecia essa metal Nióbio, e os politicos como sempre metendo a mão em td o dinheiro do povo Brasileiro sacanagem… uma boa reportagem Fernando, um abraçoo.

  • Norberto Rosenhahn

    Sua apresentação é equivocada em muitas partes.
    01. O interesse do Brasil não é exportar minério de nióbio.
    02. O principal produto de exportação é Ferro-Nióbio que rendeu ao Brasil em 2011 US$ 1,8 bilhões.
    03. No garimpo se vende Tantalita-Columbita cujo valor varia de acordo com o teor de pentóxido de Ta. Verifique o preço em Governador Valadares – MG. Duvido que seja um preço tão alto como sua fonte digna diz.
    04. As reservas gigantescas brasileiras são em forma de pirocloro.
    05 O Brasil pode abastecer o mundo sozinho, se não tivesse alguns outros fornecedores no exterior.
    06. Os americanos não precisam se preocupar pois já são sócios da CBMM

    Tudo não passa de histeria de sua parte

  • ksminussi

    O Senado Federal do Brasil já sabia de posíveis irregularidades na extração de Nióbio no Brasil desde 2005, através de um Requerimento Interno do Senado Federal, N˚ 1.495 de 2005, solicitando explicações e maiores investigações ao Ministro de Minas e Energia do Brasil sobre as denúncias apresentadas durante a CPI dos Correios e a CPI do Mensalão.

    O requerimento consta no site do próprio Senado Federal do Brasil, nos links abaixo:

    http://www.senado.gov.br/publicacoes/diarios/pdf/sf/2005/12/15122005/45193.pdf
    http://www.senado.gov.br/publicacoes/diarios/pdf/sf/2005/12/15122005/45194.pdf

  • Alvino Pinheiro

    AONDE ESTA AS AUTORIDADES BRASILEIRAS, que deixa a INGLATERRA colocar preços  em minério do  brasil.. daí a conclussão os ingleses que mantem e pagam todos estas  ongs, wwf   greenprecee e outras, pra iludir e enganar os desavisados brasileiros com a safadagem de criar parque, territorios indigenas, dizendo preservar a amazonia, enganm governos, interferem na soberania brasileira, e muitos babacas aplaudem…proximo passo  criar orgão na  O N U  , com fins internacionalizar a amazonia, ADEUS BRASIL GIGANTE…acorda forças armadas….só voces pra frear este entreguismo, disfarçado de proteção do meio ambiente….universdades, cantores, intelectuais todos nesta onda verde dos eco-terroristas a serviço da EUROPA.

  • Digo Supersurf

    Você está de parabéns por essa reportagem mas é lamentável ver mais uma pouca vergonha em nosso pais aonde os criminoso comandão abraços