Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Madagascar: A Voz de Uma Jovem Blogueira e Tradutora

Durante o Summit 2010 do Global Voices no Chile [en], uma jovem de Madagascar me perguntou se eu realmente era do Japão, país que diz ser apaixonada por tudo, incluindo idioma, cultura e especialmente sushi. Eu fiquei impressionada que ela conseguia falar melhor japonês que eu, mesmo eu estando morando no país há dois anos já.

O nome dela é Radifera Felana Candy, tradutora do Global Voices Lingua Malagasi. Com apenas 15 anos de idade, Candy é provavelmente o membro mais jovem do time do Global Voices. Sua participação no Global Voices não só melhorou suas competências linguísticas, mas também permitiu a ela promover a lingua de seu país, Malagasi. Candy, que cursa o ensino médio, quer se aprofundar em infographics  na faculdade espera que seu blog possa ser uma ferramenta de mudança social. Este tipo de iniciativa na blogosfera é louvável [en].

Candy com seu pai, Maminirina Radifera Ranaivoson (esquerda); Leonard Chien, Diretor do Projeto Lingua do Global Voices; e Arcebispo John Baptist Odama de Uganda, um dos ganhadores do Breaking Borders Award

Entrevistei Candy por e-mail sobre sua vida pessoal e atividades na blogosfera:

1. Conte um pouco sobre você:

Eu sou RADIFERA Felana Candy, 15 anos de idade, nascida em Madagascar. Estou no segundo ano do ensino médio. Aprendi japonês durante meu primeiro ano, mas naquela época estava somente fazendo algumas aulas pela Internet. Resolvi fazer o curso do idioma um ano depois.

2. Desde quando você bloga? Por que?

Fiquei sabendo sobre a blogosfera primeiro pelo Projeto “Foko Madagascar”. Participei de um treinamento de blog que eles organizaram. Eu blogo desde 2007, mas nesta época não era muito ativa. Eu não tinha internet em casa e não fazia ideia sobre o que escrever. Comecei a blogar porque sempre gostei de escrever histórias desde muito pequena.

3. Com que tipo de blog você começou?

Eu escrevia sobre meu dia-a-dia, sobre as coisas que me surpreendiam, me interessavam ou me deixavam zangada.

4. Sua família é aberta para novas tecnologias? Eles apoiam suas atividades online?

Sim, porque meus pais trabalham com computador, especialmente meu pai, que é apaixonado por fotografia. Meu pai também é um blogueiro muito ativo. Desde que eu não fale de política, está tudo bem, porque aqui em Madagascar, especialmente durante a crise, politica é um assunto muito delicado.

5. O que você mais gosta em blogar?

Blogar permite que eu compartilhe minha opinião com outros, deixar que saibam o que está acontecendo em minha vida e na minha comunidade. Eu valorizo este tipo de oportunidade de compartilhar algo sobre mim com outros, e interagir com outros leitores. Mas além de escrever, eu também gosto de criar meu próprios banners, editar fotos, mesmo que não seja tão habilidosa com essas coisas ainda.

6. O que pensa sobre a blogosfera em Madagascar?

O acesso a blogs é bem limitado em Madagascar, já que 1 ou 2% da população tem acesso à internet por conta do preço. Mas eu sei que tem muitas pessoas que querem muito blogar. Se conseguirmos melhorar o acesso à internet, acredito que a blogosfera possa contribuir para mudar o modo de vida do povo de Madagascar.

7. Qual a sua expectativa em blogar para você e sua comunidade?

Espero atrair mais pessoas ao blog, ou talvez que eu possa conseguir conhecer a visão de algumas pessoas compartilhando a minha, especialmente sobre blogs. Eu lembro que quando contei a alguns amigos sobre blogar, disseram que era perda de tempo.

8. Você é uma tradutora para o Global Voices Lingua Malagasi. Como está a sua atuação agora no GV?

GV é uma grande comunidade, é um grande website, e é raro que esse tipo de website seja traduzido para Malagasi. Malagasi não é um idioma muito conhecido e é uma honra para mim traduzir artigos do GV para a minha lingua. É também uma forma de melhorar minha habilidade tanto com o inglês quanto o Malagasi. E depois que fui ao Summit, me sinto mais motivada para traduzir. Adoro fazer isso. O GV se tornou algo muito importante para mim e eu tenho orgunho de fazer parte desta comunidade.

9. Como se vê no futuro?

Quando terminar a escola, vou estudar TI ou inforgraphics (gráficos informacionais). E espero também estar mais envolvida com o GV.

10. Qual é a sua mensagem para os internautas?

Sejam mais abertos ao mundo. Blogar é uma forma fácil de compartilhar a sua opinião. Nunca é uma perda de tempo, especialmente se você escreve algo interessante e útil. Através dos blogs, podemos talvez encontrar outros blogueiros no mundo que também compartilham da nossa opinião e que podem entender e nos ajudar nas nossas vidas. Quando participei do primeiro treinamento de blog de Foko, eu perguntei a eles o que eu poderia escrever. Uma das respostas foi que eu poderia usar o blog como um diário. É verdade, mas cuidado para não compartilhar algo muito íntimo em seu blog, alguém pode usar isso contra você (para te atingir).