Fechar

Faça uma doação para manter o Global Voices no ar!

Cobrimos 167 países. Traduzimos em 35 idiomas. Somos o Global Voices.

Somos mais de 800 colaboradores trabalhando juntos em todo o mundo para oferecer aos nossos leitores notícias que são difíceis de encontrar em veículos tradicionais. Não podemos, porém, fazer tudo isso sozinhos. Embora a maioria de nós seja voluntária, ainda precisamos de sua ajuda para apoiar os nossos editores, tecnologias, projetos de extensão e defesa de direitos online, além dos eventos de nossa comunidade.

Doe agora »
GlobalVoices em Leia mais »

África: Brancos podem ser africanos? Parte 1

Brancos podem ser africanos? O blogueiro sul-africano Sentletse Diakanyo acha que não [en]. Ele diz, “Historicamente, o termo ‘africano’ nunca teve significado ambíguo. Para os africanos hoje, ainda não há nenhuma ambiguidade. Africanos de todo o continente e os da diáspora entendem há muito tempo a definição, que é a de referir-se a eles como negros”.

Seu post entitulado “Não somos todos africanos, os negros é que são” gerou reações interessantes online, com as quais algumas pessoas concordam e outras acreditam que seus argumentos são separatistas.

Ele diz, “Você pode ser um africano de qualquer cor, desde que seja negro”:

Henry Ford once said, “You can have any colour as long as it is black”. Similarly, native inhabitants of Africa say, “You can be an African in any colour as long as he is black.” There has been a sudden demand for an African to come in a variety of colours. During days of slavery when an African was a commodity traded over the counter, there was never a demand for him in any colour but black. There is now an attempt in the 21st century to redefine the colour scheme of an African. Whites want to be classified as African.

Henry Ford já disse alguma vez, “Você pode ter qualquer cor, desde que seja o negro”. De modo parecido, habitantes nativos da África dizem, “Você pode ser um africano de qualquer cor, desde que seja negro”. Tem havido uma demanda repentina para que africanos se apresentem em uma variedade de cores. Nos dias de escravidão, quando o africano era uma commodity vendida no balcão, nunca houve demanda para que ele fosse de nenhuma cor, só negra. Há uma tentativa agora no século 21 de redefinir a cartela de cores dos africanos. Brancos querem ser classificados como africanos.

Sentletse argumenta que até mesmo Nelson Mandela, o primeiro presidente democraticamente eleito da África do Sul, entendeu o significado verdadeiro do termo “África”:

On the occasion of Nelson Mandela’s inauguration as the first democratically elected president of the Republic of South Africa, he said: “The South Africa we have struggled for, in which all our people, be they African, coloured, Indian or white, regard themselves as citizens of one nation is at hand.”

Na ocasião da posse de Nelson Mandela como primeiro presidente democraticamente eleito da República da África do Sul, ele disse: “A África do Sul pela qual nós lutamos – na qual todo o nosso povo, seja africano, de cor, indiano ou branco, se considere cidadão – está ao nosso alcance”.

No seu livro, Facing Mount Kenya [Encarando o Monte Quênia], o primeiro presidente do Quênia, Jomo Kenyatta, deixa claro que o termo “africano” designava os habitantes nativos da África:

“The African is conditioned, by cultural and social institutions of centuries, to a freedom of which Europe has little conception, and it is not in his nature to accept serfdom forever.” These are the words of Jomo Kenyatta, first president of Kenya, from the conclusion to his book Facing Mount Kenya in 1938. Kenyatta, too, does not appear to have suffered from the illusion that the term “African” referred to anybody else other than native inhabitants of Africa — the black people.

O africano é condicionando – por instituições culturais e sociais de séculos de existência – a uma liberdade da qual a Europa não tem muita noção, e não é da sua natureza aceitar a servidão para sempre”. Estas são as palavras de Jomo Kenyatta, primeiro presidente do Quênia, tiradas da conclusão do seu livro Facing Mount Kenya, em 1938. Kenyatta também não aparenta ter sofrido da ilusão de que o termo “africano” se referia a alguém além dos habitantes nativos da África – os negros.

Sentletse distingue entre identidade nacional e identidade racial:

While ancient and recent history confirms that whites are not Africans; the notion that they are persists, primarily born from the lack of distinction between racial and national identity. Europeans who migrated and settled Africa through naturalisation assumed the national identity of countries in which they adopted as their own. Their descendants in later generations through birth assumed the national identity of those countries, not the racial identity as Africans. They remained whites or Europeans, as oppressors of Africans saw themselves. No white person can either through birth or naturalisation assume an identity of African. African is not and has never been a national identity. Nowhere does a country called Africa exist.

Enquanto a história antiga e recente confirma que brancos não são africanos, persiste a ideia de que eles são, nascida primariamente da falta de distinção entre identidades racial e nacional. Europeus que migraram e se estabeleceram na África, num processo de naturalização, assumiram a identidade nacional dos países adotados por eles. Seus descendentes, em gerações posteriores, assumiram através do nascimento a identidade nacional desses países, mas não a identidade racial dos africanos. Eles continuaram brancos ou europeus, que é como os opressores dos africanos se auto-identificavam. Nenhum branco pode, nem por nascimento, nem por naturalização, assumir a identidade de um africano. “Africano” nunca foi nem nunca vai ser uma identidade nacional. Não existe nenhum país chamado África.

Nem mesmo os árabes do Norte da África são africanos:

Our historical revisionists who want to be reclassified as Africans and no longer as Europeans or white, tend to look north at Arab countries and claim, in their state of bewilderment, that Arabs are Africans, therefore, they too have the right to proclaim themselves African. Perhaps it is the lack of historical knowledge that leads some to conclude that Arabs are Africans. The term “Arab” denote the racial identity of people from the Arabian Peninsula who conquered Egypt (then part of the Byzantine Empire) and Libya in the AD 600s and ended up controlling much of the northern part of Africa, including Algeria, Tunisia and Morocco. Therefore, Arabs are not Africans.

Nossos revisionistas históricos que querem ser classificados como africanos e não mais como europeus ou brancos, tendem a olhar para o norte, para os países árabes, e alegam, no seu estado de desorientação, que árabes são africanos e, portanto, também têm o direito de se proclamar africanos. Talvez seja a falta de conhecimento histórico que leva alguns deles a concluir que árabes são africanos. O termo “árabe” denota a identidade racial do povo da Península Arábica que conquistou o Egito (então parte do Império Bizantino) e a Líbia no século 600 a.C. e acabou controlando boa parte do norte da África, incluindo a Argélia, Tunísia e Marrocos. Portanto, árabes não são africanos.

africâner, uma língua germânica falada na África do Sul e na Namíbia, não é uma língua africana:

It is puzzling that whites readily accept African languages to be exclusively those commonly known as black languages; yet they cannot accept that the description “African” exclusively refers to Black people. The notion that Afrikaans is an African language is as ridiculous as any claim to Africanism by the progeny of European settlers. Afrikaans by its origin is bastardised Dutch and as some say, “another form of Fanagalo” [en]. It is not an African language in the same manner that Arabic-dialect in Egypt is not an African language.

É muito confuso que os brancos aceitem facilmente que línguas africanas sejam somente aquelas comumente conhecidas como “línguas negras”; e mesmo assim não consigam aceitar que o termo “africano” se refira somente aos negros. A ideia de que o africâner é uma língua africana é tão ridícula quanto qualquer demanda de africanidade por parte da descendência de ocupantes europeus. O africâner, em sua origem, é um holandês bastardo e, como alguns dizem, “uma outra forma de Fanagalo“. Não é uma língua africana, do mesmo modo que o dialeto arábico no Egito não é uma língua africana.

Quando este texto foi escrito, o post de Sentletse tinha 281 comentários. Vamos dar uma olhada em alguns deles:

Perry Curling-Hope diz:

I was born in South Africa and so were my parents and their parents. That makes me African!!! (I’m a so-called coloured by the way, not white).

If you’re gonna use this argument then we might as well go all the way back to the first humans. that makes us all African.

I think this idiotic blog amounts to hate speech and it typical neo-African racism.

Eu nasci na África do Sul, assim como meus pais e os pais dos meus pais. Isso faz de mim africana!!! (a propósito: eu sou, como dizem, “de cor” e não branca).

Se você for usar este argumento então também podemos ir mais longe e chegar aos primeiros humanos. Isso nos faz todos africanos.

Eu acho que este blog idiota equivale a um discurso de ódio e é o típico racismo neo-africano.

wannaknow diz:

I’m white. I was born in Africa. So were my parents. And grandparents. I can trace my lineage, both maternally and paternally, back to 7 generations born in Africa before we start finding Europeans. My family has been here longer than most Americans have baan in America, and yet, they have the right to call themselves “American”.

I’ve never been to europe – nevermind have an ancestry there.

You remove my right to call myself an African – yet, I cannot call myself European. Then what am I? Are you so bold as to devoid me of any identity? Am I to live seasonless in this world where neither Africa nor Europe would take me?

I am white. I am an African. If this bothers you, then its your mind that is narrow, not mine.

Sou branco. Nasci na África. Meus pais também. Meus avós também. Poderia traçar minha árvore genealógica, tanto materna como paterna, umas 7 gerações para trás nasceram na África antes de que começássemos a encontrar europeus. Minha família está aqui há mais tempo que a maior parte dos americanos está na América, e ainda assim, os que vivem lá têm o direito de dizer que são “americanos”.Eu nunca fui à europa – de nada vale ter ancestralidade lá.

Você tira o meu direito de me dizer africano – mas eu também não posso me dizer europeu. O que eu sou então? Você é tão atrevido a ponto de me negar qualquer identidade? Estou condenado a viver sem rumo num mundo onde nem a África nem a Europa me aceitariam?

Eu sou branco. Eu sou africano. Se isso te incomoda, então é a sua mente que é pequena, não é minha.

Christopher diz que não é africano, mas que pertence à África:

Being a person of no colour, I LOVE this! makes absolute sense… the facts are ’spot on’… it’s logical and well thought through. I’m not an African but know for sure that I *belong* in Africa…

EU AMO ser uma pessoa sem cor! Faz todo sentido do mundo… os fatos são certeiros… tudo lógico e bem pensado. Eu não sou africano, mas saiba que com certeza eu *pertenço* à África…

X Cepting diz que ninguém pode se declarar dono do termo “africano”:

I am Indian and African. Period. I was born on this continent, and have never been to India. You have no ownership over the term, and I am comfortable using it to describe me.

Eu sou indiano e africano. Ponto. Nasci neste continente e nunca fui à Índia. Você não é dono do conceito e eu me sinto muito confortável usando-o.

yeahboet diz:

I was born in Zambia (only lived there for 2 years), of white South African parents, I consider myself a South African. If asked by foreigners for my nationality, I am a South African and if necessary to qualify further – a white South African.

I don’t classify myself as a European though, as I don’t belong in Europe. However, I also don’t classify myself as an African as I agree with Sentletse, there may not be a universal definition but we all know what we understand by African. Ask any citizen of America to classify themselves and they will say “American” but we all know they actually mean USA American not all America in the geographic sense.

I don’t understand the problem I am happy to be a South African – hela!

Eu nasci no Zâmbia (só vivi lá por dois anos), de pais Sul-africanos, me considero sul-africano. Se estrangeiros me perguntarem minha nacionalidade, sou sul-africano e, se precisar especificar mais – um branco sul-africano.

No entanto, não me classifico como europeu, porque não pertenço à Europa. Não obstante, também não me classifico como africano, porque concordo com Sentletse, pode não haver uma definição universal, mas todos nós sabemos o que entendemos por “africano”. Pergunte a qualquer cidadão da América como classificam-se a si mesmo e eles vão dizer “americanos”, mas todos sabemos que eles querem dizer “americanos dos Estados Unidos” e não toda a América, no seu sentido geográfico.

Eu não entendo qual é o problema, estou feliz de ser sul-africano – hela!

Verdadeiro sul-Africano é descendente dos Khoisan:

Sentletse,
With your logic, it is equally true that no African has the right to call himself South African unless he is descended from the Khoi-San. They were the only tribes in this area until they were invaded and dispossessed of their land.

Sentletse,
De acordo com a sua lógica, é igualmente verdade que nenhum africano tem o direito de se auto denominar “sul-africano”, a não ser que seja  descendente dos Khoisan. Eram as únicas tribos nesta área até que foram invadidas e destituídas de suas terras.

MoBear diz:

Fine you’re an African and I am an European – now what?

Tá bom, você é africano e eu sou europeu – e aí?

Nascer na China não faz de ninguém chinês:

I am with you on this one Sentletse,to be born in China does not make one a Chineese. And besides,if the forms at Home Affairs classify blacks as Africans,then we are not all African,Black people are.

Estou com você nessa, Sentletse, nascer na China não faz de ninguém chinês. E além disso, se os formulários de Assuntos Internos classificam negros como africanos, então não somos todos africanos, só os negros são.

Regiões do mundo

Países

Línguas